domingo, 30 de junho de 2013

Treinamento Bíblico de Evangelismo no MCCP








No último sábado, 29/06, o Centro de Treinamento Missionário DAVID BRAINERD ministrou o Treinamento Bíblico de Evangelismo A PRÁTICA DE UMA EVANGELIZAÇÃO BÍBLICA SEM ADIÇÕES OU SUBTRAÇÕES, no MINISTÉRIO CRISTÃO CLAMOR PELA PRESENÇA, Sobradinho II/DF. Foi uma tarde dedicada a três palestras: O Preço do Discipulado, A Prática de Uma Evangelização Bíblica Sem Adições ou Subtrações e Estratégias Bíblicas de Evangelização. Foram momentos de edificação e despertamento evangelístico. Agradecemos ao Pr. Ton e a todos os membros do MCCP que participaram do treinamento. Esperamos que o Espírito Santo aplique no coração de cada um as lições bíblicas estudadas.   

Até o próximo treinamento!

Nos laços do Calvário que nos une,
Pr. Luciano Paes Landim.

Trilogia completa da série de livretos “Missões Para a Glória de Deus”do Pr. Luciano Paes Landim




Vol. 01 – Restaurando o Ardor Missionário – Uma convocação urgente ao fervor espiritual (Ap 3.14-22)
Vol. 02 – A Igreja Que Queremos Ser – Uma igreja comprometida com missões (At 2.42-47)
Vol. 03 – Missões no Poder do Espírito Santo – A estratégia missionária de Deus (At 1.8)

Promoção do kit: R$ 20,00 (incluindo despesas postais)

Peça o seu:
Fone: (61) 8460-9254 (OI) e 8176-6400 (TIM)
E-mail: lucianolandim@hotmail.com

sábado, 29 de junho de 2013

Preciosa aos Olhos de Deus


“Preciosa é aos olhos do SENHOR a morte dos seus santos.” (Sl 116.15)

Dia 28 de junho de 2013. Esta foi a data escolhida por Deus para recolher a minha maravilhosa irmã Iraene. Esposa, mãe, irmã, tia, pedagoga e evangelista. Acima de tudo, serva do Senhor. Foi a primeira a se converter na família e depois levou todos à igreja. Alguém forte, inteligente e divertida. Uma pessoa sincera e verdadeira. Foi ela quem esperou no Senhor, com paciência, o cumprimento das promessas de Deus na salvação da família.

Hoje ela parte deixando um maravilhoso esposo e três preciosos filhos. Deixa seis irmãos, dentre eles, três pastores (frutos do seu labor missionário). Deixa uma igreja em prantos e muitos amigos em lamento. Mas também deixa muitas saudades e alegrias indizíveis. A missão dela cumpriu-se cabalmente. Neste momento ela encontra-se nos braços do Pai.

Certamente, para nós seres humanos, os que ficamos, a morte parece ser uma tragédia, mas para Deus, é mais do que a promoção de um dos Seus servos para a glória eterna: “Porquanto, para mim, o viver é Cristo, e o morrer é lucro” (Fp 1.21). Entretanto, no Salmo 116.15, a palavra “preciosa” tem o sentido de “custosa”, ou seja, Deus sofre com a morte de seu povo fiel. Quando Lázaro morreu, a Bíblia diz: “Jesus chorou” (Jo 11.35). O fato bíblico é que a morte dos devotos custa caro ao Senhor (Mt 10.29-31). Deus sente pesar quando um dos seus fiéis morre.

Entretanto, quando o apóstolo Paulo diz em 2Tm 4.6 “O tempo da minha partida é chegado”, o sentido da palavra “partida” é o de que a morte é descanso do trabalho, é deixar a carga, a fadiga. É uma libertação e um alívio. É dormir na terra e acordar no paraíso. Para o missionário veterano, a morte é levantar acampamento, é mudar de residência. Como diz o Rev. Hernandes Dias Lopes: “Para Paulo, a morte equivale a singrar as águas do mar da vida e chegar ao porto divinal, nas praias da eternidade, onde não há choro, nem pranto, nem luto, nem morte. Morrer é estar com Cristo. Morrer é habitar com o Senhor. Morrer é ir para a Casa do Pai”.

As religiões ensinam que primeiro vem a vida e depois a morte. Porém, para os cristãos é o contrário: primeiro vem a morte e depois vem a vida. A mais profunda verdade bíblica sobre a morte é que, se Deus não nos livra da morte, ele nos livra na morte (2Tm 4.18). Para o servo de Deus a morte não é um castigo, perda ou derrota, mas vitória: “Para os fiéis, até a morte é bênção e vitória da parte do SENHOR” (Sl 116.15, NBV). O aguilhão da morte já foi arrancado. Morrer é entrar no céu e estar com Cristo (Fp 1.23). É ir para a Casa do Pai (Jo 14.1-3; 2 Co 5.8).

Consolado pelas palavras acima, busco forças no Senhor da minha vida e desejo a todos os familiares e amigos o conforto do Espírito Santo. Portanto, digo: firmemos os nossos pés em Cristo e vivamos vitoriosamente, pois um dia chegará a nossa hora de estar para sempre com Jesus.

... Hoje Deus chorou... Iraene, uma preciosidade aos olhos do Senhor!

Nos laços do Calvário que nos une,

Luciano Paes Landim.

sexta-feira, 21 de junho de 2013

Minha 0ração Pela Pátria


Senhor Deus, neste momento eu dobro os meus joelhos e abro o meu coração para falar (desabafar) contigo. A minha alma está triste até a morte! Pois, no meu país não há autoridade, justiça e punição aos corruptos. A saúde da minha nação está na UTI, a educação é analfabeta e a insegurança é tamanha. Estou envergonhado por causa do julgamento do “Mensalão” que ainda não deu em nada. Os criminosos ainda não foram presos. Será que mais uma vez haverá impunidade?

Senhor Deus, confesso que ainda não perdi a fé. Acredito piamente que o gigante despertar-se-á e enxergará um novo horizonte. Creio firmemente que feliz é a nação cujo Deus é o Senhor. Portanto, neste momento de manifestações, oro para que o Senhor nos dê sabedoria para conduzirmos a nossa Pátria no caminho correto. Peço para que tenha misericórdia do povo que desfalece ante seus sonhos e que fortaleça aqueles que não conseguem mais acreditar num futuro justo e próspero.

Senhor Deus, oro também pelos governantes do meu país. Sei que o povo tem os líderes que merece. Então Deus, comece mudando o povo. Ensina-nos a votar. Ensina-nos a manifestar. E toma os nossos governantes em tuas mãos, pois as autoridades do meu país não têm nenhuma vontade de aplicar a lei. Eu sei que em Ti não há nenhuma injustiça, por isso, toma o meu povo que chora, sofre e desfalece diante de tantas injustiças, maldades e enganos.

Senhor Deus, eu te peço para que diante da noite sombria que parece não ter fim, o Senhor faça o Sol resplandecer e traga um novo dia para o meu País.

Ah, obrigado por ainda colocar fé no coração de muitos!

Luciano Paes Landim
21 de junho de 2013


terça-feira, 18 de junho de 2013

Minha Viagem ao Bonfim do Piauí



Pregando no Culto de Ação de Graças no povoado "Conceição".

Anualmente vou à cidade dos meus saudosos pais, Bonfim do Piauí. Vou para comemorar o aniversário do meu avô materno e para cooperar na evangelização deste município tão carente do evangelho. A cidade tem um pouco mais do que cinco mil habitantes. A primeira igreja evangélica a chegar à cidade foi a Assembleia de Deus, hoje pastoreada pelo Pr. Assis. Ano passado foi plantada a 1ª Igreja Batista, pastoreada pelo Pr. Mateus. Ambas as igrejas dedicam-se arduamente na evangelização e discipulado da cidade.

Desta vez fiquei quatro dias em Bonfim do Piauí (06 a 09 de junho). Preguei no povoado “Conceição” (culto de ação de graças), no centro da cidade (1ª Igreja Batista) e na Igreja Evangélica Missionária em Anísio de Abreu, uma cidade vizinha. Entregamos às igrejas alguns exemplares dos livros que escrevemos (“Quando Deus Decide Não Curar”, “A Egolatria e a Sociedade Sem Deus” e “Restaurando o Ardor Missionário) para serem distribuídos gratuitamente aos membros.

Neste ano, ao conversar com os pastores sobre a necessidade espiritual que há na cidade, eles me disseram que se sentem sós diante de tamanha miséria espiritual que há no povo. Há muita idolatria e sincretismo religioso. Há muito serviço a ser feito, mas poucos obreiros. O interessante é que os cristãos bonfinenses perseveram na fé e buscam constantemente testemunhar o amor e a salvação em Cristo Jesus, apesar das dificuldades. Notei que tem havido um avanço na obra evangelística. Deus tem agido poderosamente. Louvado seja o Senhor!

Os dois pastores das cidades são teólogos, são amantes da Palavra de Deus. São homens capacitados nos estudos teológicos. Eles demonstram o desejo de continuar os estudos teológicos. Pensam até em fazer mestrado. Todavia, a região não proporciona cursos na área teológica nem a venda de livros. Portanto, decidimos fazer uma campanha de arrecadação de livros de teologia para enviar aos pastores. O leitor poderá doar livros teológicos entrando em contato conosco.

Veja algumas necessidades e pedidos de oração referentes à obra evangelística em Bonfim do Piauí:

Necessidades:
         1.      Oração consistente pela igreja e cidade.
         2.      Ofertas para construção de templos e sustento de obreiros.
         3.      Livros teológicos para a capacitação de obreiros.
         4.      Bíblias, livros e folhetos cristãos para a evangelização.

Pedidos de oração:
        1.      Pr. Assis e família.
        2.      Pr. Mateus e família
        3.      Obreiros e membros da Igreja Assembleia de Deus.
        4.      Obreiros e membros da 1ª Igreja Batista.
        5.      Governantes da cidade.
        6.      Cidadãos em geral da cidade.

Contamos com você leitor na cooperação e avanço desta obra. Entre em contato conosco através do nosso e-mail: missao.saem@hotmail.com

Nos laços do Calvário que nos une,
Luciano Paes Landim.

segunda-feira, 17 de junho de 2013

Treinamento Bíblico de Evangelismo


Conselhos para um missionário









1. Cuide de sua vida com Deus. Cuide bem de sua vida pessoal, especialmente de sua vida com Deus. Não negocie os momentos devocionais diários, mesmo debaixo das pressões do campo e do ministério.

2. Priorize a família. Não é segredo que a família é a instituição mais atacada em nossos dias. Priorizá-la tem sido uma ordem amplamente repetida, porém pouco praticada. De forma simples, priorizar a família é dedicar tempo e atenção à mesma.

3. Tenha um modelo de descanso. Normalmente a agenda missionária não é linear, portanto, poucos conseguem desenvolver uma rotina semanal. Se retirar um dia de descanso por semana não é um modelo viável em seu caso, use outros. O modelo de Cristo era de se engajar intensamente com o ministério e depois desengajar por um tempo para se refazer. É necessário ter um modelo de descanso.

4. Mantenha relacionamentos saudáveis. O relacionamento é possivelmente a melhor ferramenta de trabalho no universo missionário. Não se envolva com conflitos desnecessários e tenha em mente que manter um bom relacionamento com sua equipe e com o grupo-alvo determinará, em boa medida, o rumo do seu ministério.

5. Siga sua visão e chamado. Envolver-se com tudo é a melhor receita para nada concluir. Tenha uma visão clara e um ministério definido. Projete o que você, de acordo com sua visão e chamado, gostaria de ver concluído em 5 ou 10 anos.

6. Organize-se. Tenha um projeto ministerial bem definido e, preferencialmente, por escrito. Tenha clareza de alvos, estratégias e atividades. Liste as atividades em sua agenda, separando-as por mês e por semana. Faça listas diárias - se for de ajuda - e revise, sempre, a relação do que precisa ser feito.

7. Administre as críticas. A única forma de não ser criticado é nada fazer. Portanto, saber administrá-las é essencial para o missionário. Algumas dicas: (a) Não a jogue fora. Mesmo a que é formulada ou comunicada carnalmente pode conter uma verdade sobre a sua vida; (b) Não durma com a crítica. Após avaliá-la perante o Senhor, use o que for proveitoso e se desfaça dela. A crítica guardada por períodos prolongados desenvolve a capacidade de gerar profunda ansiedade na alma; (c) Não se torne um crítico. As pessoas mais críticas que conheço foram muito criticadas no passado.

8. Não faça de sua casa um lugar de refúgio. Aprender uma língua e uma cultura, plantar uma igreja ou desenvolver um projeto social, requer relacionamento com o povo local. Gaste mais tempo com o povo do que com sua equipe. Limite o tempo no computador e tenha uma rotina diária fora de casa.

9. Trabalhe enquanto é dia. Missionários tendem a deixar seus campos sem aviso prévio. As causas vão desde enfermidades, vistos, educação dos filhos, até outros fatores imprevisíveis. O tempo que você tem no lugar que Deus o colocou é, portanto, preciosíssimo. Use-o com sabedoria e intensidade.

10. Mantenha seu coração ensinável. Sempre temos muito a aprender e, às vezes, com a pessoa mais improvável. Leia, converse, participe de cursos e encontros, reflita sobre o que vê e ouve. Um coração ensinável aprende mais de Deus e não comete duas vezes o mesmo erro.

Extraído do site: www.ronaldo.lidorio.com.br

sábado, 15 de junho de 2013

Missões aos Quilombolas do Brasil



O presente relatório se destina a destacar os principais assuntos e decisões da Consulta Quilombolas do Brasil que ocorreu em João Pessoa, na sede da Juvep, nos dias 4 a 6 de abril de 2013.

A Consulta Quilombolas do Brasil visou desenvolver maior compreensão sobre este segmento e fomentar um movimento de cooperação entre as agências, igrejas, missionários e outros envolvidos na evangelização destas comunidades.

Foi coordenada por Ronaldo Lidório com o apoio logístico da Juvep e participação de 55 pessoas representando 37 diferentes igrejas e organizações missionárias.

Um dos principais resultados foi a criação da Aliança Evangélica Pró-Quilombolas do Brasil que tem como função o desenvolvimento da rede de relações e cooperação em prol dos quilombolas em nosso país.


Apresentação pessoal e institucional dos participantes

Paulo Feniman ( MIAF), Sérgio Ribeiro (Juvep), Marcelo Pecher (ALEM), José Carlos Alcântara (ALEM), Claudiane Aguiar (Juvep/Ig. Evang. Batista de JP),  Alisson Gomes de Medeiros (Juvep), Márcio Sato (Juvep), Reinaldo Bui (Juvep),  Bertrant Vilanova (Juvep), Edvanise de Andrade Macedo (Juvep/ Ig. Batista de Intermares/JP), Komlan Wilfrid Fanougbo  (Ig. Presbiteriana de Intermares/JP), Bartolomeu Lopes do Nascimento (1ª Ig. Congregacional de JP), Joelson Gomes (1ª Ig. Congregacional de JP),  Daísa Alves (Ig. de Cristo /Missão Esperança e Fé – RN),  Lídia Maia Neta (Ig. De Cristo/Missão Esperança e Fé – RN),  Fausto Lima do Nascimento Neto (Parceiros em Missões), Edilene Santos de Lima (Parceiros em Missões), Zuleide Amara da Silva – STPN (Seminário Teológico Pentecostal do Nordeste) /Parceiros em Missões), Valdênio Pereira da Silva (Parceiros em Missões), Francinaldo Alves da Silva (Ação Evangélica),  Gessé de Oliveira,  José de Anchieta da Silva (Quilombola - Ig. O Brasil para Cristo, Sta. Terezinha/PE),  Valdeban Alves de Almeida (O Brasil para Cristo – Sta. Terezinha/PE),  Josué Peixoto (Ig. Batista Evangélica de João Pessoa/MIAF), Francisco de Assis Lima (IEB), Deyse Bernardo da Silva (Ig. Batista Regular / JP), Maria Zilmar Gaspar Rodrigues (Missão Novas Tribos do Brasil),  Cléa Almeida dos Santos (Ministério Sal da Terra), Severino J. Santos (Ministério Sal da Terra/Parceiros em Missões), Nathalia de Souza Teixeira (Ministério Sal da Terra), Eduardo de Figueiredo Magrin (Ig. Congregacional), Cleber da Silva Campos (Pró Sertão), Danielly Mendes (Missão Mandacarú/Rede Mãos Dadas),  Alisson M. Worrall (Mãos Dadas/Projeto Paralelo 10), Grace Alonso Arruda (AME), Reinaldo Figueiredo Cesareno (MEAP), Rafael Reis (Projeto Macedônia), Miriam Zanuth (Desafios de Minas/CEM),  Jorge Ferreira Lôla (Ig. Presbiteriana /Missão Semente), Renato Jordão Belzoff (Projeto Benvindos/IPB – Vitória/ES), Mislaine Gabriel Costa Belzoff (IPB – Vitória/ES), Carlos Henrique F. Borges  (HUG Missionary Organization), Kelita Karina de Oliveira Silva (Ministério Desafio Povos Quilombolas – RN),  Katiana Karina de Oliveira Silva (Ministério Desafio Povos Quilombolas – RN),  Marcone Paulo da Silva (Ministério Desafio Povos Quilombolas – RN),  José Luiz da Silva (Ig. Batista em Macaíba – RN), Jorge (Assembleia de Deus de Natal), Edvan João da Costa (Assembleia de Deus de Capoeiras – RN), João Renovato dos Santos Júnior (Ass. Deus da Candelária – RN), Janilson Bezerra (Ass. Deus da Candelária), Belquise Bezerra (Ass. Deus da Candelária), Manoel Araújo (Brasil 21/SEPAL),  Adolfo Tobias de Santana (APMT), Maria Deuzamar de França Silva (Ig. Congregacional de Areia) e Ronaldo Lidório (APMT/AMEM).


Apresentação dos dados e desafio

Quilombolas são afro descendentes que se organizam em comunidades próprias e mantém sua identidade. 

Há um número ainda não dimensionado de comunidades quilombolas no Brasil. O Ministério do Desenvolvimento Social identificou a existência de 3.524 comunidades quilombolas em 2010. Estima, porém, que o número final possa chegar a 5.000 comunidades.

O PBQ (Programa Brasil Quilombola) emitiu relatório em 2009 estimando mais de 3.000 comunidades. Segundo o IBGE 2010 há 477 comunidades quilombolas oficialmente reconhecidas como comunidades tradicionais. Reconhece, porém, que a quantidade de comunidades quilombolas é bem superior: 1945 no Nordeste, 156 no Centro-Oeste, 277 no Sul, 383 no Sudeste e 473 no Norte.

Estão assim divididas: Nordeste - Alagoas: 53, Ceará 87, Paraíba 24, Pernambuco 104, Piauí 173, Rio Grande do Norte 68, Sergipe 31, Sergipe 31, Bahia 549, Maranhão 856; Centro-Oeste - Distrito Federal 1, Goiás 73, Mato Grosso 23, Mato Grosso do Sul 59; Sul - Paraná 102, Rio Grande do Sul 142, Santa Catarina 33; Sudeste - Minas Gerais 207, Espírito Santo 57, Rio de Janeiro 33, São Paulo 86; Norte - Amazonas 3, Amapá 16, Pará 417, Rondônia 8, Tocantins 29.

O dimensionamento do trabalho evangélico entre quilombolas é ainda incipiente e localizado. A Consulta Quilombolas do Brasil coletou diversos dados referentes às ações evangélicas neste segmento. Estima-se, porém, ainda mais de 2.000 comunidades quilombolas sem presença de uma igreja evangélica.


 Aliança Evangélica Pró-Quilombolas do Brasil

Foi formada uma aliança entre indivíduos e instituições presentes que se comprometem a orar e trabalhar para que os quilombolas do Brasil conheçam integralmente o evangelho de Jesus Cristo e se comprometam com o Senhor em comunidades cristãs.

Objetivos da Aliança
   1.      Fomentar pesquisas entre os quilombolas do Brasil.
   2.      Ampliar a mobilização da Igreja Brasileira em prol dos quilombolas.
   3.      Colaborar com o treinamento missionário neste objetivo.
   4.      Promover a relação e comunhão entre agências, pessoas e igrejas que atuam neste segmento.

Natureza da Aliança

A Aliança Evangélica Pró-Quilombolas do Brasil é interdenominacional e interagências. Não substitui ou orienta os trabalhos realizados pelas agências missionárias ou igrejas locais, mas colabora em áreas em que o trabalho conjunto é possível e necessário, como pesquisa, mobilização e treinamento. Segue seus objetivos mantendo-se aberta a novos participantes que poderão ser acrescidos a cada encontro. Prima pela comunhão, oração e ações que possam colaborar de maneira efetiva para que os quilombolas do Brasil conheçam a Cristo.

Responsabilidades na Aliança

Sérgio Ribeiro foi indicado como representante da Aliança e contará com o auxílio de Allison Medeiros nas atividades junto ao grupo. Daísa Alves foi indicada como responsável pela coordenação das informações e comunicação da Aliança. Paulo Feniman e Ronaldo Lidório servirão como consultores da Aliança.


Planejamento e próximos passos

   1.     
Mobilização da Igreja Brasileira.

a.     
A Aliança produzirá uma Carta aberta à Igreja brasileira convocando a mesma para o desafio quilombola.
b.      Produzirá também uma chamada com “10 motivos de oração pelos quilombolas do Brasil” a ser partilhada de maneira ampla.
c.       Os membros da Aliança participarão do 2º Congresso Nordestino de Missões e CBM com a intenção de apresentar informações e o desafio deste segmento.
d.      A Aliança promoverá um dia de oração anual pelos quilombolas do Brasil,   podendo ser o dia da consciência negra ou abolição da escravatura.

   2.     
Produção de material. Será produzido um material informativo/estratégico (panfletos, cartilhas, mapas, relatórios e/ou material visual) com clara indicação do desafio quilombola. Será construído um site que contribuirá para a mobilização da igreja e informações aos envolvidos na Aliança, respeitando a sensibilidade sociopolítica do assunto.
 
   3.     
Treinamento. A Aliança promoverá um treinamento complementar para missionários de campo e outros, com foco em grupos minoritários, dentre eles os quilombolas.

   4.     
Encontros. A Aliança se reunirá uma vez por ano.


Demandas financeiras

A Aliança Evangélica Pró-Quilombolas do Brasil não possui fins lucrativos e subsiste a partir de doações voluntárias dos seus signatários, igrejas, instituições e outras fontes.

Link: http://www.ronaldo.lidorio.com.br/index.php?option=com_content&task=view&id=168&Itemid=26

Educando para a glória de Deus