Por que Eu Não Creio na Teologia da Prosperidade?




A teologia da prosperidade é um movimento de genealogia norte-americana que tem tido espantosa aceitação no meio evangélico brasileiro desde a década de 1980. Ela é também conhecida como “confissão positiva”, “palavra da fé”, “movimento da fé” e “evangelho da saúde e da prosperidade”. O que de fato a teologia da prosperidade ensina é uma doutrina diferente dos ensinamentos bíblicos. E, portanto, deve ser rejeitada por todo cristão sincero e verdadeiro. Eis alguns motivos porque eu não creio na teologia da prosperidade:

1.      Porque a Bíblia afirma que não posso servir a Deus e ao dinheiro: “Ninguém pode servir a dois senhores; porque ou há de aborrecer-se de um e amar ao outro, ou se devotará a um e desprezará ao outro. Não podeis servir a Deus e às riquezas” (Mt 6.24).

2.      Porque o amor do dinheiro é raiz de todos os males: “Porque o amor do dinheiro é raiz de todos os males; e alguns, nessa cobiça, se desviaram da fé e a si mesmos se atormentaram com muitas dores” (1Tm 6.10).

3.      Porque a teologia da prosperidade não ensina o arrependimento de pecados, ensino este (arrependimento) que é ordenado por Jesus: “e que em seu nome se pregasse arrependimento para remissão de pecados a todas as nações, começando de Jerusalém” (Lc 24.47).

4.      Porque a teologia da prosperidade não me ensina estar contente: “Tendo sustento e com que nos vestir, estejamos contentes” (1Tm 6.8).

5.      Porque a teologia da prosperidade ensina falsamente a imunidade a qualquer tipo de sofrimento, coisa esta que não tem base bíblica: “Digo isto, não por causa da pobreza, porque aprendi a viver contente em toda e qualquer situação. Tanto sei estar humilhado como também ser honrado; de tudo e em todas as circunstâncias, já tenho experiência, tanto de fartura como de fome; assim de abundância como de escassez; tudo posso naquele que me fortalece” (Fp 4.11-13).

6.      Porque na teologia da prosperidade não há lugar para a mensagem da cruz: “tendo cancelado o escrito de dívida, que era contra nós e que constava de ordenanças, o qual nos era prejudicial, removeu-o inteiramente, encravando-o na cruz” (Cl 2.14).

7.      Porque a teologia da prosperidade relativiza a importância das Escrituras por meio de novas revelações supostamente recebidas pelos seus líderes: “Mas, ainda que nós ou mesmo um anjo vindo do céu vos pregue evangelho que vá além do que vos temos pregado, seja anátema” (Gl 1.8).

8.      Porque a teologia da prosperidade só tem enriquecido a vida dos seus pregadores e empobrecido a vida dos seus seguidores: “O ladrão vem somente para roubar, matar e destruir; eu vim para que tenham vida e a tenham em abundância. Eu sou o bom pastor. O bom pastor dá a vida pelas ovelhas. O mercenário, que não é pastor, a quem não pertencem as ovelhas, vê vir o lobo, abandona as ovelhas e foge; então, o lobo as arrebata e dispersa” (Jo 10.10-12).

9.      Porque a teologia da prosperidade comete grave erro quando deixa de dizer que qualquer bênção vinda de Deus é pura graça e não um direito que nós temos e que podemos reivindicar ou exigir dele: “Estrangeiros edificarão os teus muros, e os seus reis te servirão; porque no meu furor te castiguei, mas na minha graça tive misericórdia de ti” (Is 60.10) e “Porque pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto não vem de vós; é dom de Deus” (Ef 2.8).

10.  Porque a teologia da prosperidade está certa quando diz que devemos dar o dízimo e ofertas, mas está errada quando deixa de dizer que isto não obriga Deus a pagá-los de volta: “Que darei eu ao SENHOR por todos os benefícios que me tem feito?” (Sl 116.12).

11.  Porque a teologia da prosperidade diz que a pobreza é sinal de infidelidade e riqueza é sinal de aprovação da parte de Deus, coisas estas que não têm apoio bíblico: “Ora, havia certo homem rico que se vestia de púrpura e de linho finíssimo e que, todos os dias, se regalava esplendidamente. Havia também certo mendigo, chamado Lázaro, coberto de chagas, que jazia à porta daquele; e desejava alimentar-se das migalhas que caíam da mesa do rico; e até os cães vinham lamber-lhe as úlceras. Aconteceu morrer o mendigo e ser levado pelos anjos para o seio de Abraão; morreu também o rico e foi sepultado. No inferno, estando em tormentos, levantou os olhos e viu ao longe a Abraão e Lázaro no seu seio” (Lc 16.19).

12.  Porque a teologia da prosperidade ensina buscar as bênçãos de Deus, em vez de ensinar a buscar o Deus das bênçãos: “buscai, pois, em primeiro lugar, o seu reino e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas” (Mt 6.33).

13.  Porque a teologia da prosperidade ensina que o “deleite não está no Senhor, mas no(s) serviço(s) que Ele, supostamente, se habilita a prestar”: “Deleite-se no Senhor, e ele atenderá aos desejos do seu coração” (Sl 37:4).

Lamentavelmente, a teologia da prosperidade continua a influenciar as igrejas evangélicas no Brasil. Aquelas ideias que teriam sido imediatamente consideradas como heréticas há três décadas, agora são lançadas sem que as pessoas franzam a testa. O fato é que grande parte do evangelicalismo brasileiro tem perdido o rumo. Antigamente, os falsos mestres batiam no portão de nossas casas (testemunhas de Jeová, Mórmons, etc.), hoje os hereges estão dentro de nossas igrejas: os pregadores da teologia da prosperidade. Tristemente, devemos confessar que a maioria dos “evangélicos” de todas as ramificações de nosso país tem dobrado os joelhos diante de Mamom. Entre defender seus luxos e seguir a Jesus, eles escolheram imitar o jovem rico (Mc 10.21-22): “E Jesus, fitando-o, o amou e disse: Só uma coisa te falta: Vai, vende tudo o que tens, dá-o aos pobres e terás um tesouro no céu; então, vem e segue-me. Ele, porém, contrariado com esta palavra, retirou-se triste, porque era dono de muitas propriedades”. A solução é voltar-se para o evangelho puro e verdadeiro.  A saída é professar as Escrituras, vivê-las e proclamá-las.

Nos laços do Calvário que nos une,

Luciano Paes Landim.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A IMPORTÂNCIA DA FIDELIDADE DOS DÍZIMOS E DAS OFERTAS

A ORAÇÃO É A CHAVE PARA A OBRA MISSIONÁRIA