Missio Ecclesiae – Missão da Igreja



A Igreja, em Pentecostes, espontaneamente se torna “missionária em sua essência e coração” ao ser batizada pelo Espírito Santo. Sendo assim, o Espírito e a missão não podem ser separados, Ele preserva e cuida do fruto missionário, e este, precisa aprender a confiar no Espírito Santo, desde o princípio e ao longo de seu ministério. Isto significa dependência e suficiência total no Espírito.

Esta é a missão do Deus-Trino, Deus Pai enviou o Deus Filho, o Deus Pai e o Deus Filho enviaram o Deus Espírito Santo, e as três Pessoas, como um só Deus, enviaram a Igreja ao mundo. Ou seja, Deus escolhe, capacita, envia e produz os resultados da missão. Logo, a missão da Igreja (missio ecclesiae) não tem vida própria, mas como enviada tem o privilégio de participar da Missão de Deus.
Robson Rosa Santana cita Vicedom:

“não cabe à Igreja decidir se ela quer fazer missão, mas ela só pode decidir se quer ser Igreja”.

A tarefa missionária da Igreja é parte do decreto de Deus, se realmente quer ser Igreja ela precisa participar, isso não coloca os crentes ou a Igreja como centro da missão. Nem o homem, nem a Igreja, nem as agências missionárias são protagonistas na salvação. Toda a obra da redenção se inicia e se completa no Deus Trino. Fazer missão não está relacionado ao bem-estar ou glória humana, nem a expansão da Igreja, ela envolve a glória de Deus, porque o seu Ser e o seu Caráter são o fundamento da missão: “pois dele, e por meio dele, e para ele são todas as coisas, a ele pois a glória eternamente. Amém” (Rm 11.36). A missão da Igreja é a continuação da missão de Jesus. A missão do cristão é glorificar a Deus e proclamar o Evangelho, porque os frutos são acendidos pelo Senhor. Deus elege, o crente anuncia. A Igreja tem vocação missionária. Vocação que começa em Abraão. Não é a partir da Grande Comissão em Mt 28.18-20 que começa a responsabilidade da Igreja. É a partir da vocação de Abraão que, segundo a promessa de Deus, tanto seria abençoado como seria uma bênção para outras nações: “Ora, disse o Senhor a Abrão: Sai da tua terra, da tua parentela e da casa de teu pai e vai para a terra que te mostrarei... sê tu uma bênção... em ti serão benditas todas as famílias da terra” (Gn 12.1-3).
Doriana Maria de Carvalho refere-se a Gn 12.1-3, em paralelo com Mt 28.18-20 (a Grande Comissão no Novo Testamento), como a Grande Comissão no Antigo Testamento. Doriana esboça assim essa interpretação bíblica da missão:

1. Deus apresenta três promessas pessoais e específicas a Abraão:
a) “Sai... para a terra que te mostrarei.” (posse);
b) “de ti farei uma grande nação.” (promessa de uma posteridade);
c) “te abençoarei o nome, te engrandecerei.” (privilégios);
2. Deus exige responsabilidades: “Sê tu uma bênção.” (Gn 22.16-18): “e disse: Por mim mesmo jurei, diz o Senhor, porquanto fizeste isto, e não me negaste teu filho, o teu único filho, que deveras te abençoarei, e grandemente multiplicarei a tua descendência, como as estrelas do céu e como a areia que está na praia do mar; e a tua descendência possuirá a porta dos seus inimigos; e em tua descendência serão benditas todas as nações da terra; porquanto obedeceste à minha voz.”
a) Obediência;
b) Fé.
3. Deus faz duas promessas de poder a Abraão:
a) “Abençoarei os que te abençoarem” (os que colaborassem com Abraão estariam colaborando com Deus, portanto, seriam também abençoados);
b) “e amaldiçoarei os que te amaldiçoarem” (o contrário);
4. “Em ti serão benditas todas as nações (famílias) da terra” (bênçãos espirituais a toda etnia da terra).

A missão deve ser vista como um atributo de Deus. É no próprio Ser e Caráter de Deus que a base mais profunda do esforço missionário é encontrada. Não conseguimos refletir sobre Deus exceto em termos que compelem à ideia missionária. Deus é um Deus de coração missionário. O propósito final da missão é glorificar a Deus, de modo que uma multidão de todas as nações, tribos, povos e línguas possam declarar o louvor e a honra, a glória e o poder de Deus por toda a eternidade. Portanto, Deus está no centro da missão. Ele é o alvo da missão. A missão existe para a glória de Deus Pai, Deus Filho e Deus Espírito Santo.

Nos laços do Calvário que nos une,
Rev. Luciano Paes Landim.

www.lucianopaeslandim.blogspot.com

Comentários

  1. A pura verdade, que Deus esteja colocando a sua mão na vida dos verdadeiros adoradores....Muito boa esta reflexão sobre a verdadeira identidade da igreja atual...Deus abençoe sua vida!
    silvioribeirof.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. A igreja é por natureza missionária. Isto é o mesmo que "essência". Ela existe para adorar a Deus. A igreja proclama o evangelho para a glória do Senhor das nações.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Comentários:

Postagens mais visitadas deste blog

A IMPORTÂNCIA DA FIDELIDADE DOS DÍZIMOS E DAS OFERTAS

ESTRATÉGIAS DE EVANGELIZAÇÃO URBANA (Parte 01)