Pular para o conteúdo principal

“Prefiro Morrer do Que Perder a Vida”


Não, essa frase não é minha. Quem a disse foi o Chespirito, que ontem partiu para a eternidade. Confesso que de ontem para hoje tenho pensado acerca da vida após a morte, pois, a nossa vida aqui é passageira. Sei que a frase pronunciada pelo personagem Chaves é apenas uma brincadeira, mas a importância de se meditar sobre o destino eterno é a coisa mais importante que um ser humano pode pensar.

Em vários lugares e épocas do mundo, cristãos têm sido perseguidos por causa da fé que professam em Jesus.  Muitas vezes são intimados a escolherem entre a vida e a morte. Ou seja, morrer pela causa de Cristo ou negar a Cristo. Só que aqui há um detalhe: aqueles que escolhem morrer por Cristo na verdade preferem morrer do que perder a Vida - Jesus. Ou seja, preferem morrer esta vida para viver a verdadeira vida no paraíso de glória. A verdade é que todos nós um dia enfrentaremos a morte, a não ser os que estiverem vivos no dia da vinda de Cristo (1Ts 4.17). Jesus disse em Jo 11.25: “Eu sou a ressurreição e a vida. Quem crê em mim, ainda que morra, viverá”. Não existe ressurreição ou vida eterna fora do Filho de Deus. Jesus nos chama para uma confiança personalizada Nele, pois somente Ele pode ressuscitar os mortos. Na verdade, temos que morrer para conhecer a verdadeira vida. Jesus também falou: “Porquanto, quem quiser salvar a sua vida perdê-la-á; e quem perder a vida por minha causa achá-la-á” (Mt 16.25). Aqui somos exortados a abandonar totalmente o nosso desejo natural de procurar o nosso próprio conforto, respeito e poder. Devemos morrer para nós mesmos e desejar ardentemente a vida em Cristo.

A minha esperança é que no dia em que eu dormir aqui na terra, eu acorde no paraíso ao lado de Jesus. Portanto, digo: prefiro morrer do que perder a Vida. E você, o que prefere?

Nos laços do Calvário que nos une,

Luciano Paes Landim.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A IMPORTÂNCIA DA FIDELIDADE DOS DÍZIMOS E DAS OFERTAS

Introdução:
O assunto do dízimo é um dos mais importantes na vida do cristão. A prática do dízimo é um tema controvertido nas igrejas evangélicas, tendo, de um lado, defensores apaixonados e, do outro, críticos ardorosos. Para alguns, é uma espécie de legalismo judaico preservado na igreja cristã. Para outros, trata-se de uma norma divina que tem valor permanente para o povo de Deus, na antiga e na nova dispensação. Os críticos do dízimo afirmam que sua obrigatoriedade é contrária ao espírito do evangelho, pois Cristo liberta as pessoas das imposições da lei. Os defensores alegam que essa posição é interesseira, porque permite às pessoas se eximirem da responsabilidade de sustentar generosamente a igreja e suas atividades. O grande desafio nessa área é encontrar o equilíbrio entre tais posições divergentes. O que está em jogo é uma questão mais ampla — o conceito da mordomia cristã, do uso que os cristãos fazem de seus recursos e bens. A Bíblia trata do dízimo em vários textos, isto é…

A ORAÇÃO É A CHAVE PARA A OBRA MISSIONÁRIA

“Quando o homem trabalha, o homem trabalha. Quando o homem ora, Deus trabalha.” Patrick Johnstone

INTRODUÇÃO
O mundo luta com armas químicas, biológicas, bombas atômicas e etc.. São armas consideradas de muito poder. No entanto, existe uma arma mais poderosa do que essas citadas: a oração do justo (Tg 5.16). Ela é mais potente do que os mísseis norte-americanos, pois nunca erra o alvo. A nossa arma é a oração. A oração nos orienta a tomar decisões importantes na obra missionária e em tudo na vida. Ela promove comunhão na igreja (At 2.42).
A oração é a marca distintiva da igreja missionária. A oração é um meio para enfrentar a perseguição. Em At 12.1 diz: “Por aquele tempo, mandou o rei Herodes prender alguns da igreja para os maltratar.” No versículo 5 diz que enquanto o apóstolo Pedro estava aguardando o seu martírio: “... havia oração incessante a Deus por parte da igreja a favor dele.” Toda igreja que faz missão passa por perseguição. Todavia, a perseguição não é capaz de acorre…

Ilustração Missionária: “A Missão de Uma Vela”