Pular para o conteúdo principal

Minha Viagem ao Bonfim do Piauí



Pregando no Culto de Ação de Graças no povoado "Conceição".

Anualmente vou à cidade dos meus saudosos pais, Bonfim do Piauí. Vou para comemorar o aniversário do meu avô materno e para cooperar na evangelização deste município tão carente do evangelho. A cidade tem um pouco mais do que cinco mil habitantes. A primeira igreja evangélica a chegar à cidade foi a Assembleia de Deus, hoje pastoreada pelo Pr. Assis. Ano passado foi plantada a 1ª Igreja Batista, pastoreada pelo Pr. Mateus. Ambas as igrejas dedicam-se arduamente na evangelização e discipulado da cidade.

Desta vez fiquei quatro dias em Bonfim do Piauí (06 a 09 de junho). Preguei no povoado “Conceição” (culto de ação de graças), no centro da cidade (1ª Igreja Batista) e na Igreja Evangélica Missionária em Anísio de Abreu, uma cidade vizinha. Entregamos às igrejas alguns exemplares dos livros que escrevemos (“Quando Deus Decide Não Curar”, “A Egolatria e a Sociedade Sem Deus” e “Restaurando o Ardor Missionário) para serem distribuídos gratuitamente aos membros.

Neste ano, ao conversar com os pastores sobre a necessidade espiritual que há na cidade, eles me disseram que se sentem sós diante de tamanha miséria espiritual que há no povo. Há muita idolatria e sincretismo religioso. Há muito serviço a ser feito, mas poucos obreiros. O interessante é que os cristãos bonfinenses perseveram na fé e buscam constantemente testemunhar o amor e a salvação em Cristo Jesus, apesar das dificuldades. Notei que tem havido um avanço na obra evangelística. Deus tem agido poderosamente. Louvado seja o Senhor!

Os dois pastores das cidades são teólogos, são amantes da Palavra de Deus. São homens capacitados nos estudos teológicos. Eles demonstram o desejo de continuar os estudos teológicos. Pensam até em fazer mestrado. Todavia, a região não proporciona cursos na área teológica nem a venda de livros. Portanto, decidimos fazer uma campanha de arrecadação de livros de teologia para enviar aos pastores. O leitor poderá doar livros teológicos entrando em contato conosco.

Veja algumas necessidades e pedidos de oração referentes à obra evangelística em Bonfim do Piauí:

Necessidades:
         1.      Oração consistente pela igreja e cidade.
         2.      Ofertas para construção de templos e sustento de obreiros.
         3.      Livros teológicos para a capacitação de obreiros.
         4.      Bíblias, livros e folhetos cristãos para a evangelização.

Pedidos de oração:
        1.      Pr. Assis e família.
        2.      Pr. Mateus e família
        3.      Obreiros e membros da Igreja Assembleia de Deus.
        4.      Obreiros e membros da 1ª Igreja Batista.
        5.      Governantes da cidade.
        6.      Cidadãos em geral da cidade.

Contamos com você leitor na cooperação e avanço desta obra. Entre em contato conosco através do nosso e-mail: missao.saem@hotmail.com

Nos laços do Calvário que nos une,
Luciano Paes Landim.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A IMPORTÂNCIA DA FIDELIDADE DOS DÍZIMOS E DAS OFERTAS

Introdução:
O assunto do dízimo é um dos mais importantes na vida do cristão. A prática do dízimo é um tema controvertido nas igrejas evangélicas, tendo, de um lado, defensores apaixonados e, do outro, críticos ardorosos. Para alguns, é uma espécie de legalismo judaico preservado na igreja cristã. Para outros, trata-se de uma norma divina que tem valor permanente para o povo de Deus, na antiga e na nova dispensação. Os críticos do dízimo afirmam que sua obrigatoriedade é contrária ao espírito do evangelho, pois Cristo liberta as pessoas das imposições da lei. Os defensores alegam que essa posição é interesseira, porque permite às pessoas se eximirem da responsabilidade de sustentar generosamente a igreja e suas atividades. O grande desafio nessa área é encontrar o equilíbrio entre tais posições divergentes. O que está em jogo é uma questão mais ampla — o conceito da mordomia cristã, do uso que os cristãos fazem de seus recursos e bens. A Bíblia trata do dízimo em vários textos, isto é…

A ORAÇÃO É A CHAVE PARA A OBRA MISSIONÁRIA

“Quando o homem trabalha, o homem trabalha. Quando o homem ora, Deus trabalha.” Patrick Johnstone

INTRODUÇÃO
O mundo luta com armas químicas, biológicas, bombas atômicas e etc.. São armas consideradas de muito poder. No entanto, existe uma arma mais poderosa do que essas citadas: a oração do justo (Tg 5.16). Ela é mais potente do que os mísseis norte-americanos, pois nunca erra o alvo. A nossa arma é a oração. A oração nos orienta a tomar decisões importantes na obra missionária e em tudo na vida. Ela promove comunhão na igreja (At 2.42).
A oração é a marca distintiva da igreja missionária. A oração é um meio para enfrentar a perseguição. Em At 12.1 diz: “Por aquele tempo, mandou o rei Herodes prender alguns da igreja para os maltratar.” No versículo 5 diz que enquanto o apóstolo Pedro estava aguardando o seu martírio: “... havia oração incessante a Deus por parte da igreja a favor dele.” Toda igreja que faz missão passa por perseguição. Todavia, a perseguição não é capaz de acorre…

Ilustração Missionária: “A Missão de Uma Vela”