Pular para o conteúdo principal

Oito razões porque eu sou missionário

Mt 28.18-20

1. Sou missionário porque eu tive um encontro com Cristo. Eu sou fruto de missões. Aquele que não ama missões é possível que nunca tenha encontrado Cristo.

2. Sou missionário porque eu sou um cristão. “Todo cristão ou é um missionário ou é um impostor” (Charles Spurgeon).

3. Sou missionário porque missões é uma evidência de que estou cheio do Espírito Santo. “mas recebereis poder, ao descer sobre vós o Espírito Santo, e sereis minhas testemunhas tanto em Jerusalém como em toda a Judeia e Samaria e até aos confins da terra” (At 1.8).

4. Sou missionário porque eu amo a Deus. Se você diz que ama a Deus, mas não tem visão missionária, então você é um mentiroso.

5. Sou missionário porque eu não sou um traidor. O único dos apóstolos que não foi missionário veio a ser um traidor.

6. Sou missionário porque fazer missões é um grande privilégio. Foi Charles Spurgeon que disse ao seu filho: “Meu filho, se Deus te chamou para ser missionário, eu ficaria triste ao ver-te ser reduzido a um rei”.

7. Sou missionário porque missões não é uma opção. Missões nunca foi uma obra opcional, que um crente pode ou não fazer. Também não é uma especialização exigida de uns poucos crentes. Em vez disso, é um pré-requisito ordenado a todos os cristãos.

8. Sou missionário porque eu vou prestar contas a Deus. Uma coisa me preocupa muito: o fato de que cada crente prestará contas se e de como pregou o Evangelho aos perdidos. Isso me leva a crer que quem não prega o Evangelho pode estar indo para o inferno.

Que o Senhor da missão levante mais missionários para os campos não alcançados!
Nos laços do Calvário que nos une,
Pr. Luciano Paes Landim.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A IMPORTÂNCIA DA FIDELIDADE DOS DÍZIMOS E DAS OFERTAS

Introdução:
O assunto do dízimo é um dos mais importantes na vida do cristão. A prática do dízimo é um tema controvertido nas igrejas evangélicas, tendo, de um lado, defensores apaixonados e, do outro, críticos ardorosos. Para alguns, é uma espécie de legalismo judaico preservado na igreja cristã. Para outros, trata-se de uma norma divina que tem valor permanente para o povo de Deus, na antiga e na nova dispensação. Os críticos do dízimo afirmam que sua obrigatoriedade é contrária ao espírito do evangelho, pois Cristo liberta as pessoas das imposições da lei. Os defensores alegam que essa posição é interesseira, porque permite às pessoas se eximirem da responsabilidade de sustentar generosamente a igreja e suas atividades. O grande desafio nessa área é encontrar o equilíbrio entre tais posições divergentes. O que está em jogo é uma questão mais ampla — o conceito da mordomia cristã, do uso que os cristãos fazem de seus recursos e bens. A Bíblia trata do dízimo em vários textos, isto é…

A ORAÇÃO É A CHAVE PARA A OBRA MISSIONÁRIA

“Quando o homem trabalha, o homem trabalha. Quando o homem ora, Deus trabalha.” Patrick Johnstone

INTRODUÇÃO
O mundo luta com armas químicas, biológicas, bombas atômicas e etc.. São armas consideradas de muito poder. No entanto, existe uma arma mais poderosa do que essas citadas: a oração do justo (Tg 5.16). Ela é mais potente do que os mísseis norte-americanos, pois nunca erra o alvo. A nossa arma é a oração. A oração nos orienta a tomar decisões importantes na obra missionária e em tudo na vida. Ela promove comunhão na igreja (At 2.42).
A oração é a marca distintiva da igreja missionária. A oração é um meio para enfrentar a perseguição. Em At 12.1 diz: “Por aquele tempo, mandou o rei Herodes prender alguns da igreja para os maltratar.” No versículo 5 diz que enquanto o apóstolo Pedro estava aguardando o seu martírio: “... havia oração incessante a Deus por parte da igreja a favor dele.” Toda igreja que faz missão passa por perseguição. Todavia, a perseguição não é capaz de acorre…

Ilustração Missionária: “A Missão de Uma Vela”