Pular para o conteúdo principal

Louvor é mais que música (Esboço)


Esboço de Palestra
(Palestra ministrada na manhã do domingo 26 de janeiro de 2014, na Igreja Cristã Evangélica da Aliança em São Sebastião/DF).

Sl 150.6

Introdução:
1.      É possível louvar a Deus sem música? Como se portariam os músicos na igreja se o “ministério de louvor” não tivesse música? Músico na igreja é o mesmo que levita? O que é o louvor a Deus? O louvor liberta mesmo? O que Deus espera dos músicos? O que Deus não espera dos músicos?
2.      A música que estamos escutando ou cantando tem consistência e coerência moral e teológica tanto na letra como na melodia? Qual o intento que está por trás da música? Ela transmite a mensagem bíblica? Glorifica a Deus (1Co 10.31)? Oferece o que é mais nobre e melhor (Fp 4.8)?

I. A música tem um valor inestimável:
1.      É uma arte presente tanto no céu como na terra.
2.      Nos motiva a despejar o coração em fervente louvor ao único Deus verdadeiro.
3.      Tem uma extensão vertical (glorificar a Deus) e uma extensão horizontal (levar as pessoas a confiar em Deus).
4.      Não deve ser pobre em conteúdo, mas rica em teor bíblico.
5.      Deve moldar nossa visão de mundo pela verdade bíblica e nos ensinar o significado da Palavra de Deus.

II. Muitos se interessam pela música, porém, poucos pelo louvor a Deus com música:
1.      Louvar é uma coisa, tocar é outra.
2.      Você pode ser o mais perfeito músico do planeta, mas se não houver louvor, Deus não aceita.
3.      É verdade que o louvor pode conter música, mas nem sempre a música contém louvor.
4.      O músico deve ser um adorador na vida antes de se colocar frente ao povo de Deus. Louvar a Deus significa reconhecê-Lo, agradecê-Lo e exaltá-Lo.
5.      Louvar a Deus é ter uma vida piedosa, santa, obediente e temente a Deus.

III. Muitos insistem em dizer que músico é levita:
1.      Não temos mais levitas.
2.      A Bíblia relata que existiam levitas envolvidos com a música no antigo Israel. No entanto, nem todos os levitas eram músicos.
3.      A música no serviço levítico era a menor das tarefas. Alguns levitas cuidavam de outras atividades cultuais, como o sacrifício, tarefas administrativas e operacionais.
4.      Músico na igreja não é o mesmo que levita. Levitas eram os membros da tribo de Levi.
5.      Com a morte e ressurreição de Cristo, o sacerdócio levítico tornou-se caduco.
6.      Vale lembrar que em nenhum lugar do Novo Testamento encontramos referência de que líderes de música, cantores ou instrumentistas sejam considerados como levitas do Senhor.
7.      Algumas coisas que os ditos “levitas” de hoje se esqueceram:
a)      De circuncidar o prepúcio.
b)      Das maldições destinadas à Israel explícitas em Dt 28.15...
c)      De raspar os pelos do corpo como esclarece Nm 8.7.
d)     De abandonar as suas casas e mudarem para as cidades determinadas (Nm 35.2) em Israel, se ainda existirem.

IV. O “mercado gospel”:
1.      Heber Carlos de Campos: “A adoração moderna é planejada para atrair pessoas (os consumidores de música contemporânea) ao invés de ser promovida para que as pessoas levantem os olhos para o céu para cultuar corretamente o verdadeiro Deus... Antes que verdadeiros adoradores, estamos vendo pessoas preocupadas com o consumo musical e litúrgico, querendo ouvir o que lhes agrada, e não o que agrada a Deus”.

V. O show tem que parar:
1.      Subir no altar e fazer imitação de crente não é louvor, é show, ou melhor, rascunho de show mal feito.
2.      É uma grande incoerência essa coisa de se tornar estrela gospel.
3.      O tratamento dado a artistas gospel é inadmissível.
4.      Quando a música na igreja é reduzida a entretenimento e recreação, ela se torna um ídolo. Músico na igreja não é animador de auditório.
5.      Louvor através da música não é show. Muita música dita “evangélica” é “do mundo”.
6.      A música deve louvar adorar a Deus e não aos homens. O culto é feito para Deus e não para nós mesmos.

VI. Por que os músicos são uma das partes mais complicada da igreja?
1.      Porque muitos deles são egocêntricos, creem piamente que o mundo gira em torno deles e acham que nada funciona sem eles. Eles se acham insubstituíveis.
2.      A maioria dos cantores evangélicos se comporta como artistas e não como servos.
3.      Músicos na igreja não são estrelas.
4.      Todo músico na igreja deve estar integrado na vida da igreja. Deve ser assíduo nos cultos, ter sua vida irrepreensível, ser exemplo e nada de, após o momento de louvor através da música, sair e ficar do lado de fora da igreja.
5.      Louvor a Deus através da música não é brincadeira. Deus vai nos cobrar se de fato tocamos e cantamos para a glória Dele.

VII. O músico precisa conhecer profundamente a Bíblia:
1.      Josemar Bessa: “alguns dos maiores perigos teológicos de nossos dias são localizados nas asas da canção”.
2.      Assim como a oração, a leitura da Palavra e principalmente a pregação dela, a música também usa a palavra falada e escrita e faz parte do culto solene para juntos transmitirem os ensinamentos das Escrituras.
3.      É indispensável a ordem: Cante as Escrituras!
4.      Para se cantar a Bíblia, antes é preciso conhecê-la. Músicos que não conhecem profundamente as Escrituras não podem estar à frente da igreja.
5.      O problema é que a teologia de muitos músicos é a música e não a Bíblia.
6.      Hoje em dia, há muitos cânticos com letras heréticas.

VIII. O louvor liberta ou Deus liberta por intermédio do louvor?
1.      A resposta é: O louvor não liberta. Dez mil vezes não! Deus é quem liberta. Não podemos idolatrizar a música achando que ela liberta. Somente Deus liberta.
2.      O propósito da música na igreja não é libertar, mas louvar a Deus.
3.      Ela é poderosa, mas não tem o poder de libertar. Somente Deus o tem!   

IX. A vida da igreja é adorar, louvar, agradar e exaltar ao seu Senhor:
Aqui ficam algumas ferramentas valiosas para se louvar a Deus apesar da música:
1.      Oração.
2.      Leitura bíblica.
3.      Finanças.
4.      Testemunho.
5.      Jejum.
6.      Santidade
7.      Serviço.
8.      Pensamentos. Etc.

Conclusão
1.      Portanto, precisamos rever o papel da música na adoração. Chegou a hora de pararmos de brincar de ministério de música e levar a sério o que Deus nos confiou. Deus procura adoradores que O adore em espírito e em verdade (Jo 4.24), com ou sem música.
2.      Assim, a música em seu conteúdo deve ser simples, resumida e direta aplicando os conceitos da sã doutrina a vida do crente.
3.      Devemos buscar equilíbrio e bom senso em nossas músicas.
4.      Podemos até renovar a nossa hinódia, desde que não esqueçamos que o nosso culto deve ser teocêntrico e que nossas músicas devem ser bibliocêntricas.
5.      Nosso canto é para a glória de Deus e edificação da igreja. Portanto, vivamos e cantemos para a glória de Cristo! Tenhamos cuidado com o que estamos ensinando por meio da música. As letras das músicas têm o poder formativo porque são memoráveis. Assim, cantemos a Bíblia para a glória de Deus.

Nos laços do calvário que nos une,
Luciano Paes Landim.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A IMPORTÂNCIA DA FIDELIDADE DOS DÍZIMOS E DAS OFERTAS

Introdução:
O assunto do dízimo é um dos mais importantes na vida do cristão. A prática do dízimo é um tema controvertido nas igrejas evangélicas, tendo, de um lado, defensores apaixonados e, do outro, críticos ardorosos. Para alguns, é uma espécie de legalismo judaico preservado na igreja cristã. Para outros, trata-se de uma norma divina que tem valor permanente para o povo de Deus, na antiga e na nova dispensação. Os críticos do dízimo afirmam que sua obrigatoriedade é contrária ao espírito do evangelho, pois Cristo liberta as pessoas das imposições da lei. Os defensores alegam que essa posição é interesseira, porque permite às pessoas se eximirem da responsabilidade de sustentar generosamente a igreja e suas atividades. O grande desafio nessa área é encontrar o equilíbrio entre tais posições divergentes. O que está em jogo é uma questão mais ampla — o conceito da mordomia cristã, do uso que os cristãos fazem de seus recursos e bens. A Bíblia trata do dízimo em vários textos, isto é…

A ORAÇÃO É A CHAVE PARA A OBRA MISSIONÁRIA

“Quando o homem trabalha, o homem trabalha. Quando o homem ora, Deus trabalha.” Patrick Johnstone

INTRODUÇÃO
O mundo luta com armas químicas, biológicas, bombas atômicas e etc.. São armas consideradas de muito poder. No entanto, existe uma arma mais poderosa do que essas citadas: a oração do justo (Tg 5.16). Ela é mais potente do que os mísseis norte-americanos, pois nunca erra o alvo. A nossa arma é a oração. A oração nos orienta a tomar decisões importantes na obra missionária e em tudo na vida. Ela promove comunhão na igreja (At 2.42).
A oração é a marca distintiva da igreja missionária. A oração é um meio para enfrentar a perseguição. Em At 12.1 diz: “Por aquele tempo, mandou o rei Herodes prender alguns da igreja para os maltratar.” No versículo 5 diz que enquanto o apóstolo Pedro estava aguardando o seu martírio: “... havia oração incessante a Deus por parte da igreja a favor dele.” Toda igreja que faz missão passa por perseguição. Todavia, a perseguição não é capaz de acorre…

Ilustração Missionária: “A Missão de Uma Vela”