Pular para o conteúdo principal

Este ano vou pular (novamente) o Carnaval


Estamos nos aproximando de mais uma data festiva de nosso país. Para alguns, o ano só começa depois deste período. O Carnaval é conhecido por suas festas, multidões, escolas de samba, desfiles, bebidas, namoros sem compromisso, etc. São alguns dias em que muitos foliões se “divertem” pulando no Carnaval. Outros, porém, preferem passear, retirar-se ou estudar durante este período, etc. O fato é que são muitas as festas realizadas ao mesmo tempo em todo o país. O governo considera o Carnaval como cultura e que o mesmo movimenta muito dinheiro e que, portanto, uma verba é destinada anualmente para a realização da Festa da Carne.

Para minha surpresa, ao buscar o significado da palavra “Carnaval” no meu computador deparei-me com algumas definições pertinentes: Confusão, desordem, trapalhada, etc. Realmente, esta é a imagem que fica na mente de muitos quando leem os jornais depois que a festa acaba: brigas, mortes no trânsito, pessoas presas, outras contaminadas por doenças sexualmente transmissíveis, overdoses, comas-alcoólicos, gravidez indesejada, etc. Entretanto, a imagem para outros é a da folia, novos namoros, prazeres do sexo, muita cerveja, etc.

Confesso que antes mesmo de ser convertido ao Evangelho eu já não gostava de Carnaval. Sempre tive em mente que o nosso país pode viver sem Carnaval. Somos conhecidos lá fora assim: Brasil, o país do Carnaval. Bom seria se fôssemos conhecidos como o país da educação, da saúde, da justiça social, da honestidade; principalmente na política. Portanto, decidi novamente pular o Carnaval (e não pular no Carnaval). Sim, pularei esta festa. Saltarei do mesmo modo que no ano passado e nos anos anteriores. O salto será bem alto e grande. Decidi ficar em casa curtindo a minha família.

E você, vai pular o Carnaval ou vai pular no Carnaval?

Nos laços do Calvário que nos une,
Luciano Paes Landim.

Comentários

Postar um comentário

Comentários:

Postagens mais visitadas deste blog

A IMPORTÂNCIA DA FIDELIDADE DOS DÍZIMOS E DAS OFERTAS

Introdução:
O assunto do dízimo é um dos mais importantes na vida do cristão. A prática do dízimo é um tema controvertido nas igrejas evangélicas, tendo, de um lado, defensores apaixonados e, do outro, críticos ardorosos. Para alguns, é uma espécie de legalismo judaico preservado na igreja cristã. Para outros, trata-se de uma norma divina que tem valor permanente para o povo de Deus, na antiga e na nova dispensação. Os críticos do dízimo afirmam que sua obrigatoriedade é contrária ao espírito do evangelho, pois Cristo liberta as pessoas das imposições da lei. Os defensores alegam que essa posição é interesseira, porque permite às pessoas se eximirem da responsabilidade de sustentar generosamente a igreja e suas atividades. O grande desafio nessa área é encontrar o equilíbrio entre tais posições divergentes. O que está em jogo é uma questão mais ampla — o conceito da mordomia cristã, do uso que os cristãos fazem de seus recursos e bens. A Bíblia trata do dízimo em vários textos, isto é…

A ORAÇÃO É A CHAVE PARA A OBRA MISSIONÁRIA

“Quando o homem trabalha, o homem trabalha. Quando o homem ora, Deus trabalha.” Patrick Johnstone

INTRODUÇÃO
O mundo luta com armas químicas, biológicas, bombas atômicas e etc.. São armas consideradas de muito poder. No entanto, existe uma arma mais poderosa do que essas citadas: a oração do justo (Tg 5.16). Ela é mais potente do que os mísseis norte-americanos, pois nunca erra o alvo. A nossa arma é a oração. A oração nos orienta a tomar decisões importantes na obra missionária e em tudo na vida. Ela promove comunhão na igreja (At 2.42).
A oração é a marca distintiva da igreja missionária. A oração é um meio para enfrentar a perseguição. Em At 12.1 diz: “Por aquele tempo, mandou o rei Herodes prender alguns da igreja para os maltratar.” No versículo 5 diz que enquanto o apóstolo Pedro estava aguardando o seu martírio: “... havia oração incessante a Deus por parte da igreja a favor dele.” Toda igreja que faz missão passa por perseguição. Todavia, a perseguição não é capaz de acorre…

Ilustração Missionária: “A Missão de Uma Vela”