Conheça o testemunho de Jum Acidre, uma viúva filipina

06 jul 2012

Jum Acidre precisa de seu encorajamento e orações, leia a história abaixo e saiba mais sobre o sofrimento dessa irmã.

Um homem, não identificado, atirou em Mário seis vezes em sua casa em Jolo, Sulu, no sul das Filipinas, cerca de sete meses atrás. Mário lutou por sua vida, em um hospital, algumas horas antes de morrer. Sua esposa Jum estava em seu quarto quando isso aconteceu.

Durante as investigações da polícia, ela mencionou dois homens que vendiam amuletos para Mário na manhã de 27 de agosto de 2011, apenas algumas horas antes dele ter sido baleado, às nove horas da noite. Ela ouviu estes homens dizendo que aqueles amuletos protegeriam Mário de “balas”.

Apenas há alguns dias antes de seu assassinato, Mário tinha compartilhado sua fé com pais muçulmanos na escola. Ele pedira oração pela proteção de Deus sobre si e sua família. Após sua morte, vários obreiros cristãos em Jolo receberam ameaças de morte e abdução. Ninguém foi preso pelo assassinato de Mário.

Recentemente, Jum veio a um seminário organizado por Portas Abertas, em cinco de maio, para 21 mulheres sozinhas, algumas delas abandonadas por seus maridos muçulmanos por elas terem se convertido ao cristianismo.

“Eu sinto a falta de Mário”, disse Jum, à Portas Abertas. “Eu sinto falta de como ele trazia água para mim, lavava a roupa quando eu estava cansada... Quando eu ficava doente, Mario cuidava de mim. Ele era um bom marido e bom esposo”.

Jum confidenciou que não estava lendo a Bíblia, porque a lembrava de Mário, pois ele é quem fazia isso para ela. Cada vez que tentava ler, irrompia em lágrimas.

A viúva decidiu deixar Jolo e ficar com sua irmã na Cidade de Zamboanga, após notar que alguns “homens de aparência suspeita” estavam rondando a sua casa.

Em fevereiro, Jum voltou a Jolo para negociar com um comprador que tinha expressado interesse por sua casa. Entretanto, o pretendente recuou porque, de acordo com os vizinhos, o atirador de Mário voltou à casa procurando por Jum.

“Houve noites em que tive calafrios”, compartilhou Jum, descrevendo as semanas após a morte de Mário. “Algumas vezes, não conseguia dormir porque senti que alguém estava rondando a casa”.

Com a ajuda de Portas Abertas, Jum abriu um negócio de venda de carvão. Sua filha de 26 anos, Misba Almidi, está lhe ajudando. Elas planejam se mudar permanentemente para uma casa própria na Cidade de Zamboanga. Jum quer fazer o treinamento de líderes de Portas Abertas, envolver-se com o ministério da igreja e alcançar seus parentes não cristãos.

Uma grande ilha no arquipélago de Sulu, ao sul, Jolo é abrigo para vários membros da Abu Sayyaf, um grupo separatista ligado à Al Qaeda, que opera em Basilan e Cidade Zamboanga, Mindanau. Conflitos armados que irrompem em Jolo, entre rebeldes muçulmanos e militares do governo, são comuns, atrapalhando o comércio e a vida na comunidade. Antes de sua morte, espalhou-se um boato de que Mário seria um trunfo militar do governo, disfarçado de pastor.

Pedidos de Oração

Para que Deus fortaleça a fé de Jum, mesmo com a dor de ter perdido seu marido.
Para que o negócio de carvão, de Jum, prospere e possa prover de forma suficiente para satisfazer suas necessidades.
Para que Jum tenha oportunidades de realizar seus planos de compartilhar a salvação de Deus com seus parentes.

Acesse nosso catálogo de produtos e saiba como doar através de nossas campanhas.

Fonte: Portas Abertas
Tradução: Getúlio Cidade
Link: http://www.portasabertas.org.br/noticias/2012/07/1625466/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A IMPORTÂNCIA DA FIDELIDADE DOS DÍZIMOS E DAS OFERTAS

A ORAÇÃO É A CHAVE PARA A OBRA MISSIONÁRIA