Pular para o conteúdo principal

A Seara e os Trabalhadores


Mt 9.35-38
Introdução:
1.      Jesus nos mandou contar a todas as nações as boas novas, mas não temos feito isso. Por que nós, que temos a melhor notícia do mundo, somos tão demorados em contá-la aos outros?
a)      Talvez pensemos que estamos evangelizando quando, de fato, não estamos.
b)      Ou talvez porque ainda não conhecemos de fato o Evangelho de Jesus.
2.      O evangelismo moderno diz: “Jesus te ama, vamos à minha igreja?” O evangelismo bíblico diz: “Arrependa-se dos seus pecados e creia no Filho de Deus.”
3.      O Príncipe dos Pregadores, Charles Spurgeon, disse: “Todo cristão ou é um missionário ou é um impostor”.
4.      Aquele que não ama missões é possível que nunca tenha encontrado Cristo.
5.      Se você diz que ama a Deus, mas não tem visão missionária, então você é um mentiroso.
6.      O texto de Mt 9.35-38 nos ensina algumas lições preciosas no que refere a obra missionária:

I. A seara é grande, mas os trabalhadores são poucos (v. 37):
1.      A seara é grande (v. 37b):
a)      O desafio missionário brasileiro:
v  Indígenas (cerca 500 mil índios).
v  Ribeirinhos (quase 7 milhões de brasileiros). 
v  Ciganos (800 mil ciganos em nossa nação).
v  Quilombolas (quase 800 comunidades no Brasil).
v  Sertanejos (milhões de brasileiros vivem no Sertão, com muita dificuldade e muitos povoados estão clamando por um missionário).
v  Moradores de rua (quase 2 milhões de moradores de rua no Brasil).
v  Milionários (condomínios fechados de alto luxo, como pregar para eles? No Brasil aumenta diariamente o número de milionários, onde eles vão congregar?).
v  Imigrantes (mais de 2 milhões, comunidades alemãs, italianas, chinesas, japoneses, árabes, etc.).
b)      De cada seis habitantes no mundo, dois são cristãos (católicos, evangélicos, ortodoxos, evangélicos não-praticantes, etc.), um é muçulmano, um já ouviu falar de Jesus pelo menos uma vez e dois nunca ouviram falar de Jesus nenhuma vez.
c)      Oswald Smith disse: “Por que alguém deveria ouvir do evangelho duas vezes, quando há pessoas que não ouviram nenhuma vez”.
2.      Os trabalhadores são poucos (v. 37c):
a)      Para todas as carreiras há concorrências entre os homens. Há milhares de excedentes procurando vagas nas universidades e nos órgãos públicos.
b)      Mas para o ministério, a mais urgente de todas as vocações, poucas pessoas se oferecem.
3.      A missão é dos discípulos (v. 37a):
a)      Os cristãos não podem sonegar as boas novas aos perdidos.
b)      Somente os cristãos podem/devem pregar o evangelho.

II. A importância da oração na obra missionária (v. 38):
1.      Devemos rogar (pedir, clamar) ao Senhor da seara (v. 38a):
a)      Dependemos de Deus para fazermos missões. Deus é o Agente Missionário.
b)      Missões se fazem de joelhos em oração.
2.      Somente Deus manda trabalhadores para a sua seara (v. 38b):
a)      Ninguém se auto-envia para missões.
b)      Somente Deus envia missionários ao campo através da igreja.
3.      Aqueles que devem orar ao Senhor da seara para que mande trabalhadores para a sua seara, são os mesmos que devem trabalhar na seara (Mt 10):
a)      Ora-ação.
b)      Missões é evangelizar.

III. O que é preciso fazer para alcançar os perdidos (vv. 35,36):
1.      Precisamos vê-los com compaixão (v. 36b):
a)      Eles estão aflitos (v. 36c): atormentados, agoniados e assolados.
b)      Eles estão exaustos (v. 36d): cansados, entediados e enfadados.
c)      Eles não têm pastor (v. 36e): sem direção, sem alimentação e sem proteção.
2.      Percorrer todas as cidades e povoados (v. 35a):
a)      Ensinando as Escrituras (v. 35b).
b)      Pregando o evangelho do reino (v. 35c).
c)      Curando os doentes e enfermos (v. 35d).
3.      Precisamos nos comprometer com missões.

Conclusão:
1.      Fazer missões não dá lucro, fazer missões não enriquece, fazer missões não dá fama; fazer missões só dá prazer, mas só dá prazer pra quem ama as almas.
2.      Devemos orar, ofertar e evangelizar.
3.      Missões não é uma obra pra quem quer ou pra quem gosta, mas pra quem é chamado.
4.      Missões não são eventos, mas evangelizar.
5.      Ninguém entra na obra missionária sem ser chamado, e ninguém consegue sair da obra missionária quando se é chamado.
6. Missões é a nossa respiração, a nossa filosofia de vida.

Comentários

  1. Paz Luciano,
    Tomei a liberdade de utilizar seu esboço no culto de missões da minha igreja no último sábado. Foi a segunda vez que trouxe uma mensagem num culto, e essa postagem foi muito útil. Na oportunidade também falei um pouco sobre você e seu trabalho junto à Missão Saem.

    Que Deus te abençoe.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Paz Célio!
      Louvamos a Deus por sermos úteis em Sua obra. Que o Senhor da seara continue usando sua vida.
      Um forte abraço em Cristo!

      Excluir

Postar um comentário

Comentários:

Postagens mais visitadas deste blog

A IMPORTÂNCIA DA FIDELIDADE DOS DÍZIMOS E DAS OFERTAS

Introdução:
O assunto do dízimo é um dos mais importantes na vida do cristão. A prática do dízimo é um tema controvertido nas igrejas evangélicas, tendo, de um lado, defensores apaixonados e, do outro, críticos ardorosos. Para alguns, é uma espécie de legalismo judaico preservado na igreja cristã. Para outros, trata-se de uma norma divina que tem valor permanente para o povo de Deus, na antiga e na nova dispensação. Os críticos do dízimo afirmam que sua obrigatoriedade é contrária ao espírito do evangelho, pois Cristo liberta as pessoas das imposições da lei. Os defensores alegam que essa posição é interesseira, porque permite às pessoas se eximirem da responsabilidade de sustentar generosamente a igreja e suas atividades. O grande desafio nessa área é encontrar o equilíbrio entre tais posições divergentes. O que está em jogo é uma questão mais ampla — o conceito da mordomia cristã, do uso que os cristãos fazem de seus recursos e bens. A Bíblia trata do dízimo em vários textos, isto é…

A ORAÇÃO É A CHAVE PARA A OBRA MISSIONÁRIA

“Quando o homem trabalha, o homem trabalha. Quando o homem ora, Deus trabalha.” Patrick Johnstone

INTRODUÇÃO
O mundo luta com armas químicas, biológicas, bombas atômicas e etc.. São armas consideradas de muito poder. No entanto, existe uma arma mais poderosa do que essas citadas: a oração do justo (Tg 5.16). Ela é mais potente do que os mísseis norte-americanos, pois nunca erra o alvo. A nossa arma é a oração. A oração nos orienta a tomar decisões importantes na obra missionária e em tudo na vida. Ela promove comunhão na igreja (At 2.42).
A oração é a marca distintiva da igreja missionária. A oração é um meio para enfrentar a perseguição. Em At 12.1 diz: “Por aquele tempo, mandou o rei Herodes prender alguns da igreja para os maltratar.” No versículo 5 diz que enquanto o apóstolo Pedro estava aguardando o seu martírio: “... havia oração incessante a Deus por parte da igreja a favor dele.” Toda igreja que faz missão passa por perseguição. Todavia, a perseguição não é capaz de acorre…

Ilustração Missionária: “A Missão de Uma Vela”