Pular para o conteúdo principal

Pregadores, proclamem somente a Bíblia


“... aprouve a Deus salvar os que creem pela loucura da pregação” (1Co 1.21).

Estamos vendo o empobrecimento dos púlpitos. O tema da Reforma Protestante Sola Scriptura e Tota Scriptura (Somente a Escritura e Toda a Escritura) deve ser resgatado urgentemente em nossas igrejas. Só pode ser considerada pregação quando se proclama a Bíblia. Se não se proclama a Bíblia, não é pregação, mas palestra, apresentação ou qualquer outra coisa, menos pregação. Pregar somente a Bíblia significa não pregar aquilo que não está e não tem base nas Escrituras. Ou seja, pregação é o ato de proclamar unicamente o que se encontra na Palavra de Deus. É anunciar as verdades contidas nas Escrituras.

O pregador não pode pregar o que é conveniente a ele ou aos ouvintes, ou somente “alguns” temas como se o pregador tivesse escolha para separar e pregar os assuntos, ou ainda, como se o pregador devesse pregar para simplesmente agradar as pessoas. Mas, pregar todos os temas da Bíblia. Isso só é possível quando se prega expositiva e sistematicamente. O pregador da conveniência não está preocupado na veracidade, mas no que funciona; não no que é correto, mas no que dá certo. Ele quer resultado e movimento, e não fidelidade e avivamento. Está mais preocupado no aplauso da terra do que na aprovação do céu.

Os falsos pregadores, os pulpiteiros hipócritas prestam um desserviço à causa de Cristo. Os pregadores infiéis estão a serviço de satanás. Eles pregam a teologia da prosperidade, a confissão positiva e a autoajuda. Porém, o pregador fiel deve lidar corretamente com a Palavra de Deus. Não a pode alterar nem mercadejá-la. Não pode furtá-la e pregar filosofias humanas. O pregador não tem outra coisa a oferecer ao povo a não ser a Palavra de Deus.

Pregar é o ato de proclamar a revelação escrita de Deus: a Bíblia. Não se pode diminuir ou acrescentar nada à pregação. Toda doutrina ou ensino estranho às Escrituras deve ser rejeitado. Somente a Palavra de Deus poderá gerar fé no coração do pecador. Não existe outro Livro para se pregar. Não existe outra forma. Unicamente a Bíblia é a voz de Deus ao coração dos homens. Exclusivamente a pregação bíblica gerará fé para salvação: “... aprouve a Deus salvar os que creem pela loucura da pregação” (1Co 1.21).

Portanto, pregadores, proclamem as boas novas de salvação em Jesus Cristo. Preguem sobre a necessidade de arrependimento. Anunciem a salvação pela graça. Preguem para a glória de Deus, para a edificação da igreja e para a salvação dos perdidos.

Nos laços do Calvário que nos une,
Luciano Paes Landim.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A IMPORTÂNCIA DA FIDELIDADE DOS DÍZIMOS E DAS OFERTAS

Introdução:
O assunto do dízimo é um dos mais importantes na vida do cristão. A prática do dízimo é um tema controvertido nas igrejas evangélicas, tendo, de um lado, defensores apaixonados e, do outro, críticos ardorosos. Para alguns, é uma espécie de legalismo judaico preservado na igreja cristã. Para outros, trata-se de uma norma divina que tem valor permanente para o povo de Deus, na antiga e na nova dispensação. Os críticos do dízimo afirmam que sua obrigatoriedade é contrária ao espírito do evangelho, pois Cristo liberta as pessoas das imposições da lei. Os defensores alegam que essa posição é interesseira, porque permite às pessoas se eximirem da responsabilidade de sustentar generosamente a igreja e suas atividades. O grande desafio nessa área é encontrar o equilíbrio entre tais posições divergentes. O que está em jogo é uma questão mais ampla — o conceito da mordomia cristã, do uso que os cristãos fazem de seus recursos e bens. A Bíblia trata do dízimo em vários textos, isto é…

A ORAÇÃO É A CHAVE PARA A OBRA MISSIONÁRIA

“Quando o homem trabalha, o homem trabalha. Quando o homem ora, Deus trabalha.” Patrick Johnstone

INTRODUÇÃO
O mundo luta com armas químicas, biológicas, bombas atômicas e etc.. São armas consideradas de muito poder. No entanto, existe uma arma mais poderosa do que essas citadas: a oração do justo (Tg 5.16). Ela é mais potente do que os mísseis norte-americanos, pois nunca erra o alvo. A nossa arma é a oração. A oração nos orienta a tomar decisões importantes na obra missionária e em tudo na vida. Ela promove comunhão na igreja (At 2.42).
A oração é a marca distintiva da igreja missionária. A oração é um meio para enfrentar a perseguição. Em At 12.1 diz: “Por aquele tempo, mandou o rei Herodes prender alguns da igreja para os maltratar.” No versículo 5 diz que enquanto o apóstolo Pedro estava aguardando o seu martírio: “... havia oração incessante a Deus por parte da igreja a favor dele.” Toda igreja que faz missão passa por perseguição. Todavia, a perseguição não é capaz de acorre…

Ilustração Missionária: “A Missão de Uma Vela”