Pular para o conteúdo principal

Refutando um pensamento compartilhado nas redes sociais


Introdução:

Muitas pessoas nas redes sociais tem compartilhado o seguinte pensamento (sabe-se lá quem é o autor):

"Se for preciso falte uma EBD para jogar futebol com seu filho. Se for preciso falte um culto na semana para levar sua filha no shopping. Se for preciso falte uma vigília de oração para ter uma noite de amor com sua esposa. O 'altar' da religião nunca pode atrapalhar a intimidade e a comunhão da sua família!"

Eu, todavia, discordo totalmente dessas palavras. Gostaria de observar alguns pontos:

Tudo tem o seu tempo:

Há tempo para jogar futebol com o filho e tempo para ir com o filho para a EBD. Se uma atividade está atrapalhando a outra é porque não está tendo administração correta do tempo. Temos vários dias e horários para jogar futebol, para levar a filha ao shopping e fazer “amor” com a esposa... Seria justo fazermos essas atividades justamente nos dias e horários de estudo da Bíblia (EBD), adoração (culto) e oração (vigília)?
Observação: Existem igrejas que exigem a presença de seus membros todos os dias no templo. Isso não é bíblico. Para ser cristão não é preciso estar todos os dias na igreja.

Quais devem ser as nossas prioridades?

Alguns enumeram as prioridades assim:

1.       DEUS
2.       Família
3.       Amigos
4.       Trabalho
5.       Bens materiais

Mas o correto seria assim:
1.       DEUS
2.       Família, amigos, trabalho, bens materiais.

Não podemos negar o fato de que existem dois extremos acerca da família: aqueles que a desprezam e aqueles que a idolatram. Ou seja, alguns nem se quer constituíram família e querem pregar a família como prioridade e outros centralizam a família a ponto de achar que ela é tudo. Isto significa que se amássemos a Deus corretamente, não haveria espaço para algo que vem “logo em segundo lugar”.

Qual é a mensagem que estamos transmitindo à nossa família?

Ao deixarmos de levar o nosso filho para EBD para jogarmos futebol com ele, deixarmos de levar a nossa filha para o culto para a levarmos ao Shopping e deixarmos de orar na vigília para termos uma noite de “amor” com a esposa... Qual é a mensagem que transmitiremos a eles? A de que as nossas coisas são mais importantes do que as coisas de Deus. Assim, ensinamos o nosso filho a amar mais um time de futebol, a nossa filha a amar mais um sapato ou vestido e a nossa esposa mais o sexo do que as coisas de Deus. Como maridos e pais devemos agir como sacerdotes ensinando e dando exemplo de uma vida piedosa.

Visando a glória de Deus em todas as coisas:

Não sou da opinião de que devemos separar “sagrado” e “secular”, pois, para um crente fiel tudo é sagrado. Ou seja, o esporte, o lazer, o trabalho, o descanso, a diversão, a família, o sexo, etc., devem ser usados para magnificar e glorificar a Deus. Não creio que jogar futebol com o filho seja pecado, pelo contrário, os pais precisam não somente estar presentes na vida do filho, mas também acompanhar o coração do mesmo. Com isto quero dizer que uma partida de futebol pode proporcionar ao pai a oportunidade de observar o coração do filho, de maneira que poderá checar se no mesmo há idolatria, até mesmo futebolística. Levar a filha ao shopping também não é errado, desde que ensine a filha a batalhar para que em seu coração não haja espaço para o consumismo e o materialismo. Ou seja, ir com a filha ao shopping pode proporcionar ao pai a oportunidade de ensiná-la a lidar com o dinheiro e como vencer o consumismo. Sobre a importância do sexo na vida do casal, não se pode subestimar a seriedade do mesmo. O sexo foi criado por Deus para ser desfrutado no casamento entre um homem e uma mulher, responsavelmente. O mesmo tem que ser usado para a glória de Deus. Mas o ponto aqui é: se administrarmos corretamente o nosso tempo, será preciso deixar de ir para a EBD com o filho, faltar um culto com a filha ou ausentar-se de uma vigília de oração para proporcionar um momento de esporte e lazer com o filho, um passeio no shopping com a filha para fazer compras e uma noite de amor com a esposa? Mil vezes não!

Conclusão:

Quero concluir enumerando quatro pontos:

1. Administremos corretamente o nosso tempo, para que não sejamos negligentes para com Deus e para com a família.
2. Revisemos nossas prioridades e vejamos o que realmente é primazia.
3. Cuidemos de nossas famílias ensinando-as a importância de amar a Deus de todo o coração, alma, força e entendimento.  Eduquemos o nosso lar mostrando o valor de se congregar, orar, estudar a Bíblia, etc.
4. Entendamos que tudo o que formos fazer, devemos fazer para o louvor da glória de Deus.

Nos laços do Calvário que nos une,

Luciano Paes Landim.

Comentários

  1. Muito bom.. Geralmente as pessoas que compartilham desse pensamento são pessoas que não gostam de congregar ou se compromissada com a igreja..porém nem todos..alguns eu sei que de fato estão sobre carregado com tanto ativismos religioso. Mais esses são poucos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tanto o desigrejismo como o ativismo igrejacional é prejudicial.

      Excluir

Postar um comentário

Comentários:

Postagens mais visitadas deste blog

A IMPORTÂNCIA DA FIDELIDADE DOS DÍZIMOS E DAS OFERTAS

Introdução:
O assunto do dízimo é um dos mais importantes na vida do cristão. A prática do dízimo é um tema controvertido nas igrejas evangélicas, tendo, de um lado, defensores apaixonados e, do outro, críticos ardorosos. Para alguns, é uma espécie de legalismo judaico preservado na igreja cristã. Para outros, trata-se de uma norma divina que tem valor permanente para o povo de Deus, na antiga e na nova dispensação. Os críticos do dízimo afirmam que sua obrigatoriedade é contrária ao espírito do evangelho, pois Cristo liberta as pessoas das imposições da lei. Os defensores alegam que essa posição é interesseira, porque permite às pessoas se eximirem da responsabilidade de sustentar generosamente a igreja e suas atividades. O grande desafio nessa área é encontrar o equilíbrio entre tais posições divergentes. O que está em jogo é uma questão mais ampla — o conceito da mordomia cristã, do uso que os cristãos fazem de seus recursos e bens. A Bíblia trata do dízimo em vários textos, isto é…

A ORAÇÃO É A CHAVE PARA A OBRA MISSIONÁRIA

“Quando o homem trabalha, o homem trabalha. Quando o homem ora, Deus trabalha.” Patrick Johnstone

INTRODUÇÃO
O mundo luta com armas químicas, biológicas, bombas atômicas e etc.. São armas consideradas de muito poder. No entanto, existe uma arma mais poderosa do que essas citadas: a oração do justo (Tg 5.16). Ela é mais potente do que os mísseis norte-americanos, pois nunca erra o alvo. A nossa arma é a oração. A oração nos orienta a tomar decisões importantes na obra missionária e em tudo na vida. Ela promove comunhão na igreja (At 2.42).
A oração é a marca distintiva da igreja missionária. A oração é um meio para enfrentar a perseguição. Em At 12.1 diz: “Por aquele tempo, mandou o rei Herodes prender alguns da igreja para os maltratar.” No versículo 5 diz que enquanto o apóstolo Pedro estava aguardando o seu martírio: “... havia oração incessante a Deus por parte da igreja a favor dele.” Toda igreja que faz missão passa por perseguição. Todavia, a perseguição não é capaz de acorre…

Ilustração Missionária: “A Missão de Uma Vela”