Pular para o conteúdo principal

A NECESSIDADE DE EVANGELIZAÇÃO BÍBLICA


É preciso que compreendamos a seriedade e a necessidade de uma vida cristã saudável com uma profunda paixão pela evangelização bíblica e cristocêntrica. Para evangelizar é preciso que antes sejamos cristãos. O que é ser cristão? Cristão é alguém que foi perdoado de seu pecado e reconciliado com Deus, por meio de Jesus Cristo. Evidenciamos ao mundo que somos cristãos e fomos transformados, não primariamente porque decoramos versículos bíblicos, oramos antes das refeições, damos o dízimo de nosso salário, usamos camisetas com frases bíblicas, colocamos adesivos em nossos carros do tipo “nas mãos de Deus”, “propriedade exclusiva de Deus” ou “a serviço do Rei”, ou quando ouvimos estações de rádio evangélicas. Demonstramos que somos cristãos quando mostramos de modo crescente uma disposição de suportar, perdoar e amar os inimigos. Confirmamos que somos cristãos quando refletimos o caráter de Cristo em nós de maneira que a nossa vida glorifica a Deus. Todo ser humano que recebeu vida em Cristo e o poder do Espírito Santo é chamado a exprimir o caráter e a glória de Deus a todo o mundo, testemunhando em atos e palavras a grande sabedoria de Deus e a sua obra de salvação. Assim, o nosso caráter de cristão (evangelista) se expressa nas mensagens que pregamos. Cada cristão prestará contas se e de como pregou o Evangelho aos perdidos. Se você diz ser cristão, mas não proclama o Evangelho, preocupa-me o fato de que você pode estar indo para o inferno. A tarefa do cristão é ouvir a Palavra de Deus e, depois, ecoá-la. Ou seja, o grande desafio que temos em nossos dias não é descobrir como podemos ser relevantes ou estratégicos, mas descobrir como ser fiel: ouvir e obedecer as Escrituras. A verdade é que muitas de nossas igrejas precisam ser evangelizadas. As mesmas não sabem o que é o Evangelho de Jesus Cristo. E, portanto, não manifestam ao mundo como o nosso Deus é santo e amável nem testemunham a maravilhosa glória de Deus porque ainda não o conhecem. Muitos estão pregando hoje todo tipo de coisas, menos o Evangelho. Tanto os pastores como os membros da igreja têm de se comprometer em evangelizar, porém, antes conhecer o Evangelho. Existem muitos pregadores que procuram tornar suas pregações mais relevantes e convenientes, comprometendo assim a essência da mensagem do Evangelho. São pessoas que ainda não entenderam a nossa suficiência em Cristo. Eles tentam ser mais sábios do que Deus. Não devemos seguir esse caminho. Somente o Espírito Santo efetua o novo nascimento no ser humano. A Palavra de Deus, somente a Palavra de Deus, dá vida. A autoridade do evangelista começa e termina nas Escrituras. Isto significa que o evangelista tem autoridade somente quando fala a Palavra de Deus. A Bíblia é a autoridade e a própria mensagem na vida do evangelista. O ministério de um evangelista tem de ser caracterizado pela forma prática de submissão à Palavra de Deus. O compromisso de evangelizar é um compromisso de obedecer a Palavra de Deus. Evangelizar é pregar a salvação tão somente pela obra de Jesus Cristo. O Evangelho não é a declaração de que tudo está bem conosco, nem de que Deus é amor, nem de que Jesus quer ser nosso amigo. O Evangelho não é a mensagem de que Deus tem um plano e um propósito maravilhoso para nós. O Evangelho é as boas novas de que Jesus morreu na cruz como um sacrifício vicário, em favor dos pecadores, e ressuscitou, estabelecendo o meio de sermos reconciliados com Deus. É a mensagem de que o Juiz se torna Pai, se tão somente nos arrependermos. Evangelho é a nova de boas novas. Portanto, devemos evangelizar porque Deus diz em sua Palavra que devemos fazer isso. Assim a evangelização é caracterizada pelo conteúdo bíblico. Rogo ao Senhor da missão que nós, cristãos, reconheçamos cada vez mais a nossa responsabilidade solene de anunciar somente e todo o Evangelho. 

Nos laços do Calvário que nos une, 
Rev. Luciano Paes Landim.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A IMPORTÂNCIA DA FIDELIDADE DOS DÍZIMOS E DAS OFERTAS

Introdução:
O assunto do dízimo é um dos mais importantes na vida do cristão. A prática do dízimo é um tema controvertido nas igrejas evangélicas, tendo, de um lado, defensores apaixonados e, do outro, críticos ardorosos. Para alguns, é uma espécie de legalismo judaico preservado na igreja cristã. Para outros, trata-se de uma norma divina que tem valor permanente para o povo de Deus, na antiga e na nova dispensação. Os críticos do dízimo afirmam que sua obrigatoriedade é contrária ao espírito do evangelho, pois Cristo liberta as pessoas das imposições da lei. Os defensores alegam que essa posição é interesseira, porque permite às pessoas se eximirem da responsabilidade de sustentar generosamente a igreja e suas atividades. O grande desafio nessa área é encontrar o equilíbrio entre tais posições divergentes. O que está em jogo é uma questão mais ampla — o conceito da mordomia cristã, do uso que os cristãos fazem de seus recursos e bens. A Bíblia trata do dízimo em vários textos, isto é…

A ORAÇÃO É A CHAVE PARA A OBRA MISSIONÁRIA

“Quando o homem trabalha, o homem trabalha. Quando o homem ora, Deus trabalha.” Patrick Johnstone

INTRODUÇÃO
O mundo luta com armas químicas, biológicas, bombas atômicas e etc.. São armas consideradas de muito poder. No entanto, existe uma arma mais poderosa do que essas citadas: a oração do justo (Tg 5.16). Ela é mais potente do que os mísseis norte-americanos, pois nunca erra o alvo. A nossa arma é a oração. A oração nos orienta a tomar decisões importantes na obra missionária e em tudo na vida. Ela promove comunhão na igreja (At 2.42).
A oração é a marca distintiva da igreja missionária. A oração é um meio para enfrentar a perseguição. Em At 12.1 diz: “Por aquele tempo, mandou o rei Herodes prender alguns da igreja para os maltratar.” No versículo 5 diz que enquanto o apóstolo Pedro estava aguardando o seu martírio: “... havia oração incessante a Deus por parte da igreja a favor dele.” Toda igreja que faz missão passa por perseguição. Todavia, a perseguição não é capaz de acorre…

Ilustração Missionária: “A Missão de Uma Vela”