Pular para o conteúdo principal

Os 10 Melhores Livros Que Li em 2015


O ano de 2015 foi um tanto proveitoso no que refere à leitura. Não foi nada fácil selecionar os dez melhores livros. Para ver a lista completa clica no link: http://www.lucianopaeslandim.blogspot.com.br/p/leituras.html

Abaixo, aquilo que considero o TOP 10 – os dez melhores livros que li no ano. Não está necessariamente em ordem de importância.

1.       CRISTIANISMO BÁSICO. John Stott, 208 páginas, Editora Ultimato.
Stott diz que Jesus não somente deve ser admirado, mas adorado.

2.       O DISCIPULADO SEGUNDO JESUS. James Montgomery Boice, 240 páginas, Cultura Cristã, 2001. O livro nos convoca a avaliarmos o significado, o caminho, o preço e as recompensas do verdadeiro discipulado.

3.       O DEUS PRÓDIGO: descubra a essência da fé cristã na parábola mais tocante de Jesus. Timothy Keller, 176 páginas, Thomas Nelson Brasil, 2010. O livro fala sobre esperança e salvação. Mostra o caminho para se resgatar a essência do evangelho.

4.       VOCÊ NÃO PRECISA DE UM CHAMADO MISSIONÁRIO. Yago Martins, 218 páginas, BTBooks, 2015. Parabéns ao jovem Yago Martins pelo seu primeiro livro, diga-se de passagem, ótimo livro. A abordagem é bíblica e recheada de citações de vários autores. O livro ficou ótimo!

5.       PERSUASÕES. Douglas J. Wilson, 142 páginas, Editora Monergismo, 2009.
Já conhecia o autor. Tinha lido dois livros dele sobre família. O presente livro é apologético. Wilson refuta cosmovisões antibíblicas com maestria, fundamentado no pressuposicionalismo. A linguagem é clara e contundente. Amei a leitura!

6.       DELEITANDO-SE NA TRINDADE: uma introdução à fé cristã. Michael Reeves, 146 páginas, Editora Monergismo, 2014. O livro é cativante, profundo, de linguagem acessível. É esclarecedor deleitoso!

7.       A TRELIÇA E A VIDEIRA: a mentalidade de discipulado que muda tudo. Colin Marshall & Tony Payne, 208 páginas, Editora Fiel, 2015. O livro fala sobre como trabalhar de perto com as pessoas, ajudá-las a crescer e a florescer no ministério.

8.       O QUE A BÍBLIA ENSINA SOBRE A HOMOSSEXUALIDADE?. Kevin DeYoung, 200 páginas, Editora Fiel, 2015. Somos desafiados a olhar firmemente para o que a Bíblia diz sobre a homossexualidade. Resumindo o livro: a atividade homossexual não é uma bênção a ser celebrada e solenizada, e sim um pecado que precisa de arrependimento, perdão e abandono.

9.       RAZÕES DO CORAÇÃO: reconquistando a persuasão cristã. William Edgar, 144 páginas, Editora Refúgio, 2000. O que o autor faz é uma ótima explicação do evangelho de forma a alcançar a pessoa toda - mente e coração. O livro é apologético e altamente convincente.

10.   EVANGELISMO: como criar uma cultura contagiante de evangelismo na igreja local. J. Mack Stiles, 144 páginas, Editora Vida Nova, 2015. É apenas um pequeno livro, mas é o melhor livro que já li sobre o assunto.

Nos laços do Calvário que nos une,
Luciano Paes Landim.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A IMPORTÂNCIA DA FIDELIDADE DOS DÍZIMOS E DAS OFERTAS

Introdução:
O assunto do dízimo é um dos mais importantes na vida do cristão. A prática do dízimo é um tema controvertido nas igrejas evangélicas, tendo, de um lado, defensores apaixonados e, do outro, críticos ardorosos. Para alguns, é uma espécie de legalismo judaico preservado na igreja cristã. Para outros, trata-se de uma norma divina que tem valor permanente para o povo de Deus, na antiga e na nova dispensação. Os críticos do dízimo afirmam que sua obrigatoriedade é contrária ao espírito do evangelho, pois Cristo liberta as pessoas das imposições da lei. Os defensores alegam que essa posição é interesseira, porque permite às pessoas se eximirem da responsabilidade de sustentar generosamente a igreja e suas atividades. O grande desafio nessa área é encontrar o equilíbrio entre tais posições divergentes. O que está em jogo é uma questão mais ampla — o conceito da mordomia cristã, do uso que os cristãos fazem de seus recursos e bens. A Bíblia trata do dízimo em vários textos, isto é…

A ORAÇÃO É A CHAVE PARA A OBRA MISSIONÁRIA

“Quando o homem trabalha, o homem trabalha. Quando o homem ora, Deus trabalha.” Patrick Johnstone

INTRODUÇÃO
O mundo luta com armas químicas, biológicas, bombas atômicas e etc.. São armas consideradas de muito poder. No entanto, existe uma arma mais poderosa do que essas citadas: a oração do justo (Tg 5.16). Ela é mais potente do que os mísseis norte-americanos, pois nunca erra o alvo. A nossa arma é a oração. A oração nos orienta a tomar decisões importantes na obra missionária e em tudo na vida. Ela promove comunhão na igreja (At 2.42).
A oração é a marca distintiva da igreja missionária. A oração é um meio para enfrentar a perseguição. Em At 12.1 diz: “Por aquele tempo, mandou o rei Herodes prender alguns da igreja para os maltratar.” No versículo 5 diz que enquanto o apóstolo Pedro estava aguardando o seu martírio: “... havia oração incessante a Deus por parte da igreja a favor dele.” Toda igreja que faz missão passa por perseguição. Todavia, a perseguição não é capaz de acorre…

Ilustração Missionária: “A Missão de Uma Vela”