Pular para o conteúdo principal

Somente a Escritura


Publicarei aqui um estudo realizado a partir de pesquisas na Bíblia MacArthur e no livro "Mensagens Selecionadas" de Hernandes Dias Lopes.

Leitura bíblica: Jo 17.17

Considerações Preliminares:
1. Todas as doutrinas e ensinos estranhos à Escritura devem ser rejeitados.
2. A Bíblia é a voz de Deus em linguagem humana.
3. Os reformadores reafirmaram a supremacia da Escritura sobre a tradição.
4. “A Escritura é a escola do Espírito Santo na qual nem se tem deixado de pôr coisa alguma necessária e útil de conhecer, nem se ensina mais do que é preciso saber” (João Calvino).

Introdução:
O propósito das Sagradas Escrituras:
1. Regenerar (Tg 1.18; 1Pe 1.23).
2. Vivificar (Sl 119.50,93).
3. Esclarecer (Sl 119.130).
4. Santificar (Jo 17.17; Ef 5.26).
5. Produzir fé (Jo 20.31).
6. Sustentar a vida (Dt 8.3; Mt 4.4).
7. Promover crescimento na graça (1Pe 2.2).
8. Admoestar (Sl 19.11; 1Co 10.11).
9. Consolar (Sl 119.82; Rm 15.4).

I. Inspiração (2Tm 3.16):
1. Toda a Escritura é inspirada por Deus.
2. Ela não é fruto da lucubração humana, mas da revelação divina.
3. Nenhum homem ou igreja tem autoridade para acrescentar a ela coisa alguma ou dela retirar sequer uma palavra.

II. Autoridade (Is 8.20):
1. A Bíblia é a suprema autoridade em questão de fé e conduta.
2. Nenhum dogma ou experiência pode ser aceito se não tiver base na Palavra de Deus.
3. A Bíblia não tem uma opinião ou uma palavra sobre as questões vitais que aborda, mas a verdade última, final e absoluta.
III. Inerrância (Jo 10.35):
1. A Bíblia não contém erros.
2. Ela é infalível em sua mensagem e inerrante em seu conteúdo.
3. O Senhor Jesus foi categórico quando afirmou: “... a Escritura não pode falhar” (Jo 10.35).

IV. Suficiência (2Tm 3.16,17):
1. A Bíblia é absolutamente suficiente para nos ensinar, exortar e equipar para conhecermos a vontade de Deus e obedecê-la.
2. Buscar outros meios fora da Escritura, como profecias, revelações, sonhos e visões, está em total desacordo com o ensino da própria Escritura.
3. Não podemos aceitar a autoridade da Bíblia e ao mesmo tempo corrermos atrás de outras fontes para conhecermos o que Deus tem para nós.

Conclusão:
Atitudes que o cristão deve ter para com a Bíblia:
1. Meditá-la (Js 1.8).
2. Praticá-la (Mt 7.24-27).
3. Pregá-la (Mt 28.19-20).

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A IMPORTÂNCIA DA FIDELIDADE DOS DÍZIMOS E DAS OFERTAS

Introdução:
O assunto do dízimo é um dos mais importantes na vida do cristão. A prática do dízimo é um tema controvertido nas igrejas evangélicas, tendo, de um lado, defensores apaixonados e, do outro, críticos ardorosos. Para alguns, é uma espécie de legalismo judaico preservado na igreja cristã. Para outros, trata-se de uma norma divina que tem valor permanente para o povo de Deus, na antiga e na nova dispensação. Os críticos do dízimo afirmam que sua obrigatoriedade é contrária ao espírito do evangelho, pois Cristo liberta as pessoas das imposições da lei. Os defensores alegam que essa posição é interesseira, porque permite às pessoas se eximirem da responsabilidade de sustentar generosamente a igreja e suas atividades. O grande desafio nessa área é encontrar o equilíbrio entre tais posições divergentes. O que está em jogo é uma questão mais ampla — o conceito da mordomia cristã, do uso que os cristãos fazem de seus recursos e bens. A Bíblia trata do dízimo em vários textos, isto é…

A ORAÇÃO É A CHAVE PARA A OBRA MISSIONÁRIA

“Quando o homem trabalha, o homem trabalha. Quando o homem ora, Deus trabalha.” Patrick Johnstone

INTRODUÇÃO
O mundo luta com armas químicas, biológicas, bombas atômicas e etc.. São armas consideradas de muito poder. No entanto, existe uma arma mais poderosa do que essas citadas: a oração do justo (Tg 5.16). Ela é mais potente do que os mísseis norte-americanos, pois nunca erra o alvo. A nossa arma é a oração. A oração nos orienta a tomar decisões importantes na obra missionária e em tudo na vida. Ela promove comunhão na igreja (At 2.42).
A oração é a marca distintiva da igreja missionária. A oração é um meio para enfrentar a perseguição. Em At 12.1 diz: “Por aquele tempo, mandou o rei Herodes prender alguns da igreja para os maltratar.” No versículo 5 diz que enquanto o apóstolo Pedro estava aguardando o seu martírio: “... havia oração incessante a Deus por parte da igreja a favor dele.” Toda igreja que faz missão passa por perseguição. Todavia, a perseguição não é capaz de acorre…

Ilustração Missionária: “A Missão de Uma Vela”