Pular para o conteúdo principal

A Prática de Uma Evangelização Bíblica Sem Adições ou Subtrações



 Esboço de Sermão




Mt 28.18-20

Considerações Iniciais:
Jesus nos mandou contar a todas as nações as boas novas, mas não temos feito isso.
Por que nós, que temos a melhor notícia do mundo, somos tão demorados em contá-la aos outros?
Talvez pensemos que estamos evangelizando quando, de fato, não estamos ou quem sabe por que ainda não conhecemos de fato o Evangelho de Jesus.
“Todo cristão ou é um missionário ou é um impostor” (Charles Spurgeon).
Se você diz que ama a Deus, mas não tem visão missionária, então você é um mentiroso.
Aquele que não ama missões é possível que nunca tenha encontrado Cristo.
O sermão desta noite está fundamentado em três perguntas que tentaremos respondê-las: O que é o Evangelho? Como evangelizar? E por que evangelizar?
O nosso tema é: A prática de uma evangelização bíblica sem adições e subtrações.
Evangelismo moderno: “Jesus te ama, vamos à minha igreja?”
Evangelismo bíblico: “Arrependa-se dos seus pecados e creia no Filho de Deus.”
Deus não nos cobrará naquele Dia “quantidade”, mas “fidelidade”.

I. O Que é o Evangelho?
Mt 28.19,20: “... fazei discípulos de todas as nações... ensinando-os a guardar todas as coisas que vos tenho ordenado.”
Evangelho não é apenas que tudo está bem conosco, mas também que a ira de Deus sobre nós foi tirada pelo sangue de Jesus.
Evangelho é uma fé crescente, uma esperança firme e segura quanto ao que há de vir.
Evangelho não é apenas que Deus é amor. Deus também é justo e santo.
Evangelho não é apenas que Jesus quer ser nosso amigo. Jesus é o nosso único Senhor e Salvador.
As boas novas sobre Jesus não é que consigamos apenas nos livrar do inferno gratuitamente, mas que nós nos tornemos como o próprio Jesus e sejamos capacitados a viver e reinar com ele eternamente no novo céu e na nova terra.
Deus nos chama a arrepender-nos de nossos pecados e crer somente em Cristo.
Rm 1.16: “Pois não me envergonho do evangelho, porque é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê...”.

II. Como Devemos Evangelizar?
O que não é evangelização:
Imposição: A verdadeira evangelização bíblica e cristã não envolve, por sua própria natureza, coerção, imposição, manipulação, mas somente proclamação e amor.
Testemunho pessoal: Devemos compartilhar o nosso testemunho pessoal, mas isto não significa necessariamente evangelização.
Ação social e envolvimento público: Essas duas atitudes devem estar presentes na vida do evangelista, todavia, a evangelização acontece quando o evangelho é comunicado claramente, em forma escrita ou oral.
Entretenimento: Evangelização não é distração ou recreação, mas anunciar às pessoas as grandes notícias sobre Jesus Cristo.
O que é evangelização:
Evangelizamos por pregar a Palavra de Deus e propagar a mensagem do Evangelho (Rm 10.17): “E, assim, a fé vem pela pregação, e a pregação, pela palavra de Cristo” e (1Co 1.21): “... aprouve a Deus salvar os que creem pela loucura da pregação”.
 Temos de ser exatos no que dizemos, não retendo qualquer parte importante que nos pareça desagradável ou repulsiva.
Levar o pecador a se convencer de que é pecador (Rm 3.23): “pois todos pecaram e carecem da glória de Deus”.
Levar o pecador a se convencer de que está condenado por causa de seus pecados (Rm 6.23): “porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus, nosso Senhor”.
Levar o pecador a compreender a providência tomada por Deus para sua salvação (Rm 5.8): “Mas Deus prova o seu próprio amor para conosco pelo fato de ter Cristo morrido por nós, sendo nós ainda pecadores”.
Levar o pecador a compreender que precisa confessar Jesus como seu único e suficiente salvador (Rm 10.9): “Se, com tua boca, confessares Jesus como Senhor e, em teu coração, creres que Deus o ressuscitou dentre os mortos, serás salvo”.
Ilustração: Missões exigem comprometimento - “A Galinha e o Porco”.

III. Por Que Devemos Evangelizar?
Porque o homem sem Cristo está perdido:
Nenhuma religião pode salvar o homem.
A Bíblia diz que todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus.
Jesus é o único Caminho para Deus, a única Porta de entrada no céu, o único Mediador entre Deus e os homens. Jesus é o Salvador do mundo.
Devemos evangelizar porque o evangelho é a única boa nova de salvação:
Há muitas religiões no mundo, cada uma com sua doutrina e sua prática.
Todas elas, exceto o Cristianismo, ensinam que o homem deve abrir um caminho da terra para o céu.
O evangelho está centrado não na obra que fazemos para Deus, mas na obra que Cristo fez por nós na cruz.
Devemos evangelizar porque a evangelização é uma ordem expressa de Deus:
Nenhuma outra entidade na terra tem competência e autoridade para pregar o evangelho. Essa é uma missão da igreja.
Não podemos nos calar. Não podemos sonegar aos povos o evangelho.
Cabe-nos levar o evangelho por todos os meios legítimos, em todo o tempo, em todos os lugares, sob todas as circunstâncias.
Devemos evangelizar porque Deus é glorificado na salvação dos pecadores:
O propósito maior da evangelização dos povos é que esses povos todos glorifiquem a Deus e exaltem seu nome.
O centro da obra missionária da igreja não é o homem, mas o próprio Deus.
Há júbilo diante dos anjos de Deus, no céu, por um pecador que se arrepende. 

Considerações Finais:
Fazer missões não dá lucro, fazer missões não enriquece, fazer missões não dá fama, fazer missões só dá prazer, mas só dá prazer pra quem ama as almas.
Falhamos no evangelismo somente se não apresentarmos o Evangelho com fidelidade.
Você pode chegar à conclusão de que evangelizar não é o seu dom, mas continua sendo o seu dever.
Apelo: Ilustração “A Conferência de Ratos”.
O que devo fazer por missões?
Orar.
Ofertar.
Ir.
Que a evangelização seja algo normal em nossa vida e em nossas igrejas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A IMPORTÂNCIA DA FIDELIDADE DOS DÍZIMOS E DAS OFERTAS

Introdução:
O assunto do dízimo é um dos mais importantes na vida do cristão. A prática do dízimo é um tema controvertido nas igrejas evangélicas, tendo, de um lado, defensores apaixonados e, do outro, críticos ardorosos. Para alguns, é uma espécie de legalismo judaico preservado na igreja cristã. Para outros, trata-se de uma norma divina que tem valor permanente para o povo de Deus, na antiga e na nova dispensação. Os críticos do dízimo afirmam que sua obrigatoriedade é contrária ao espírito do evangelho, pois Cristo liberta as pessoas das imposições da lei. Os defensores alegam que essa posição é interesseira, porque permite às pessoas se eximirem da responsabilidade de sustentar generosamente a igreja e suas atividades. O grande desafio nessa área é encontrar o equilíbrio entre tais posições divergentes. O que está em jogo é uma questão mais ampla — o conceito da mordomia cristã, do uso que os cristãos fazem de seus recursos e bens. A Bíblia trata do dízimo em vários textos, isto é…

A ORAÇÃO É A CHAVE PARA A OBRA MISSIONÁRIA

“Quando o homem trabalha, o homem trabalha. Quando o homem ora, Deus trabalha.” Patrick Johnstone

INTRODUÇÃO
O mundo luta com armas químicas, biológicas, bombas atômicas e etc.. São armas consideradas de muito poder. No entanto, existe uma arma mais poderosa do que essas citadas: a oração do justo (Tg 5.16). Ela é mais potente do que os mísseis norte-americanos, pois nunca erra o alvo. A nossa arma é a oração. A oração nos orienta a tomar decisões importantes na obra missionária e em tudo na vida. Ela promove comunhão na igreja (At 2.42).
A oração é a marca distintiva da igreja missionária. A oração é um meio para enfrentar a perseguição. Em At 12.1 diz: “Por aquele tempo, mandou o rei Herodes prender alguns da igreja para os maltratar.” No versículo 5 diz que enquanto o apóstolo Pedro estava aguardando o seu martírio: “... havia oração incessante a Deus por parte da igreja a favor dele.” Toda igreja que faz missão passa por perseguição. Todavia, a perseguição não é capaz de acorre…

Ilustração Missionária: “A Missão de Uma Vela”