Pular para o conteúdo principal

Cantando Para a Glória de Deus


1. A música que estamos escutando ou cantando tem consistência e coerência moral e teológica tanto na letra como na melodia?

2. Qual o intento que está por trás da música? Ela transmite a mensagem bíblica? Glorifica a Deus (1Co 10.31)? Oferece o que é mais nobre e melhor (Fp 4.8)?

3. A música pode elevar ou degradar, e ser empregada tanto para o bem como para o mal.

4. A música que deve ser apreciada pelo cristão é aquela que glorifica a Deus.

5. Na música não se deve deixar guiar apenas pelo gosto e experiência pessoal.

6. Os hábitos e a cultura não são guias satisfatórios na escolha da música.

7. A música não deve ser prejudicada a fim de obter conversões.

8. A música deve ser de fácil compreensão e estar em harmonia, imprescindivelmente, com os ensinamentos da Bíblia.

9. Deve ter valor literário e teológico consistente.

10. Não é leviana, vaga e sentimental, que apele somente às emoções.

11. Deve haver um cuidado peculiar para não empregar música que apenas aprazam os sentidos, contenham ligação com o “carismatismo”, ou tenham sobrelevância de ritmo.

12. A música não deve ser motivo de discussões ou atitudes radicais.

13. A busca pelo padrão divino deve ser guiada pelas Escrituras Sagradas.

14. Vivemos um período abstruso em que cada vez mais as pessoas expressam sentimentos religiosos sem uma cosmovisão bíblica.

15. O conselho de Paulo é claro: “Cantarei com o espírito, mas também cantarei com a mente” (1Co 14.15).

16. Não há imprecisão de que a música é uma demonstração artística, que toca os sentimentos. Isso nos induz a analisar, escolher e produzir a música de caráter racional, tendo em vista o seu poder, e buscando cumprir o propósito de Deus para a glória do Senhor.

17. "Precisamos resgatar a centralidade da Palavra de Deus na adoração. A música é uma resposta, exigida biblicamente, à Palavra de Deus. Mas a música que Deus nos deu, Ele não a deu para que sobre ela edifiquemos nossas igrejas. Uma igreja edificada sobre a música – de qualquer estilo – é uma igreja edificada sobre areia movediça." Mark Dever

Nos laços do Calvário que nos une,
Rev. Luciano Paes Landim.

BIBLIOGRAFIA:

Baggio, Sandro. Música Cristã Contemporânea. São Paulo, SP: Editora Vida, 2005.

Blanchard, John com Peter Anderson & Derek Cleave. Rock in... Igreja?! São José dos Campos, SP: Editora Fiel, 1993.

Keith, Edmond D. Hinódia Cristã. Rio de Janeiro, RJ: JUERP, 1987.

Lucarini, Dan. Confissões de Um Ministro de Louvor. São José dos Campos, SP: Editora Fiel, 2005.

Moraes, Jilton. Púlpito: Pregação e Música – Palavra e música unidas na proclamação da Palavra. Rio de Janeiro, RJ: JUERP, 2002.

Novas Edições Líderes Evangélicos. Música e Louvor. São Paulo, SP: Instituto Batista de Educação Teológica por Extensão da Convenção Batista do Estado de São Paulo, 1985.

Veiga, Carlinhos & Szuecs, Rich (Orgs.). O Livro do Som do Céu. Brasília, DF: Editora Palavra, 2009.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A IMPORTÂNCIA DA FIDELIDADE DOS DÍZIMOS E DAS OFERTAS

Introdução:
O assunto do dízimo é um dos mais importantes na vida do cristão. A prática do dízimo é um tema controvertido nas igrejas evangélicas, tendo, de um lado, defensores apaixonados e, do outro, críticos ardorosos. Para alguns, é uma espécie de legalismo judaico preservado na igreja cristã. Para outros, trata-se de uma norma divina que tem valor permanente para o povo de Deus, na antiga e na nova dispensação. Os críticos do dízimo afirmam que sua obrigatoriedade é contrária ao espírito do evangelho, pois Cristo liberta as pessoas das imposições da lei. Os defensores alegam que essa posição é interesseira, porque permite às pessoas se eximirem da responsabilidade de sustentar generosamente a igreja e suas atividades. O grande desafio nessa área é encontrar o equilíbrio entre tais posições divergentes. O que está em jogo é uma questão mais ampla — o conceito da mordomia cristã, do uso que os cristãos fazem de seus recursos e bens. A Bíblia trata do dízimo em vários textos, isto é…

A ORAÇÃO É A CHAVE PARA A OBRA MISSIONÁRIA

“Quando o homem trabalha, o homem trabalha. Quando o homem ora, Deus trabalha.” Patrick Johnstone

INTRODUÇÃO
O mundo luta com armas químicas, biológicas, bombas atômicas e etc.. São armas consideradas de muito poder. No entanto, existe uma arma mais poderosa do que essas citadas: a oração do justo (Tg 5.16). Ela é mais potente do que os mísseis norte-americanos, pois nunca erra o alvo. A nossa arma é a oração. A oração nos orienta a tomar decisões importantes na obra missionária e em tudo na vida. Ela promove comunhão na igreja (At 2.42).
A oração é a marca distintiva da igreja missionária. A oração é um meio para enfrentar a perseguição. Em At 12.1 diz: “Por aquele tempo, mandou o rei Herodes prender alguns da igreja para os maltratar.” No versículo 5 diz que enquanto o apóstolo Pedro estava aguardando o seu martírio: “... havia oração incessante a Deus por parte da igreja a favor dele.” Toda igreja que faz missão passa por perseguição. Todavia, a perseguição não é capaz de acorre…

Ilustração Missionária: “A Missão de Uma Vela”