Pular para o conteúdo principal

Bibliografia Sugerida de Antropologia Missionária


Abaixo, uma lista de livros no campo da Antropologia Missionária:

CASTRO, Onésimo M. De. Esperando a Volta do Criador: Expectativa messiânica de um povo indígena “isolado” na Amazônia. Anápolis, GO: Transcultural Editora, 2008.

HESSELGRAVE, David J.. A comunicação transcultural do evangelho, vols. 1, 2 e 3. São Paulo: Vida Nova, 1994.

HIEBERT, Paul G., O evangelho e a diversidade das culturas: Um guia de antropologia missionária. São Paulo: Vida Nova, 2001.

KASER, Lothar. Diferentes culturas. Londrina: Editora Descoberta.

LIDÓRIO, Ronaldo. Introdução à Antropologia Missionária. São Paulo: Vida Nova, 2011.
___________. Dialektos – Método de aquisição e avaliação linguística.

LARAIA, Roque de Barros. Cultura – Um Conceito Antropológico. 11.ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1997. 116p.

LAUSANNE, Comissão de. O Evangelho e a Cultura. ABU Editora e Visão Mundial.

LEITO FILHO, Tácito da Gama. Fenomenologia da Religião. Rio de Janeiro: JUERP, 1993.

MANSOO (Abraão) Mok. Antropologia Cultural - numa perspectiva missionária. Belo Horizonte: Editora Ame Menor.

NICHOLLS, Bruce J. Contextualização: Uma Teologia do Evangelho e Cultura. Trad.: Gordon Chown. São Paulo: Sociedade Religiosa Edições Vida Nova, 1983.

NIDA, Eugene A., Costumes e culturas: Uma introdução à antropologia missionária. São Paulo: Vida Nova, 1985.

O Evangelho e a Cultura. Série Lausanne, No. 3. 2a. Ed. Belo Horizonte: ABU Editora e Visão Mundial, 1985.

OLSON, Bruce. Por Esta Cruz Te Matarei. Trad.: Dina Rizzi. Miami: Editora Vida, 1979.

PATE, Larry D. Missiologia: a missão transcultural da igreja. São Paulo: Editora Vida, 1987.

REIFLER, Hans Ulrich. Antropologia Missionária para o século XXI. Londrina. Editora Descoberta, 2003.

RICHARDSON, Don. O Fator Melquisedeque. São Paulo, SP: Edições Vida Nova, 1986.
___________. O Totem da Paz. Belo Horizonte, MG: Editora Betânia, 2007.
___________. Senhores da Terra. Belo Horizonte, MG: Editora Betânia, 2009.

ROCHA, Everardo P.G. O Que é Etnocentrismo. Editora Brasiliense, São Paulo, 1984.

SILVA, Cácio. Fenomenologia da Religião. Anápolis, GO: Transcultural Editora.

SOUZA, Isaac Costa. De Todas as Tribos: a missão da igreja e a questão indígena. 2a. Ed. Viçosa: Ultimato, 2003.

STEVENS, Hugh. Manuel, o Índio Diplomata. São Paulo, Editora Fiel, 1976.

Wilbur, Odonovan Jr. O Cristianismo bíblico da perspectiva africana. São Paulo: Editora Vida Nova.

WINTER, Ralph e Hawthrorne C.Steven. Missõses Transculturais: uma Perspectiva Cultural. São Paulo: Editora Mundo Cristão, 1987. 654p.

Wright, Robin (Org.). Transformando os Deuses – Os múltiplos sentidos da conversão entre os povos indígenas no Brasil. Campinas: Editora da Unicamp, 1999.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A IMPORTÂNCIA DA FIDELIDADE DOS DÍZIMOS E DAS OFERTAS

Introdução:
O assunto do dízimo é um dos mais importantes na vida do cristão. A prática do dízimo é um tema controvertido nas igrejas evangélicas, tendo, de um lado, defensores apaixonados e, do outro, críticos ardorosos. Para alguns, é uma espécie de legalismo judaico preservado na igreja cristã. Para outros, trata-se de uma norma divina que tem valor permanente para o povo de Deus, na antiga e na nova dispensação. Os críticos do dízimo afirmam que sua obrigatoriedade é contrária ao espírito do evangelho, pois Cristo liberta as pessoas das imposições da lei. Os defensores alegam que essa posição é interesseira, porque permite às pessoas se eximirem da responsabilidade de sustentar generosamente a igreja e suas atividades. O grande desafio nessa área é encontrar o equilíbrio entre tais posições divergentes. O que está em jogo é uma questão mais ampla — o conceito da mordomia cristã, do uso que os cristãos fazem de seus recursos e bens. A Bíblia trata do dízimo em vários textos, isto é…

A ORAÇÃO É A CHAVE PARA A OBRA MISSIONÁRIA

“Quando o homem trabalha, o homem trabalha. Quando o homem ora, Deus trabalha.” Patrick Johnstone

INTRODUÇÃO
O mundo luta com armas químicas, biológicas, bombas atômicas e etc.. São armas consideradas de muito poder. No entanto, existe uma arma mais poderosa do que essas citadas: a oração do justo (Tg 5.16). Ela é mais potente do que os mísseis norte-americanos, pois nunca erra o alvo. A nossa arma é a oração. A oração nos orienta a tomar decisões importantes na obra missionária e em tudo na vida. Ela promove comunhão na igreja (At 2.42).
A oração é a marca distintiva da igreja missionária. A oração é um meio para enfrentar a perseguição. Em At 12.1 diz: “Por aquele tempo, mandou o rei Herodes prender alguns da igreja para os maltratar.” No versículo 5 diz que enquanto o apóstolo Pedro estava aguardando o seu martírio: “... havia oração incessante a Deus por parte da igreja a favor dele.” Toda igreja que faz missão passa por perseguição. Todavia, a perseguição não é capaz de acorre…

Ilustração Missionária: “A Missão de Uma Vela”