Pular para o conteúdo principal

A Mercantilização das Igrejas



"Porque nós não estamos, como tantos outros, mercadejando a palavra de Deus; antes, em Cristo é que falamos na presença de Deus, com sinceridade e da parte do próprio Deus." (2Co 2.17)

Muitas igrejas têm trocado o modelo comunidade pelo molde empresarial. Estão buscando executivos da fé, enquanto as igrejas precisam de pastores. Ou seja, estão buscando profissionais nas áreas de Administração de Empresas, Contabilidade, Direito, Gestão de Pessoas, Psicologia, Filosofia, Sociologia e Antropologia, enquanto o rebanho necessita urgentemente de pastores que conheçam profundamente a Bíblia.

Infelizmente, muitos pastores vestiram suas igrejas com padrões seculares e empresariais de administração. Quando um pastor faz isso é porque vendeu a sua alma. O fato é que estruturas empresariais não produzem comunidades. Pois, as pessoas sentem-se usadas e esgotadas pelas empresas, não nutridas por elas. Assim, incontáveis são os perigos e ameaças proporcionados pela secularização e mercantilização das igrejas.

O padrão empresarial ressalta programas, produtos, tarefas, ocupações, domínio, controle, benefícios e vantagens, prerrogativas, dinheiro, emprego, profissão, encargos, produção, obras, sistemas de organização, regras, normas e regulamentos, gerenciamento, concorrência, produtividade, lucros, números e estatísticas, promoção, agenciamento, marketing, propaganda, exigências e cronogramas. Enquanto a igreja (modelo comunitário) é absolutamente contrária ao empresarial, pois realça a glória de Deus, a edificação da igreja e a salvação dos perdidos. Isto significa que nossas igrejas devem cuidar das pessoas, terem senso de propósito, capacitação, graça, missão, exortação, providência, salvação, discipulado, investimento em vidas, misericórdia, crescimento pessoal, ternura, relacionamentos (não simplesmente eventos), amizade, convívio e organismo (não meramente organização).

O alvo da igreja não pode e não deve ser o lucro financeiro. A igreja não pode ser entendida e conduzida como um comércio. Igreja não é empresa, por isso não pode ser regida como tal. Igreja não é lugar de lucro, não é secular. Na igreja do Senhor não há lugar para executivos da fé. Igreja é uma instituição sem fins lucrativos. A missão da igreja é adorar ao Senhor e proclamar o Evangelho para a glória de Deus!

Assim, o pastor ao contrário do executivo da fé, prioriza relacionamentos, alenta e anima o rebanho, trabalha para o crescimento das pessoas, pautando-se pelos princípios bíblicos aprofundados na identidade e caráter de Cristo como o Pastor, com o intento último da concretização espiritual e uma absoluta dependência em Deus.

Nos laços do Calvário que nos une,
Rev. Luciano Paes Landim.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A IMPORTÂNCIA DA FIDELIDADE DOS DÍZIMOS E DAS OFERTAS

Introdução:
O assunto do dízimo é um dos mais importantes na vida do cristão. A prática do dízimo é um tema controvertido nas igrejas evangélicas, tendo, de um lado, defensores apaixonados e, do outro, críticos ardorosos. Para alguns, é uma espécie de legalismo judaico preservado na igreja cristã. Para outros, trata-se de uma norma divina que tem valor permanente para o povo de Deus, na antiga e na nova dispensação. Os críticos do dízimo afirmam que sua obrigatoriedade é contrária ao espírito do evangelho, pois Cristo liberta as pessoas das imposições da lei. Os defensores alegam que essa posição é interesseira, porque permite às pessoas se eximirem da responsabilidade de sustentar generosamente a igreja e suas atividades. O grande desafio nessa área é encontrar o equilíbrio entre tais posições divergentes. O que está em jogo é uma questão mais ampla — o conceito da mordomia cristã, do uso que os cristãos fazem de seus recursos e bens. A Bíblia trata do dízimo em vários textos, isto é…

A ORAÇÃO É A CHAVE PARA A OBRA MISSIONÁRIA

“Quando o homem trabalha, o homem trabalha. Quando o homem ora, Deus trabalha.” Patrick Johnstone

INTRODUÇÃO
O mundo luta com armas químicas, biológicas, bombas atômicas e etc.. São armas consideradas de muito poder. No entanto, existe uma arma mais poderosa do que essas citadas: a oração do justo (Tg 5.16). Ela é mais potente do que os mísseis norte-americanos, pois nunca erra o alvo. A nossa arma é a oração. A oração nos orienta a tomar decisões importantes na obra missionária e em tudo na vida. Ela promove comunhão na igreja (At 2.42).
A oração é a marca distintiva da igreja missionária. A oração é um meio para enfrentar a perseguição. Em At 12.1 diz: “Por aquele tempo, mandou o rei Herodes prender alguns da igreja para os maltratar.” No versículo 5 diz que enquanto o apóstolo Pedro estava aguardando o seu martírio: “... havia oração incessante a Deus por parte da igreja a favor dele.” Toda igreja que faz missão passa por perseguição. Todavia, a perseguição não é capaz de acorre…

Ilustração Missionária: “A Missão de Uma Vela”