Pular para o conteúdo principal

O ACONSELHAMENTO PASTORAL: CONSIDERAÇÕES BÁSICAS



(Esboço de aula preparado para a turma de “Teologia Pastoral II” do CETADEB em São Sebastião/DF para o 25/06/12).

1. A tese preliminar na prática do aconselhamento pastoral é esta: O que almejamos, precisamente, com o ministério de aconselhamento pastoral? Bancar o psicólogo? Dissimular o profissional? Dominar as pessoas? Impor nosso ponto de vista? Ou instruir as pessoas verdadeiramente na Palavra Deus?

2. O conselheiro pastoral necessita de um espaço para estudo da Palavra e outro para atendimento pastoral com privacidades.

3. Um espaço físico necessário: “Ora, Moisés costumava tomar a tenda e armá-la para si, fora, bem longe do arraial; e lhe chamava a tenda da congregação. Todo aquele que buscava ao SENHOR saía à tenda da congregação, que estava fora do arraial.” (Ex 33.7).

4. O conselheiro pastoral deve evitar trabalhar na sala de casa: não se traz pessoas para dentro da intimidade do lar para aconselhamento.

5. O lar deve manter-se puro, e o conselheiro cristão deve manter sua família longe dos “negócios” da igreja e dos assuntos espirituais dos irmãos.

6. O lar é lugar da privacidade da família.

7. A importância do gabinete pastoral: espaço para oração e estudo da Palavra e liderança eclesiástica.

8. O ministro da Palavra precisa de tempo para se dedicar ao estudo da Palavra, oração e pastoreio (ver At 6.1-7).

9. O conselheiro pastoral deve preservar as conversas de gabinete.

10. O conselheiro pastoral é um depositário de informações e confidências que não devem ser partilhados, às vezes, nem com a esposa.

11. O conselheiro pastoral deve evitar conversas do gabinete pastoral no púlpito.

12. Ao aconselhar, o pastor descobre as necessidades do rebanho, vê as carências do povo e assim diagnostica seu estágio espiritual, como também vê por onde deve andar no ensino do púlpito.

13. “O gabinete pastoral é um termômetro que indica algumas enfermidades da igreja, e assinala para o pastor o que ele deve pregar, se deseja a terapia que vem da Palavra de Deus” (Isaltino Gomes Coelho Filho).

14. A tarefa do conselheiro pastoral não é de ajudar os pecadores a viverem bem com seus pecados, mas “anunciar todo o conselho de Deus” (At 20.27).

15. O conselheiro pastoral deve ter a postura de aceitação da pessoa e cultivar a imagem (que deve corresponder à realidade) de ser uma pessoa confiável.

16. “Se você almeja ser um conselheiro cristão, estas duas virtudes são indispensáveis: aceitação da pessoa e manutenção de sigilo” (Isaltino Gomes Coelho Filho).

17. O conselheiro pastoral deve se preparar antes do aconselhamento.

18. “Seja amigável, mas evite a intimidade e o excesso de camaradagem que pode impedir sua ação como conselheiro pastoral” (Isaltino Gomes Coelho Filho).

19. Se o aconselhamento for a longo prazo, faça anotações.

20. A área do aconselhamento em muitas igrejas tem se divorciado da Palavra de Deus. Aconselhamento pastoral sem base bíblica não é cristão.

21. O conselheiro pastoral deve lembrar que a autoridade última é da Bíblia e não da Psicologia.

22. O conselheiro pastoral deve ser zeloso no uso da Bíblia.

23. O conselheiro pastoral não pode aceitar os padrões psicológicos que atribuem todas as nossas mazelas a doenças. Todo aconselhamento pastoral deve ser guiado pelas Escrituras.

24. O perfil do conselheiro pastoral:
a) Biblicidade;
b) Empatia;
c) Respeito;
d) Sigilo;
e) Sobriedade (etc).

25. Algumas atitudes necessárias ao conselheiro pastoral:
a) Proceder sem preconceito quando aconselha;
b) Evitar dar ordens;
c) Cultivar objetividade e não ser envolvido emocionalmente;
d) Saber filtrar o que está sendo dito;
e) Conduzir biblicamente todo o processo de aconselhamento pastoral.

Nos laços do Calvário que nos une,
Rev. Luciano Paes Landim.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A IMPORTÂNCIA DA FIDELIDADE DOS DÍZIMOS E DAS OFERTAS

Introdução:
O assunto do dízimo é um dos mais importantes na vida do cristão. A prática do dízimo é um tema controvertido nas igrejas evangélicas, tendo, de um lado, defensores apaixonados e, do outro, críticos ardorosos. Para alguns, é uma espécie de legalismo judaico preservado na igreja cristã. Para outros, trata-se de uma norma divina que tem valor permanente para o povo de Deus, na antiga e na nova dispensação. Os críticos do dízimo afirmam que sua obrigatoriedade é contrária ao espírito do evangelho, pois Cristo liberta as pessoas das imposições da lei. Os defensores alegam que essa posição é interesseira, porque permite às pessoas se eximirem da responsabilidade de sustentar generosamente a igreja e suas atividades. O grande desafio nessa área é encontrar o equilíbrio entre tais posições divergentes. O que está em jogo é uma questão mais ampla — o conceito da mordomia cristã, do uso que os cristãos fazem de seus recursos e bens. A Bíblia trata do dízimo em vários textos, isto é…

A ORAÇÃO É A CHAVE PARA A OBRA MISSIONÁRIA

“Quando o homem trabalha, o homem trabalha. Quando o homem ora, Deus trabalha.” Patrick Johnstone

INTRODUÇÃO
O mundo luta com armas químicas, biológicas, bombas atômicas e etc.. São armas consideradas de muito poder. No entanto, existe uma arma mais poderosa do que essas citadas: a oração do justo (Tg 5.16). Ela é mais potente do que os mísseis norte-americanos, pois nunca erra o alvo. A nossa arma é a oração. A oração nos orienta a tomar decisões importantes na obra missionária e em tudo na vida. Ela promove comunhão na igreja (At 2.42).
A oração é a marca distintiva da igreja missionária. A oração é um meio para enfrentar a perseguição. Em At 12.1 diz: “Por aquele tempo, mandou o rei Herodes prender alguns da igreja para os maltratar.” No versículo 5 diz que enquanto o apóstolo Pedro estava aguardando o seu martírio: “... havia oração incessante a Deus por parte da igreja a favor dele.” Toda igreja que faz missão passa por perseguição. Todavia, a perseguição não é capaz de acorre…

Ilustração Missionária: “A Missão de Uma Vela”