Pular para o conteúdo principal

Os discípulos, a luz do mundo


“Vós sois a luz do mundo. Não se pode esconder a cidade edificada sobre um monte; nem se acende uma candeia para colocá-la debaixo do alqueire, mas no velador, e alumia a todos os que se encontram na casa. Assim brilhe também a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai que está nos céus.” Mt 5.14-16

O
 Senhor da missão nos tem proporcionado o privilégio de fazer parte desta congregação. Aqui nos reunimos para adorar a Deus, estudar a Palavra, orar, buscar comunhão e proclamar o evangelho. Temos como desafios ter a mentalidade de um verdadeiro discípulo de Cristo e fazer verdadeiros discípulos para Cristo (Mt 28.18-20). Somos discípulos, a luz do mundo. Devemos refletir a luz de Jesus neste mundo.

O texto bíblico supracitado nos leva a algumas reflexões:

Primeiro: em Jesus, Deus tornou a luz de sua revelação bem visível. Deus não quer que sua revelação seja escondida: “Também lhes disse: Vem, porventura, a candeia para ser posta debaixo do alqueire ou da cama? Não vem antes, para ser colocada no velador?” (Mc 4.21).

Segundo: os discípulos de Jesus são a luz do mundo. O Mestre fala: “Vós sois a luz do mundo”. Assim como Jesus, que é a própria luz (Jo 8.12), a luz dos discípulos deve brilhar, para que os outros vejam e louvem o Pai.

Terceiro: o brilho da luz dos discípulos glorifica a Deus. Jesus diz: Assim brilhe também a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai que está nos céus.” Em 1Pe 2.12 diz: “mantendo exemplar o vosso procedimento no meio dos gentios, para que, naquilo que falam contra vós outros como malfeitores, observando-vos em vossas boas obras, glorifiquem a Deus no dia da visitação.”

Quarto: uma vida piedosa dá um testemunho convincente do poder salvador de Deus. Jesus diz: “brilhe... a vossa luz”. A evidência de que temos uma vida transformada pelo evangelho são os frutos produzidos.

Quinto: a influência e a responsabilidade do cristão neste mundo é se opor às trevas. O papel de cada cristão é refletir a luz de Cristo ao mundo, é dissipar as trevas.

Portanto, somos convocados, pela Luz do mundo, a mostrar o caminho, a sermos luz. Somos desafiados a não esconder a luz, mas anunciar a glória de Deus à nossa cidade, país e mundo. Que Deus, o Pai das luzes (“Toda boa dádiva e todo dom perfeito são lá do alto, descendo do Pai das luzes, em quem não pode existir variação ou sombra de mudança”, Tg 1.17), nos use como instrumento em suas mãos.

Nos laços do Calvário que nos une,

Luciano Paes Landim.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A IMPORTÂNCIA DA FIDELIDADE DOS DÍZIMOS E DAS OFERTAS

Introdução:
O assunto do dízimo é um dos mais importantes na vida do cristão. A prática do dízimo é um tema controvertido nas igrejas evangélicas, tendo, de um lado, defensores apaixonados e, do outro, críticos ardorosos. Para alguns, é uma espécie de legalismo judaico preservado na igreja cristã. Para outros, trata-se de uma norma divina que tem valor permanente para o povo de Deus, na antiga e na nova dispensação. Os críticos do dízimo afirmam que sua obrigatoriedade é contrária ao espírito do evangelho, pois Cristo liberta as pessoas das imposições da lei. Os defensores alegam que essa posição é interesseira, porque permite às pessoas se eximirem da responsabilidade de sustentar generosamente a igreja e suas atividades. O grande desafio nessa área é encontrar o equilíbrio entre tais posições divergentes. O que está em jogo é uma questão mais ampla — o conceito da mordomia cristã, do uso que os cristãos fazem de seus recursos e bens. A Bíblia trata do dízimo em vários textos, isto é…

A ORAÇÃO É A CHAVE PARA A OBRA MISSIONÁRIA

“Quando o homem trabalha, o homem trabalha. Quando o homem ora, Deus trabalha.” Patrick Johnstone

INTRODUÇÃO
O mundo luta com armas químicas, biológicas, bombas atômicas e etc.. São armas consideradas de muito poder. No entanto, existe uma arma mais poderosa do que essas citadas: a oração do justo (Tg 5.16). Ela é mais potente do que os mísseis norte-americanos, pois nunca erra o alvo. A nossa arma é a oração. A oração nos orienta a tomar decisões importantes na obra missionária e em tudo na vida. Ela promove comunhão na igreja (At 2.42).
A oração é a marca distintiva da igreja missionária. A oração é um meio para enfrentar a perseguição. Em At 12.1 diz: “Por aquele tempo, mandou o rei Herodes prender alguns da igreja para os maltratar.” No versículo 5 diz que enquanto o apóstolo Pedro estava aguardando o seu martírio: “... havia oração incessante a Deus por parte da igreja a favor dele.” Toda igreja que faz missão passa por perseguição. Todavia, a perseguição não é capaz de acorre…

Ilustração Missionária: “A Missão de Uma Vela”