Missões aos Quilombolas do Brasil



O presente relatório se destina a destacar os principais assuntos e decisões da Consulta Quilombolas do Brasil que ocorreu em João Pessoa, na sede da Juvep, nos dias 4 a 6 de abril de 2013.

A Consulta Quilombolas do Brasil visou desenvolver maior compreensão sobre este segmento e fomentar um movimento de cooperação entre as agências, igrejas, missionários e outros envolvidos na evangelização destas comunidades.

Foi coordenada por Ronaldo Lidório com o apoio logístico da Juvep e participação de 55 pessoas representando 37 diferentes igrejas e organizações missionárias.

Um dos principais resultados foi a criação da Aliança Evangélica Pró-Quilombolas do Brasil que tem como função o desenvolvimento da rede de relações e cooperação em prol dos quilombolas em nosso país.


Apresentação pessoal e institucional dos participantes

Paulo Feniman ( MIAF), Sérgio Ribeiro (Juvep), Marcelo Pecher (ALEM), José Carlos Alcântara (ALEM), Claudiane Aguiar (Juvep/Ig. Evang. Batista de JP),  Alisson Gomes de Medeiros (Juvep), Márcio Sato (Juvep), Reinaldo Bui (Juvep),  Bertrant Vilanova (Juvep), Edvanise de Andrade Macedo (Juvep/ Ig. Batista de Intermares/JP), Komlan Wilfrid Fanougbo  (Ig. Presbiteriana de Intermares/JP), Bartolomeu Lopes do Nascimento (1ª Ig. Congregacional de JP), Joelson Gomes (1ª Ig. Congregacional de JP),  Daísa Alves (Ig. de Cristo /Missão Esperança e Fé – RN),  Lídia Maia Neta (Ig. De Cristo/Missão Esperança e Fé – RN),  Fausto Lima do Nascimento Neto (Parceiros em Missões), Edilene Santos de Lima (Parceiros em Missões), Zuleide Amara da Silva – STPN (Seminário Teológico Pentecostal do Nordeste) /Parceiros em Missões), Valdênio Pereira da Silva (Parceiros em Missões), Francinaldo Alves da Silva (Ação Evangélica),  Gessé de Oliveira,  José de Anchieta da Silva (Quilombola - Ig. O Brasil para Cristo, Sta. Terezinha/PE),  Valdeban Alves de Almeida (O Brasil para Cristo – Sta. Terezinha/PE),  Josué Peixoto (Ig. Batista Evangélica de João Pessoa/MIAF), Francisco de Assis Lima (IEB), Deyse Bernardo da Silva (Ig. Batista Regular / JP), Maria Zilmar Gaspar Rodrigues (Missão Novas Tribos do Brasil),  Cléa Almeida dos Santos (Ministério Sal da Terra), Severino J. Santos (Ministério Sal da Terra/Parceiros em Missões), Nathalia de Souza Teixeira (Ministério Sal da Terra), Eduardo de Figueiredo Magrin (Ig. Congregacional), Cleber da Silva Campos (Pró Sertão), Danielly Mendes (Missão Mandacarú/Rede Mãos Dadas),  Alisson M. Worrall (Mãos Dadas/Projeto Paralelo 10), Grace Alonso Arruda (AME), Reinaldo Figueiredo Cesareno (MEAP), Rafael Reis (Projeto Macedônia), Miriam Zanuth (Desafios de Minas/CEM),  Jorge Ferreira Lôla (Ig. Presbiteriana /Missão Semente), Renato Jordão Belzoff (Projeto Benvindos/IPB – Vitória/ES), Mislaine Gabriel Costa Belzoff (IPB – Vitória/ES), Carlos Henrique F. Borges  (HUG Missionary Organization), Kelita Karina de Oliveira Silva (Ministério Desafio Povos Quilombolas – RN),  Katiana Karina de Oliveira Silva (Ministério Desafio Povos Quilombolas – RN),  Marcone Paulo da Silva (Ministério Desafio Povos Quilombolas – RN),  José Luiz da Silva (Ig. Batista em Macaíba – RN), Jorge (Assembleia de Deus de Natal), Edvan João da Costa (Assembleia de Deus de Capoeiras – RN), João Renovato dos Santos Júnior (Ass. Deus da Candelária – RN), Janilson Bezerra (Ass. Deus da Candelária), Belquise Bezerra (Ass. Deus da Candelária), Manoel Araújo (Brasil 21/SEPAL),  Adolfo Tobias de Santana (APMT), Maria Deuzamar de França Silva (Ig. Congregacional de Areia) e Ronaldo Lidório (APMT/AMEM).


Apresentação dos dados e desafio

Quilombolas são afro descendentes que se organizam em comunidades próprias e mantém sua identidade. 

Há um número ainda não dimensionado de comunidades quilombolas no Brasil. O Ministério do Desenvolvimento Social identificou a existência de 3.524 comunidades quilombolas em 2010. Estima, porém, que o número final possa chegar a 5.000 comunidades.

O PBQ (Programa Brasil Quilombola) emitiu relatório em 2009 estimando mais de 3.000 comunidades. Segundo o IBGE 2010 há 477 comunidades quilombolas oficialmente reconhecidas como comunidades tradicionais. Reconhece, porém, que a quantidade de comunidades quilombolas é bem superior: 1945 no Nordeste, 156 no Centro-Oeste, 277 no Sul, 383 no Sudeste e 473 no Norte.

Estão assim divididas: Nordeste - Alagoas: 53, Ceará 87, Paraíba 24, Pernambuco 104, Piauí 173, Rio Grande do Norte 68, Sergipe 31, Sergipe 31, Bahia 549, Maranhão 856; Centro-Oeste - Distrito Federal 1, Goiás 73, Mato Grosso 23, Mato Grosso do Sul 59; Sul - Paraná 102, Rio Grande do Sul 142, Santa Catarina 33; Sudeste - Minas Gerais 207, Espírito Santo 57, Rio de Janeiro 33, São Paulo 86; Norte - Amazonas 3, Amapá 16, Pará 417, Rondônia 8, Tocantins 29.

O dimensionamento do trabalho evangélico entre quilombolas é ainda incipiente e localizado. A Consulta Quilombolas do Brasil coletou diversos dados referentes às ações evangélicas neste segmento. Estima-se, porém, ainda mais de 2.000 comunidades quilombolas sem presença de uma igreja evangélica.


 Aliança Evangélica Pró-Quilombolas do Brasil

Foi formada uma aliança entre indivíduos e instituições presentes que se comprometem a orar e trabalhar para que os quilombolas do Brasil conheçam integralmente o evangelho de Jesus Cristo e se comprometam com o Senhor em comunidades cristãs.

Objetivos da Aliança
   1.      Fomentar pesquisas entre os quilombolas do Brasil.
   2.      Ampliar a mobilização da Igreja Brasileira em prol dos quilombolas.
   3.      Colaborar com o treinamento missionário neste objetivo.
   4.      Promover a relação e comunhão entre agências, pessoas e igrejas que atuam neste segmento.

Natureza da Aliança

A Aliança Evangélica Pró-Quilombolas do Brasil é interdenominacional e interagências. Não substitui ou orienta os trabalhos realizados pelas agências missionárias ou igrejas locais, mas colabora em áreas em que o trabalho conjunto é possível e necessário, como pesquisa, mobilização e treinamento. Segue seus objetivos mantendo-se aberta a novos participantes que poderão ser acrescidos a cada encontro. Prima pela comunhão, oração e ações que possam colaborar de maneira efetiva para que os quilombolas do Brasil conheçam a Cristo.

Responsabilidades na Aliança

Sérgio Ribeiro foi indicado como representante da Aliança e contará com o auxílio de Allison Medeiros nas atividades junto ao grupo. Daísa Alves foi indicada como responsável pela coordenação das informações e comunicação da Aliança. Paulo Feniman e Ronaldo Lidório servirão como consultores da Aliança.


Planejamento e próximos passos

   1.     
Mobilização da Igreja Brasileira.

a.     
A Aliança produzirá uma Carta aberta à Igreja brasileira convocando a mesma para o desafio quilombola.
b.      Produzirá também uma chamada com “10 motivos de oração pelos quilombolas do Brasil” a ser partilhada de maneira ampla.
c.       Os membros da Aliança participarão do 2º Congresso Nordestino de Missões e CBM com a intenção de apresentar informações e o desafio deste segmento.
d.      A Aliança promoverá um dia de oração anual pelos quilombolas do Brasil,   podendo ser o dia da consciência negra ou abolição da escravatura.

   2.     
Produção de material. Será produzido um material informativo/estratégico (panfletos, cartilhas, mapas, relatórios e/ou material visual) com clara indicação do desafio quilombola. Será construído um site que contribuirá para a mobilização da igreja e informações aos envolvidos na Aliança, respeitando a sensibilidade sociopolítica do assunto.
 
   3.     
Treinamento. A Aliança promoverá um treinamento complementar para missionários de campo e outros, com foco em grupos minoritários, dentre eles os quilombolas.

   4.     
Encontros. A Aliança se reunirá uma vez por ano.


Demandas financeiras

A Aliança Evangélica Pró-Quilombolas do Brasil não possui fins lucrativos e subsiste a partir de doações voluntárias dos seus signatários, igrejas, instituições e outras fontes.

Link: http://www.ronaldo.lidorio.com.br/index.php?option=com_content&task=view&id=168&Itemid=26

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A IMPORTÂNCIA DA FIDELIDADE DOS DÍZIMOS E DAS OFERTAS

ESTRATÉGIAS DE EVANGELIZAÇÃO URBANA (Parte 01)