Pular para o conteúdo principal

O SENHOR DA GLÓRIA


Entendo que muitos líderes religiosos que se intitulam cristãos vêm mudando a glória de Deus, e ensinando de forma incorreta o caminho da graça aos seus discípulos. A verdade bíblica virou promessa de político: “Se você aceitar a Cristo, todos os seus problemas serão resolvidos, automaticamente”. Com timidez e acanhamento para pregar o evangelho, a igreja corre ao risco de perder seu impacto sobre a sociedade, causando um dano enorme em nossa geração. Portanto, precisamos centrar o foco da proclamação pura e genuína do evangelho e no combate ao pecado interno da egolatria. Precisamos de uma igreja concentrada nas Escrituras, que honra e serve a Deus. Nós não precisamos de artistas, mas de servos de Deus chamados para anunciar a glória do Senhor. Somos sal, que não aparece, mas que dá sabor. Somos pecadores salvos pela graça de Deus, não pelas obras para que não nos gloriemos: “Porque pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto não vem de vós; é dom de Deus; não de obras, para que ninguém se glorie” (Ef 2.8,9). Mas porque Deus determinou salvar aqueles que creem nEle. Graça que pode alcançar qualquer pessoa. Entretanto, se alguém se achega a Deus com base em alguma suposta sabedoria, obra, riqueza ou poder, tal pessoa é fundamentalmente rejeitada. A razão da predestinação (escolha) de Deus é sobremodo importante. Ele escolhe os seus “a fim de que ninguém se vanglorie na presença de Deus” (1Co 1.29). Deus não divide a sua glória com ninguém: “A minha glória, pois, não a darei a outrem, nem a minha honra, às imagens de escultura” (Is 42.8). “Por amor de mim, por amor de mim, é que faço isto; porque como seria profanado o meu nome? A minha glória, não a dou a outrem” (Is 48.11). Não devemos nos gloriar em nós mesmos, mas: “O que se gloriar, glorie-se nisto: em me conhecer e saber que eu sou o SENHOR e faço misericórdia, juízo e justiça na terra; porque destas coisas me agrado” (Jr 9.24). Ou seja, devemos nos gloriar em Deus: “... Aquele que se gloria, glorie-se no Senhor” (1Co 1.31).

Pela graça de Deus, confiamos, descansamos e entregamo-nos a Ele. Que é o centro de nossas vidas, é a nossa rocha, a nossa âncora, a nossa confiança. Assim, Deus, o Senhor da glória, repele silenciosa e eficientemente, a sabedoria, a soberba e egolatria da sociedade sem Deus. Precisamos de mais pessoas que façam coisas obedecendo a Deus e menos pessoas favorecendo o homem.

Soli Deo Gloria!

Nos laços do Calvário que nos une,
Rev. Luciano Paes Landim.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A IMPORTÂNCIA DA FIDELIDADE DOS DÍZIMOS E DAS OFERTAS

Introdução:
O assunto do dízimo é um dos mais importantes na vida do cristão. A prática do dízimo é um tema controvertido nas igrejas evangélicas, tendo, de um lado, defensores apaixonados e, do outro, críticos ardorosos. Para alguns, é uma espécie de legalismo judaico preservado na igreja cristã. Para outros, trata-se de uma norma divina que tem valor permanente para o povo de Deus, na antiga e na nova dispensação. Os críticos do dízimo afirmam que sua obrigatoriedade é contrária ao espírito do evangelho, pois Cristo liberta as pessoas das imposições da lei. Os defensores alegam que essa posição é interesseira, porque permite às pessoas se eximirem da responsabilidade de sustentar generosamente a igreja e suas atividades. O grande desafio nessa área é encontrar o equilíbrio entre tais posições divergentes. O que está em jogo é uma questão mais ampla — o conceito da mordomia cristã, do uso que os cristãos fazem de seus recursos e bens. A Bíblia trata do dízimo em vários textos, isto é…

A ORAÇÃO É A CHAVE PARA A OBRA MISSIONÁRIA

“Quando o homem trabalha, o homem trabalha. Quando o homem ora, Deus trabalha.” Patrick Johnstone

INTRODUÇÃO
O mundo luta com armas químicas, biológicas, bombas atômicas e etc.. São armas consideradas de muito poder. No entanto, existe uma arma mais poderosa do que essas citadas: a oração do justo (Tg 5.16). Ela é mais potente do que os mísseis norte-americanos, pois nunca erra o alvo. A nossa arma é a oração. A oração nos orienta a tomar decisões importantes na obra missionária e em tudo na vida. Ela promove comunhão na igreja (At 2.42).
A oração é a marca distintiva da igreja missionária. A oração é um meio para enfrentar a perseguição. Em At 12.1 diz: “Por aquele tempo, mandou o rei Herodes prender alguns da igreja para os maltratar.” No versículo 5 diz que enquanto o apóstolo Pedro estava aguardando o seu martírio: “... havia oração incessante a Deus por parte da igreja a favor dele.” Toda igreja que faz missão passa por perseguição. Todavia, a perseguição não é capaz de acorre…

Ilustração Missionária: “A Missão de Uma Vela”