Pular para o conteúdo principal

Pastores Sem Qualificações Bíblicas



Alguns entram no pastorado com motivações perigosas que causam prejuízos terríveis ao rebanho. Uns entram procurando adquirir estabilidade financeira, outros buscando status social, outros a necessidade de firmar-se como pessoa, outros o senso de obrigação e ainda outros por falta de opções. Entretanto, a motivação principal na vida de um pastor vocacionado e que tem qualificações bíblicas é o desejo de glorificar a Deus e cuidar do rebanho do Bom Pastor. Ninguém entra no ministério pastoral sem ser chamado e ninguém consegue sair quando é chamado.

Características de pastores sem qualificações bíblicas:

Algumas características de pastores sem qualificações bíblicas são: ausência de vocação, desleixo para com a família, ganância, ambição, descuido com a vida devocional (oração e estudo da Palavra), desprezo ao trabalho de visitação e aconselhamento, envolvimento com as coisas do mundo, descontrole, repreensibilidade, inaptidão para ensinar, violência, avareza, amizade com contendas, politicagem, prepotência, péssimo testemunho dos de fora, etc.
O fato é que há muitos “pastores” sem qualificações bíblicas. Neste artigo, abordarei o tema na perspectiva positiva mostrando algumas características dos pastores bíblicos.

A vocação pastoral:

O ministério pastoral não é uma profissão. É uma vocação sublime acompanhada de missão. Ela é divina (Ef 4.11), pessoal (At 9.15), soberana (Rm 11.34,35), definitiva (Lc 9.62) e eficaz (Rm 8.30). É confirmada pela igreja (At 16.1,2) e imprescendivelmente, por Deus (Jr 1.4-10). Antes de alguém exercer o pastorado deve-se observar se há habilidades (Ef 4.11-12), anseio (1Tm 3.1) e um estilo de vida íntegro (1 Pe 1.15-16). O vocacionado deve corresponder a chamada pastoral com humildade (Mt 11.28-30), obediência (At 26.19) e submissão (1 Co 7.17) confiando totalmente no poder de Deus, tendo sua vida coerente com sã a doutrina e compreendendo que sua comissão vem de Deus, não de si mesmo. Lembrando que sua convicção da chamada lhe conserva firme na rota do seu ministério. Ou seja, a chamada para o ministério não é questão de escolha. Os pastores não escolhem serem pastores. Deus é quem escolhe homens para pastorearem suas ovelhas.

A escola pastoral:

O problema reside no fato de que não estamos preparando pastores, mas “ordenando” pastores despreparados ou não vocacionados. É indispensável, além da vocação divina, que o pastor tenha adequada preparação para desempenhar sua função. A realidade é que os que estão sendo treinados para o ministério defrontam-se com o desafio de determinar o papel bíblico de um obreiro. Ou seja, a preparação para o ministério é uma jornada multifacetada, um processo vasto que incide em diversas fases. O treinamento para o ministério exige o cumprimento de algumas etapas de treinamento destacadas na exortação de Paulo a Timóteo (ver 1Tm 4.12-16): vida moral (1Tm 3.2,3), vida familiar (1Tm 3.4,5), maturidade (1Tm 3.6) e reputação (1Tm 3.6).

O conhecimento bíblico:

Há muitos que estão sendo ordenados pastores sendo que nunca leram a Bíblia inteira nenhuma vez. Oito de cada dez pastores de nossa nação só leem a Bíblia quando vão preparar sermões. Assim, o propósito de adquirir conhecimento bíblico não é o prestígio pessoal ou respeito acadêmico. A motivação para reunir conhecimento bíblico e literalidade teológica deve nascer, antes de qualquer coisa, de uma sede de conhecer a Deus (Fp 3.8-10). Ou seja, antes de pedirmos a Deus para nos usar, devemos pedir ao Senhor para se revelar a nós. Portanto, o pastor deve encher sua mente com a Palavra de Deus, assim, ele será controlado por ela. Um pastor cheio das Escrituras liderará com convicção, ensinará com autoridade, pregará com paixão e pastoreará com cuidado.

Assim sendo, o bom pastor quer o bem das ovelhas. O mau pastor quer os bens das ovelhas. Ninguém entra no pastorado sem ser chamado e ninguém consegue sair do pastorado quando se é chamado. Pastores com qualificações bíblicas são o que as igrejas mais necessitam.

Pense nisto!

Nos laços do Calvário que nos une,
Luciano Paes Landim.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A IMPORTÂNCIA DA FIDELIDADE DOS DÍZIMOS E DAS OFERTAS

Introdução:
O assunto do dízimo é um dos mais importantes na vida do cristão. A prática do dízimo é um tema controvertido nas igrejas evangélicas, tendo, de um lado, defensores apaixonados e, do outro, críticos ardorosos. Para alguns, é uma espécie de legalismo judaico preservado na igreja cristã. Para outros, trata-se de uma norma divina que tem valor permanente para o povo de Deus, na antiga e na nova dispensação. Os críticos do dízimo afirmam que sua obrigatoriedade é contrária ao espírito do evangelho, pois Cristo liberta as pessoas das imposições da lei. Os defensores alegam que essa posição é interesseira, porque permite às pessoas se eximirem da responsabilidade de sustentar generosamente a igreja e suas atividades. O grande desafio nessa área é encontrar o equilíbrio entre tais posições divergentes. O que está em jogo é uma questão mais ampla — o conceito da mordomia cristã, do uso que os cristãos fazem de seus recursos e bens. A Bíblia trata do dízimo em vários textos, isto é…

A ORAÇÃO É A CHAVE PARA A OBRA MISSIONÁRIA

“Quando o homem trabalha, o homem trabalha. Quando o homem ora, Deus trabalha.” Patrick Johnstone

INTRODUÇÃO
O mundo luta com armas químicas, biológicas, bombas atômicas e etc.. São armas consideradas de muito poder. No entanto, existe uma arma mais poderosa do que essas citadas: a oração do justo (Tg 5.16). Ela é mais potente do que os mísseis norte-americanos, pois nunca erra o alvo. A nossa arma é a oração. A oração nos orienta a tomar decisões importantes na obra missionária e em tudo na vida. Ela promove comunhão na igreja (At 2.42).
A oração é a marca distintiva da igreja missionária. A oração é um meio para enfrentar a perseguição. Em At 12.1 diz: “Por aquele tempo, mandou o rei Herodes prender alguns da igreja para os maltratar.” No versículo 5 diz que enquanto o apóstolo Pedro estava aguardando o seu martírio: “... havia oração incessante a Deus por parte da igreja a favor dele.” Toda igreja que faz missão passa por perseguição. Todavia, a perseguição não é capaz de acorre…

Ilustração Missionária: “A Missão de Uma Vela”