Pular para o conteúdo principal

Autoridades sudanesas fecham escritórios cristãos no sul de Darfur

17 mai 2012 Sudão

Conselho de Igrejas do Sudão (SCC) e escritório de Ajuda ao Sudão, no sul do estado de Darfur, são fechados sem explicação, disseram as fontes: “Agentes da Inteligência Nacional Sudanesa e Serviço de Segurança (NISS) chegaram na organização cristã em Nyala na manhã do dia 22 de abril, e ordenaram que os membros da equipe do SCC entregassem as chaves dos escritórios e veículos e, sem dar nenhuma explicação, ordenaram que deixassem o local imediatament”, disse um colaborador da SCC.

"Eles vieram pela manhã ao nosso escritório e levaram todas as chaves dos gabinetes, e nos expulsaram para fora do complexo, sem nenhuma explicação", compartilhou um colaborador da SCC ao Compass por telefone.
Três membros da equipe de Ajuda ao Sudão foram presos no episódioe levados para um local não revelado, disse a fonte.
"As famílias estão agustiadas por não saberem o paradeiro de seus entes queridos", disse outro colaborador.
Os agentes da NISS também fecharam uma clínica-igreja, que servia para atender os necessitados na região.
Essa ações aconteceram numa época em que o cristianismo, considerado uma religião estrangeira, é cada vez mais perseguido no Sudão. Estima-se que 350.000 sudaneses sulistas, muitos deles cristãos, ainda permanecem no norte de maioria islâmica.

No dia seguinte ao fechamento do SCC e dos escritórios de Ajuda ao Sudão, os membros da equipe relataram que havia mais de uma dúzia de homens para isolar o complexo e que eles estavam armados. Os agentes levaram as chaves de cinco carros e expulsaram os colaboradores do local, segundo um comunicado de imprensa SCC. Três motos também foram apreendidas. "Nós não sabemos o paradeiro dos veículos", disseram os colaboradores da SCC em comunicado.

No dia 24 de abril, a Comissão de Ajuda Humanitária Federal do Sudão congelou as contas bancárias da SCC em Nyala.
Fontes disseram ao Compass que o incidente deixou igrejas do sul de Darfur, profundamente perturbadas e assustadas.

Ao mesmo tempo, o presidente sudanês, Omar al-Bashir, procurado pelo Tribunal Penal Internacional por crimes contra a humanidade em Darfur, prometeu eliminar qualquer vestígio do cristianismo das Montanhas Nuba alegando que os cristãos dessa região são agentes infiltrados do Ocidente.

Em 20 de abril, ele ordenou aos militares sudaneses que eliminasse das Montanhas de Nuba todos os que se opunham ao seu governo islâmico, e nas últimas semanas ele tem repetidamente declarado jihad contra os povos de Nuba, entre os quais, há muitos cristãos.

Ordenou à TV e rádio estatais que reproduzam músicas incitando os muçulmanos a "lutar contra os infiéis" e "limpar a terra" de sua presença, aumentando os temores dos cristãos sulistas impossibilitados de deixar o norte do país.

As agências humanitárias consideram que o governo islâmico quer fazer uma "limpeza étnica" nas montanhas de Nuba, cujo principal algo são os povos não-árabes, adicionando ao seu discurso a eliminação dos cristãos da região. Além disso, com a escalada do conflito militar entre o Sudão e o Sudão do Sul no mês passado, Bashir prometeu limpar o Sudão do Sul daqueles que ele descreveu como "insetos".

"Queremos ver nossa terra pura, limpa desses insetos", disse ele em meio a aplausos em Port Sudan do dia 20 de abril.
“Os discursos hostis de Bashir e outros oficiais sudaneses tem como objetivo mobilizar os muçulmanos do exterior a financiarem operações militares nos estados de Kordofan e Nilo Azu”, disseram as fontes. Líderes religiosos muçulmanos do Sudão, alegam ter laços com a ala radical dos muçulmanos salafistas, e afirmaram que, não deve haver espaço para igrejas e cristãos no Sudão.

Forças militares sudanesas bombardearam A Igreja Sudanesa de Cristo em 28 de março na região de al-Buram, no sul do estado de Kordofan , disseram testemunhas ao Compass por telefone. As fontes acrescentaram que a vida está se tornando mais difícil para os cristãos no sul de Kordofan, já que o governo do Sudão mobiliza tribos árabes, fornecendo-lhes armas para matar as pessoas.

Ore:
• Peça a Deus que guarde os cristãos de Nuba e Kordofan dos ataques do governo e grupos radicais islâmicos.
• Ore para que os cristãos do Sudão (norte) perseverem na fé e continuem testemunhando de Cristo aos muçulmanos.
• Ore pela paz entre o Sudão (norte) e o Sudão do Sul.

Fonte: Compass Direct
Tradução: Marcelo Peixoto
Link: http://www.portasabertas.org.br/noticias/2012/05/1540965/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A IMPORTÂNCIA DA FIDELIDADE DOS DÍZIMOS E DAS OFERTAS

Introdução:
O assunto do dízimo é um dos mais importantes na vida do cristão. A prática do dízimo é um tema controvertido nas igrejas evangélicas, tendo, de um lado, defensores apaixonados e, do outro, críticos ardorosos. Para alguns, é uma espécie de legalismo judaico preservado na igreja cristã. Para outros, trata-se de uma norma divina que tem valor permanente para o povo de Deus, na antiga e na nova dispensação. Os críticos do dízimo afirmam que sua obrigatoriedade é contrária ao espírito do evangelho, pois Cristo liberta as pessoas das imposições da lei. Os defensores alegam que essa posição é interesseira, porque permite às pessoas se eximirem da responsabilidade de sustentar generosamente a igreja e suas atividades. O grande desafio nessa área é encontrar o equilíbrio entre tais posições divergentes. O que está em jogo é uma questão mais ampla — o conceito da mordomia cristã, do uso que os cristãos fazem de seus recursos e bens. A Bíblia trata do dízimo em vários textos, isto é…

A ORAÇÃO É A CHAVE PARA A OBRA MISSIONÁRIA

“Quando o homem trabalha, o homem trabalha. Quando o homem ora, Deus trabalha.” Patrick Johnstone

INTRODUÇÃO
O mundo luta com armas químicas, biológicas, bombas atômicas e etc.. São armas consideradas de muito poder. No entanto, existe uma arma mais poderosa do que essas citadas: a oração do justo (Tg 5.16). Ela é mais potente do que os mísseis norte-americanos, pois nunca erra o alvo. A nossa arma é a oração. A oração nos orienta a tomar decisões importantes na obra missionária e em tudo na vida. Ela promove comunhão na igreja (At 2.42).
A oração é a marca distintiva da igreja missionária. A oração é um meio para enfrentar a perseguição. Em At 12.1 diz: “Por aquele tempo, mandou o rei Herodes prender alguns da igreja para os maltratar.” No versículo 5 diz que enquanto o apóstolo Pedro estava aguardando o seu martírio: “... havia oração incessante a Deus por parte da igreja a favor dele.” Toda igreja que faz missão passa por perseguição. Todavia, a perseguição não é capaz de acorre…

Ilustração Missionária: “A Missão de Uma Vela”