quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

Os Dez Melhores Livros Que Li em 2014


Confesso que não foi fácil selecionar os 10 melhores livros que li neste ano. Estou satisfeito com as leituras, as mesmas foram bem selecionadas e proveitosas. A quantidade, e principalmente a qualidade das leituras, foram edificantes e enriquecedoras. Abaixo, o TOP 10 dos melhores livros que li no ano (obs.: os mesmos não estão em ordem de importância):

LIBERTANDO O MINISTÉRIO DA SÍNDROME DO SUCESSO. Kent & Barbara Hughes, 224 páginas, Anno Domini, 2013.
É o tipo de livro que lemos e desejamos que muitas outras pessoas o leiam. Peço aos pastores que leiam esta obra, ela é muito séria e edificante. Tenho a certeza que muitos obreiros serão curados pelo Espírito Santo ao lerem essas palavras. Altamente recomendável!

ADORAÇÃO: A Prioridade Suprema. John MacArthur, 216 páginas, Editora Hagnos, 2014.
O melhor livro que já li na área. É o tipo de leitura que você sente vontade de aplaudir depois que termina. O grande expositor da Palavra, MacArthur, é bíblico e profundo ao abordar o tema adoração: redenção e eternidade. Recomendo!

O IMPERATIVO CONFESSIONAL. Carl R. Trueman, 268 páginas, Editora Monergismo, 2012.
Tive o privilégio de ouvir o autor ministrar algumas palestras aqui em Brasília, no ano passado. Na presente obra, Trueman afirma a necessidade do uso de credos e confissões para o bem-estar da igreja. Ele acredita que a Bíblia exige isso. Concordo com o autor! Leitura altamente estimável! 

UMA INTRODUÇÃO À FILOSOFIA CRISTÃ. Gordon H. Clark, 162 páginas, Editora Monergismo, 2013.
A presente obra é o sumário da filosofia do doutor Clark. O autor despreza totalmente a sabedoria do mundo e exalta a filosofia cristã (Bíblia) como verdade única. Recomendo a leitura!

TODO MUNDO PENSA, VOCÊ TAMBÉM: Aprendendo a pensar biblicamente. Wadislau Martins Gomes, 272 páginas, Editora Monergismo, 2013.
Um dos melhores livros que li nos últimos dias. Se eu fosse resumir o livro numa frase, diria: Quer aprimorar seu pensamento? Experimente a transformação do raciocínio por meio da Palavra de Deus. O autor trata o conceito de "teorreferência". A obra desafia o leitor a pensar de acordo com as Escrituras. 

O PODER DO EVANGELHO E SUA MENSAGEM. Paul Washer, 302 páginas, Editora Fiel, 2013.
Sempre gostei de ler e assistir (pela internet) Paul Washer. Eu aguardava ansiosamente para ler a presente obra. O autor nos convida a atentarmos para a mensagem mais importante: o evangelho de Jesus Cristo. Washer demonstra coragem e lucidez ao mostrar o foco do evangelho: a glória de Deus. Diz também, o autor, que o evangelho é poderoso para salvar. Amei a leitura. É edificante!

FUTUROS HOMENS: Criando meninos para enfrentar gigantes. Douglas Wilson, 211 páginas, Clire, 2013.
Livro fundamentado na Bíblia, e, portanto, altamente inteligente. A obra mostra o padrão bíblico de masculinidade sobre todas as fronteiras da vida de um garoto. Se eu pudesse, colocaria um exemplar em cada lar. Avaliação: Excelente!

MORTE NA CIDADE. Francis A. Schaeffer, 111 páginas, Editora Cultura Cristã, 2003.
O autor é uma das mentes mais brilhantes da igreja do século XX. Na presente obra, Schaeffer traz uma mensagem bíblica à cultura e à igreja que deram as costas a Deus. A leitura é agradável, edificante e desafiadora. Arrependo-me de não ter lido Schaeffer antes. Vou em busca de outros livros do autor.

POR QUE TARDA O PLENO AVIVAMENTO? Leonard Ravenhill, 160 páginas, Editora Betânia, 1989.
Li pela segunda vez. Certamente, lerei por mais vezes. É impossível ler o livro e não sentir um ardor no coração. O livro nos convoca a uma verdadeira espiritualidade. Somos desafiados a orar consistentemente. Recomendadíssimo! 

IRMÃOS, NÓS NÃO SOMOS PROFISSIONAIS: Um apelo aos pastores para ter um ministério radical. John Piper, 278 páginas, Shedd Publicações, 2009.
O autor diz que a mentalidade do profissional não é a mentalidade do profeta. O pastor tem a mentalidade do escravo de Cristo. A leitura do livro é de fundamental importância. Recomendadíssimo!

Nos laços do Calvário que nos une,

Pastor Luciano Paes Landim.

quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

Como Aguardar a Promessa de Deus?


Esboço de Sermão

Texto Base: Rm 4.18-21

Introdução:
1.        Abraão passou por momentos de preocupação e ansiedade (Gn 17.17,18), no entanto, Deus não viu nessas manifestações nada que pudesse comprometer a sinceridade da fé de Abraão.
2.       A fé madura e firme não se recusa a reconhecer a realidade das dificuldades, mas as enfrenta com a segurança de quem tem plena certeza de que o Senhor dos exércitos, que está à sua frente, é também seu Pai amoroso.
3.       A pergunta que fica é: Como aguardar a promessa de Deus?

Em primeiro lugar, esperando contra a esperança:
1.        (v. 18): “Abraão, esperando contra a esperança, creu...”.
2.       Abraão sabia muito bem qual era a situação dele e de sua esposa Sara. Mesmo assim, ele não duvidou da promessa de Deus, pois tinha certeza de que Deus podia fazer o que havia prometido.
3.        (v. 19): “... sendo já de cem anos, e a idade avançada de Sara”: Sara era dez anos mais nova que Abraão, todavia há muito passara da idade de gerar filhos, além disto, era estéril (Gn 11.30).
4.       (v. 19): “... embora levasse em conta...”: Significa queAbraão reconheceu”. A fé não recusa a enfrentar a realidade, mas ultrapassa todas as dificuldades, olhando para Deus e suas promessas.
5.       Quando se esgotara toda a esperança – segundo as possibilidades humanas -, Abraão depositou em Deus a sua fé.

Em segundo lugar, não duvidando da promessa:
1.        (v. 20): “não duvidou, por incredulidade, da promessa de Deus...”.
2.       Confiando no poder de Deus (v. 17), Abraão adquiriu segurança de que a promessa se cumpriria.
3.        (v. 18): “... segundo lhe fora dito: Assim será a tua descendência” e (Gn 15.5): “Então, conduziu-o até fora e disse: Olha para os céus e conta as estrelas, se é que o podes. E lhe disse: Será assim a tua posteridade”.
4.      Paulo mostrou que a fé genuína está voltada para Deus e não para o homem, para a palavra divina e não para a situação humana.
5.       Ilustração: O meu pai é o piloto.
Em terceiro lugar, fortalecendo-se pela fé:
1.        (v. 19): “... sem enfraquecer na fé”:
a)      O enfraquecimento da fé acontece quando a dúvida corrói a confiança da pessoa na Palavra de Deus.
b)     Abraão passou por alguns momentos de inquietação (ler Gn 17.15-19), mas Deus não computou contra ele.
2.       (v. 20): “... pela fé, se fortaleceu...”: Abraão precisava também desenvolver ou amadurecer a sua fé. Ou seja, a sua fé precisava passar pela provação. Não é o mesmo entre nós?
3.       Três coisas formam um cristão: meditação da Palavra de Deus, vida de oração e tribulação.

Em quarto lugar, Dando glória a Deus:
1.        (v. 20): “... dando glória a Deus.”
2.       As obras são a tentativa desesperada da humanidade para conquistar algum direito de reivindicar o favor de Deus.
3.       Abraão demonstrou que a fé é a simples e sincera disposição do coração do crente em dar glória a Deus:
a)      Primeiro, pelo que já recebeu.
b)     Segundo, pela resposta amorosa que virá do seu Pai.
4.      Dar glória a Deus é um sinal de fé, tendo em vista que fé é depender do poder de Deus e confiar na palavra da promessa dele (v. 21).
5.       Abraão obedeceu fielmente ao padrão dos atributos revelados de Deus (cf. 1.20), e, por isso, a glória divina se manifestou na sua vida.

Conclusão e Aplicações:
1.        Abraão não fugiu da dificuldade, mas também creu em Deus. NÃO PODEMOS FUGIR DAS LUTAS, MAS ENFRENTÁ-LAS E VENCÊ-LAS.
2.       Paulo afirma que Deus é capaz de criar do nada (como fez com o próprio Universo) e dar vida aos mortos, uma alusão ao nascimento de Isaque, quando Abraão e Sara há muitos anos estavam estéreis (Gn 18.11). DEVEMOS CONFIAR QUE DEUS TEM SOLUÇÃO PRA TUDO NA VIDA.
3.       Um pai sábio e amoroso não dá tudo o que seu filho pede, mas procura proporcionar-lhe sempre o melhor. DEUS NUNCA PROMETEU QUE TODOS OS NOSSOS PLANOS DARIAM CERTO, MAS QUE NENHUM PLANO DELE DARIA ERRADO.
4.      A ênfase não é a fé de Abraão nem a nossa fé, mas o Deus que nos proporciona fé em Jesus Cristo. DEVEMOS GLORIFICAR A DEUS POR TUDO QUE NOS FEZ, FAZ E FARÁ, MAS ACIMA DE TUDO, PELO QUE ELE É.


Educando para a glória de Deus