Pular para o conteúdo principal

“É preciso fazê-los calar”


Esboço de Sermão: 

É preciso fazê-los calar, porque andam pervertendo casas inteiras, ensinando o que não devem, por torpe ganância.” (Tt 1.11, negrito meu)
Introdução:
Paulo mostra sua preocupação com a transmissão do evangelho e o compromisso com relação à sã doutrina de acordo com o evangelho verdadeiro.
O apóstolo Paulo diz a Tito que devia não somente confrontar e corrigir ensinos falsos, mas também lidar com os próprios falsos mestres.
Duas tarefas do líder cristão são: ensinar a sã doutrina e refutar o erro (Tt 1.10).
I. A Solução? “É preciso fazê-los calar”:
No texto não é dito se por meio da argumentação ou pela disciplina, porém, o fato é que eles estão sendo cada vez mais influentes.
Significa colocar uma mordaça, não simplesmente um freio, na boca de um animal.
É preciso tomar uma atitude para fazê-los parar de ensinar.
Devemos estar preparados para contradizer e refutar o erro.
É urgentemente necessário, porque andam pervertendo casas inteiras, ensinando o que não devem.
II. Onde agem? “porque andam pervertendo casas inteiras”:
Pior do que isso, eles são enganadores.
Não apenas algumas pessoas estão sendo enganadas.
Esses enganadores estão arruinando famílias inteiras, ensinando coisas que não devem.
III. Como agem? “ensinando o que não devem”:
A palavra deles não apenas deixa de edificar; ela de fato leva ao erro.
O discurso deles é desprovido de um conteúdo saudável.
Eles não passam de faladores, provedores de “palavras vazias e infrutíferas”.
Diferentemente dos fiéis presbíteros, que devem apegar-se “firmemente à mensagem fiel”, os falsos mestres recusam-se a submeter-se a ela.
No versículo 10 Paulo refere-se a eles com a expressão muitos insubordinados.
IV. A motivação? “por torpe ganância”:
O que parece claro de qualquer maneira é que estas pessoas perigosas, conforme o apóstolo as vê, não estão movidas pelo desejo de servir a Deus ou a seu próximo, mas, sim, estão a fim de fazer “lucros sórdidos”.
Eles têm uma segunda intenção: agem por ganância (v. 11), uma avareza da qual todo verdadeiro mestre tem de se libertar (v. 7).
 “torpe ganância”: Os falsos mestres sempre têm esse sentimento por causa do dinheiro (1Tm 6.4; 1Pe 5.2).
Ninguém deve ver a liderança da igreja como uma oportunidade para ganhar dinheiro.
Conclusão:
Uma doutrina verdadeira e pura deve ser exigida de todos os que falam à igreja.
Qualquer pessoa que não corresponde a esse parâmetro deve ser repreendida.
A doutrina bíblica sã não somente deve ser ensinada, mas também acatada com profunda convicção.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A IMPORTÂNCIA DA FIDELIDADE DOS DÍZIMOS E DAS OFERTAS

Introdução:
O assunto do dízimo é um dos mais importantes na vida do cristão. A prática do dízimo é um tema controvertido nas igrejas evangélicas, tendo, de um lado, defensores apaixonados e, do outro, críticos ardorosos. Para alguns, é uma espécie de legalismo judaico preservado na igreja cristã. Para outros, trata-se de uma norma divina que tem valor permanente para o povo de Deus, na antiga e na nova dispensação. Os críticos do dízimo afirmam que sua obrigatoriedade é contrária ao espírito do evangelho, pois Cristo liberta as pessoas das imposições da lei. Os defensores alegam que essa posição é interesseira, porque permite às pessoas se eximirem da responsabilidade de sustentar generosamente a igreja e suas atividades. O grande desafio nessa área é encontrar o equilíbrio entre tais posições divergentes. O que está em jogo é uma questão mais ampla — o conceito da mordomia cristã, do uso que os cristãos fazem de seus recursos e bens. A Bíblia trata do dízimo em vários textos, isto é…

A ORAÇÃO É A CHAVE PARA A OBRA MISSIONÁRIA

“Quando o homem trabalha, o homem trabalha. Quando o homem ora, Deus trabalha.” Patrick Johnstone

INTRODUÇÃO
O mundo luta com armas químicas, biológicas, bombas atômicas e etc.. São armas consideradas de muito poder. No entanto, existe uma arma mais poderosa do que essas citadas: a oração do justo (Tg 5.16). Ela é mais potente do que os mísseis norte-americanos, pois nunca erra o alvo. A nossa arma é a oração. A oração nos orienta a tomar decisões importantes na obra missionária e em tudo na vida. Ela promove comunhão na igreja (At 2.42).
A oração é a marca distintiva da igreja missionária. A oração é um meio para enfrentar a perseguição. Em At 12.1 diz: “Por aquele tempo, mandou o rei Herodes prender alguns da igreja para os maltratar.” No versículo 5 diz que enquanto o apóstolo Pedro estava aguardando o seu martírio: “... havia oração incessante a Deus por parte da igreja a favor dele.” Toda igreja que faz missão passa por perseguição. Todavia, a perseguição não é capaz de acorre…

Ilustração Missionária: “A Missão de Uma Vela”