Pular para o conteúdo principal

BIBLIOGRAFIA DE GEOGRAFIA BÍBLICA

QUERO AQUI SUGERIR ALGUNS LIVROS NO ESTUDO DA GEOGRAFIA BÍBLICA:


ANDRADE, Claudionor de. Geografia Bíblica. Rio de Janeiro, RJ: CPAD.

BRUCE, F. F. Merece Confiança o Novo Testamento? São Paulo: Vida Nova, 1990, (2a edição).

COLEMAN, W. Manual dos Tempos e Costumes Bíblicos. Venda Nova: Betânia, 1998.

COSTA, Hermisten M. P. da. A Literatura Apocalíptico–Judaica. São Paulo: Casa Editora Presbiteriana, 1992.

CURRID, John. Arqueologia nas Terras Bíblicas. São Paulo: Cultura Cristã, 2003.

DANA, H.E. Mundo do Novo Testamento. 4ª Ed. Rio de Janeiro: JUERP. 1990.

DANIEL-ROPS, Henry. A Vida Diária nos Tempos de Jesus. São Paulo: Vida Nova, 1983.

GUNDRY, R. H. Panorama do Novo Testamento. São Paulo: Vida.

HILL, A. e WALTON, J. Panorama do Antigo Testamento. São Paulo: Editora Vida, 2006.

MONEY, Netta Kemp de. Geografia Histórica do Mundo Bíblico. São Paulo, SP: Editora Vida.

NASCIMENTO, Washington R. Caminhos da Revelação Bíblica. Rio de Janeiro, RJ: JUERP, 1991.

ORRÚ, Geruásio F. Os Manuscritos de Qumran e o Novo Testamento. São Paulo: Vida Nova, 1993.

PACKER, J., TENNEY, M. e WHITE Jr, W. O Mundo do Novo Testamento. São Paulo: Editora Vida, 1988.

PACKER, J., TENNEY, M. e WHITE Jr, W. Vida Cotidiana nos Tempos Bíblicos. São Paulo: Editora Vida, 1984.

PRICE, Randall. PEDRAS QUE CLAMAM. Rio de Janeiro: CPAD, 2001.

ROBERTSON, O. Palmer. Terra de Deus. São Paulo: Cultura Cristã, 1998.

SCHULTZ, S. História de Israel no Antigo Testamento. São Paulo: Vida Nova.

SHANKS, Hershel. PARA COMPREENDER OS MANUSCRITOS DO MAR MORTO. Rio de Janeiro: Imago, 1993.

THOMPSON, John Arthur. A BÍBLIA E A ARQUEOLOGIA. São Paulo, SP: Editora Vida Cristã, 2004.

UNGER, Merril F. ARQUEOLOGIA DO VELHO TESTAMENTO. São Paulo: Batista Regular, 1980.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A IMPORTÂNCIA DA FIDELIDADE DOS DÍZIMOS E DAS OFERTAS

Introdução:
O assunto do dízimo é um dos mais importantes na vida do cristão. A prática do dízimo é um tema controvertido nas igrejas evangélicas, tendo, de um lado, defensores apaixonados e, do outro, críticos ardorosos. Para alguns, é uma espécie de legalismo judaico preservado na igreja cristã. Para outros, trata-se de uma norma divina que tem valor permanente para o povo de Deus, na antiga e na nova dispensação. Os críticos do dízimo afirmam que sua obrigatoriedade é contrária ao espírito do evangelho, pois Cristo liberta as pessoas das imposições da lei. Os defensores alegam que essa posição é interesseira, porque permite às pessoas se eximirem da responsabilidade de sustentar generosamente a igreja e suas atividades. O grande desafio nessa área é encontrar o equilíbrio entre tais posições divergentes. O que está em jogo é uma questão mais ampla — o conceito da mordomia cristã, do uso que os cristãos fazem de seus recursos e bens. A Bíblia trata do dízimo em vários textos, isto é…

A ORAÇÃO É A CHAVE PARA A OBRA MISSIONÁRIA

“Quando o homem trabalha, o homem trabalha. Quando o homem ora, Deus trabalha.” Patrick Johnstone

INTRODUÇÃO
O mundo luta com armas químicas, biológicas, bombas atômicas e etc.. São armas consideradas de muito poder. No entanto, existe uma arma mais poderosa do que essas citadas: a oração do justo (Tg 5.16). Ela é mais potente do que os mísseis norte-americanos, pois nunca erra o alvo. A nossa arma é a oração. A oração nos orienta a tomar decisões importantes na obra missionária e em tudo na vida. Ela promove comunhão na igreja (At 2.42).
A oração é a marca distintiva da igreja missionária. A oração é um meio para enfrentar a perseguição. Em At 12.1 diz: “Por aquele tempo, mandou o rei Herodes prender alguns da igreja para os maltratar.” No versículo 5 diz que enquanto o apóstolo Pedro estava aguardando o seu martírio: “... havia oração incessante a Deus por parte da igreja a favor dele.” Toda igreja que faz missão passa por perseguição. Todavia, a perseguição não é capaz de acorre…

Ilustração Missionária: “A Missão de Uma Vela”