Pular para o conteúdo principal

Cinco razões básicas porque eu não acredito no casamento homossexual

Por Renato Vargens

Em 2010, enquanto estava no Peru, pregando num encontro de líderes, ouvi um dos pastores da cidade de Piura compartilhando a sua preocupação quanto a possibilidade do Congresso Peruano legalizar o casamento gay.

Pois é, lamentavelmente essa é a realidade de praticamente toda a América Latina. Infelizmente em quase todos os países do nosso continente é possível encontrar uma grande pressão politica pelo casamento homossexual.

Aqui no Brasil por exemplo o Congresso Nacional tem tentado empurrar goela abaixo do cidadão a PL122, isso sem falar é claro da pressão feito pelos meios de comunicação para a conscientização de uma agenda gay.

Isto, posto, gostaria de afirmar que ainda que entenda que cada um tem o direito de fazer da sua vida aquilo que bem entender, não posso por concordar com esta prática pelos seguintes motivos:

1- Porque a Bíblia que é a única e infalível Palavra de Deus condena.

2- Porque o casamento é uma instituição divina e o Criador dos céus e da terra, estabeleceu que o matrimônio deveria acontecer somente entre homens e mulheres.

3- Porque as Escrituras consideram o ato homossexual como pecado e que a prática deste afronta a santidade do Eterno.

4- Porque o casamento homossexual não cria uma família, mas uma união naturalmente estéril, frustando assim o mandamento bíblico da multiplicação

5- Porque o casamento homossexual viola a lei natural da sexualidade estabelecida por Deus.

Pense nisso!

Renato Vargens

Link: http://renatovargens.blogspot.com.br/2011/06/cinco-razoes-basicas-porque-eu-nao.html

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A IMPORTÂNCIA DA FIDELIDADE DOS DÍZIMOS E DAS OFERTAS

Introdução:
O assunto do dízimo é um dos mais importantes na vida do cristão. A prática do dízimo é um tema controvertido nas igrejas evangélicas, tendo, de um lado, defensores apaixonados e, do outro, críticos ardorosos. Para alguns, é uma espécie de legalismo judaico preservado na igreja cristã. Para outros, trata-se de uma norma divina que tem valor permanente para o povo de Deus, na antiga e na nova dispensação. Os críticos do dízimo afirmam que sua obrigatoriedade é contrária ao espírito do evangelho, pois Cristo liberta as pessoas das imposições da lei. Os defensores alegam que essa posição é interesseira, porque permite às pessoas se eximirem da responsabilidade de sustentar generosamente a igreja e suas atividades. O grande desafio nessa área é encontrar o equilíbrio entre tais posições divergentes. O que está em jogo é uma questão mais ampla — o conceito da mordomia cristã, do uso que os cristãos fazem de seus recursos e bens. A Bíblia trata do dízimo em vários textos, isto é…

A ORAÇÃO É A CHAVE PARA A OBRA MISSIONÁRIA

“Quando o homem trabalha, o homem trabalha. Quando o homem ora, Deus trabalha.” Patrick Johnstone

INTRODUÇÃO
O mundo luta com armas químicas, biológicas, bombas atômicas e etc.. São armas consideradas de muito poder. No entanto, existe uma arma mais poderosa do que essas citadas: a oração do justo (Tg 5.16). Ela é mais potente do que os mísseis norte-americanos, pois nunca erra o alvo. A nossa arma é a oração. A oração nos orienta a tomar decisões importantes na obra missionária e em tudo na vida. Ela promove comunhão na igreja (At 2.42).
A oração é a marca distintiva da igreja missionária. A oração é um meio para enfrentar a perseguição. Em At 12.1 diz: “Por aquele tempo, mandou o rei Herodes prender alguns da igreja para os maltratar.” No versículo 5 diz que enquanto o apóstolo Pedro estava aguardando o seu martírio: “... havia oração incessante a Deus por parte da igreja a favor dele.” Toda igreja que faz missão passa por perseguição. Todavia, a perseguição não é capaz de acorre…

Ilustração Missionária: “A Missão de Uma Vela”