Pular para o conteúdo principal

A Geografia Missionária em Atos 1.8

“mas recebereis poder, ao descer sobre vós o Espírito Santo, e sereis minhas testemunhas tanto em Jerusalém como em toda a Judeia e Samaria e até aos confins da terra.” At 1.8

a) Jerusalém: A igreja nasceu em Jerusalém e seus membros se estruturaram para dar continuidade à obra de Jesus. É o trabalho missionário em nossos lares, vizinhança, escola, faculdade, trabalho, etc. Este campo é muito vasto. Você já evangelizou alguém da sua família? Ou seu colega de faculdade ou trabalho? O seu vizinho? Podemos chamar de missões locais. Exemplo: Itajaí-SC .

b) Judeia: A região na qual Jerusalém se localizava. A igreja inicialmente se concentrou em Jerusalém. Entretanto, Deus estava firme em seu propósito de levar a bênção do Evangelho às outras regiões e, por fim, a todas as nações. Ocorreu então que, com a perseguição vinda diretamente contra a igreja de Jerusalém, os que foram dispersos começaram a pregar em toda parte por onde passavam (ver Atos 8.1,4; 5,11,19,20 e 13.46,47). Com a morte de Estevão (Atos 6 e 7), as testemunhas de Jesus foram espalhadas. Podemos chamar de missões regionais. Exemplo: o estado de Santa Catarina).

c) Samaria: A região imediatamente ao norte da Judeia. Felipe prega em Samaria (Atos 8.4-8) e em missão transcultural prega ao etíope, um alto oficial da rainha de Candace, que crê e pede para ser batizado naquele mesmo dia (Atos 8.26,28-36 3 39). A história indica que aquele etíope pode ter preparado o caminho para o posterior estabelecimento de milhares de igreja no longínquo vale do Nilo, África. Embora estivesse localizado entre a Judeia e a Galileia (nos dias do NT), o território samaritano apresentava algumas diferenças culturais significantes (ver 2 Reis 17. 24-41; Esdras 4. 5,9,10; João 4. 9,20), a ponto de seus moradores serem considerados pelos judeus como estrangeiros (Lucas 17. 15-18). Havia uma fronteira cultural entre os judeus e os samaritanos que consistia em dialetos diferentes e algumas outras diferenças culturais bem significativas. Portanto, culturalmente falando, os missionários cujas culturas dos povos que eles evangelizam, defrontam-se com a distância cultural. Podemos chamar de missões nacionais. Exemplo: o Brasil.

d) Confins da Terra: O Evangelho foi se espalhando: Jerusalém (Atos 2-7), Judeia e Samaria (Atos 8-12) e confins da Terra (Atos 13-28). O apóstolo Paulo, escolhido por Deus para levar a mensagem aos gentios (ver Atos 9.15,16), cumpre com êxito o chamado missionário. Em pouco mais de dez anos, e em três viagens missionárias, ele estabelece a igreja em quatro províncias do Império Romano: Galácia, Macedônia, Acaia e Ásia (ver Atos 13.2; 14.28; 15.40; 18.23 e 21.17). Podemos chamar de missões mundiais. Exemplos: Peru, Índia, Afeganistão, etc.

Nos laços do Calvário que nos une,
Luciano Paes Landim.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A IMPORTÂNCIA DA FIDELIDADE DOS DÍZIMOS E DAS OFERTAS

Introdução:
O assunto do dízimo é um dos mais importantes na vida do cristão. A prática do dízimo é um tema controvertido nas igrejas evangélicas, tendo, de um lado, defensores apaixonados e, do outro, críticos ardorosos. Para alguns, é uma espécie de legalismo judaico preservado na igreja cristã. Para outros, trata-se de uma norma divina que tem valor permanente para o povo de Deus, na antiga e na nova dispensação. Os críticos do dízimo afirmam que sua obrigatoriedade é contrária ao espírito do evangelho, pois Cristo liberta as pessoas das imposições da lei. Os defensores alegam que essa posição é interesseira, porque permite às pessoas se eximirem da responsabilidade de sustentar generosamente a igreja e suas atividades. O grande desafio nessa área é encontrar o equilíbrio entre tais posições divergentes. O que está em jogo é uma questão mais ampla — o conceito da mordomia cristã, do uso que os cristãos fazem de seus recursos e bens. A Bíblia trata do dízimo em vários textos, isto é…

A ORAÇÃO É A CHAVE PARA A OBRA MISSIONÁRIA

“Quando o homem trabalha, o homem trabalha. Quando o homem ora, Deus trabalha.” Patrick Johnstone

INTRODUÇÃO
O mundo luta com armas químicas, biológicas, bombas atômicas e etc.. São armas consideradas de muito poder. No entanto, existe uma arma mais poderosa do que essas citadas: a oração do justo (Tg 5.16). Ela é mais potente do que os mísseis norte-americanos, pois nunca erra o alvo. A nossa arma é a oração. A oração nos orienta a tomar decisões importantes na obra missionária e em tudo na vida. Ela promove comunhão na igreja (At 2.42).
A oração é a marca distintiva da igreja missionária. A oração é um meio para enfrentar a perseguição. Em At 12.1 diz: “Por aquele tempo, mandou o rei Herodes prender alguns da igreja para os maltratar.” No versículo 5 diz que enquanto o apóstolo Pedro estava aguardando o seu martírio: “... havia oração incessante a Deus por parte da igreja a favor dele.” Toda igreja que faz missão passa por perseguição. Todavia, a perseguição não é capaz de acorre…

Ilustração Missionária: “A Missão de Uma Vela”