Pular para o conteúdo principal

Preciosa aos Olhos de Deus


“Preciosa é aos olhos do SENHOR a morte dos seus santos.” (Sl 116.15)

Dia 28 de junho de 2013. Esta foi a data escolhida por Deus para recolher a minha maravilhosa irmã Iraene. Esposa, mãe, irmã, tia, pedagoga e evangelista. Acima de tudo, serva do Senhor. Foi a primeira a se converter na família e depois levou todos à igreja. Alguém forte, inteligente e divertida. Uma pessoa sincera e verdadeira. Foi ela quem esperou no Senhor, com paciência, o cumprimento das promessas de Deus na salvação da família.

Hoje ela parte deixando um maravilhoso esposo e três preciosos filhos. Deixa seis irmãos, dentre eles, três pastores (frutos do seu labor missionário). Deixa uma igreja em prantos e muitos amigos em lamento. Mas também deixa muitas saudades e alegrias indizíveis. A missão dela cumpriu-se cabalmente. Neste momento ela encontra-se nos braços do Pai.

Certamente, para nós seres humanos, os que ficamos, a morte parece ser uma tragédia, mas para Deus, é mais do que a promoção de um dos Seus servos para a glória eterna: “Porquanto, para mim, o viver é Cristo, e o morrer é lucro” (Fp 1.21). Entretanto, no Salmo 116.15, a palavra “preciosa” tem o sentido de “custosa”, ou seja, Deus sofre com a morte de seu povo fiel. Quando Lázaro morreu, a Bíblia diz: “Jesus chorou” (Jo 11.35). O fato bíblico é que a morte dos devotos custa caro ao Senhor (Mt 10.29-31). Deus sente pesar quando um dos seus fiéis morre.

Entretanto, quando o apóstolo Paulo diz em 2Tm 4.6 “O tempo da minha partida é chegado”, o sentido da palavra “partida” é o de que a morte é descanso do trabalho, é deixar a carga, a fadiga. É uma libertação e um alívio. É dormir na terra e acordar no paraíso. Para o missionário veterano, a morte é levantar acampamento, é mudar de residência. Como diz o Rev. Hernandes Dias Lopes: “Para Paulo, a morte equivale a singrar as águas do mar da vida e chegar ao porto divinal, nas praias da eternidade, onde não há choro, nem pranto, nem luto, nem morte. Morrer é estar com Cristo. Morrer é habitar com o Senhor. Morrer é ir para a Casa do Pai”.

As religiões ensinam que primeiro vem a vida e depois a morte. Porém, para os cristãos é o contrário: primeiro vem a morte e depois vem a vida. A mais profunda verdade bíblica sobre a morte é que, se Deus não nos livra da morte, ele nos livra na morte (2Tm 4.18). Para o servo de Deus a morte não é um castigo, perda ou derrota, mas vitória: “Para os fiéis, até a morte é bênção e vitória da parte do SENHOR” (Sl 116.15, NBV). O aguilhão da morte já foi arrancado. Morrer é entrar no céu e estar com Cristo (Fp 1.23). É ir para a Casa do Pai (Jo 14.1-3; 2 Co 5.8).

Consolado pelas palavras acima, busco forças no Senhor da minha vida e desejo a todos os familiares e amigos o conforto do Espírito Santo. Portanto, digo: firmemos os nossos pés em Cristo e vivamos vitoriosamente, pois um dia chegará a nossa hora de estar para sempre com Jesus.

... Hoje Deus chorou... Iraene, uma preciosidade aos olhos do Senhor!

Nos laços do Calvário que nos une,

Luciano Paes Landim.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A IMPORTÂNCIA DA FIDELIDADE DOS DÍZIMOS E DAS OFERTAS

Introdução:
O assunto do dízimo é um dos mais importantes na vida do cristão. A prática do dízimo é um tema controvertido nas igrejas evangélicas, tendo, de um lado, defensores apaixonados e, do outro, críticos ardorosos. Para alguns, é uma espécie de legalismo judaico preservado na igreja cristã. Para outros, trata-se de uma norma divina que tem valor permanente para o povo de Deus, na antiga e na nova dispensação. Os críticos do dízimo afirmam que sua obrigatoriedade é contrária ao espírito do evangelho, pois Cristo liberta as pessoas das imposições da lei. Os defensores alegam que essa posição é interesseira, porque permite às pessoas se eximirem da responsabilidade de sustentar generosamente a igreja e suas atividades. O grande desafio nessa área é encontrar o equilíbrio entre tais posições divergentes. O que está em jogo é uma questão mais ampla — o conceito da mordomia cristã, do uso que os cristãos fazem de seus recursos e bens. A Bíblia trata do dízimo em vários textos, isto é…

A ORAÇÃO É A CHAVE PARA A OBRA MISSIONÁRIA

“Quando o homem trabalha, o homem trabalha. Quando o homem ora, Deus trabalha.” Patrick Johnstone

INTRODUÇÃO
O mundo luta com armas químicas, biológicas, bombas atômicas e etc.. São armas consideradas de muito poder. No entanto, existe uma arma mais poderosa do que essas citadas: a oração do justo (Tg 5.16). Ela é mais potente do que os mísseis norte-americanos, pois nunca erra o alvo. A nossa arma é a oração. A oração nos orienta a tomar decisões importantes na obra missionária e em tudo na vida. Ela promove comunhão na igreja (At 2.42).
A oração é a marca distintiva da igreja missionária. A oração é um meio para enfrentar a perseguição. Em At 12.1 diz: “Por aquele tempo, mandou o rei Herodes prender alguns da igreja para os maltratar.” No versículo 5 diz que enquanto o apóstolo Pedro estava aguardando o seu martírio: “... havia oração incessante a Deus por parte da igreja a favor dele.” Toda igreja que faz missão passa por perseguição. Todavia, a perseguição não é capaz de acorre…

Ilustração Missionária: “A Missão de Uma Vela”