Pular para o conteúdo principal

Autoajuda, Bibliomancia e Horóscopo Gospel



Lamentavelmente, temos visto o desprezo de muitos no que refere à meditação das Escrituras. Vivemos dias difíceis em que muitos abandonaram o estudo da Palavra de Deus. Há pesquisas que denunciam 86% de evangélicos brasileiros que nunca leram a Bíblia inteira nenhuma vez e 50,68% dos pastores e líderes brasileiros que nunca leram por inteiro o Livro de Deus pelo menos uma vez. 80% dos pastores da nossa nação só leem a Bíblia quando vão preparar sermões, afirmam pesquisas.

Tão terrível quanto não ler a Bíblia é tratar o Livro de Deus como palavras de autoajuda, horóscopo gospel e o que chamo de bibliomancia. A Palavra de Deus não é uma receita de palavras de auto aceitação e de autoajuda. Ela não fala de autoajuda, mas de ajuda do alto. A ênfase dela não está no homem, mas em Deus. Deus é quem nos aceita (os eleitos) por sua infinita graça. Vermos a Palavra de Deus como um livro de autoajuda só contriburá com uma visão distorcida do Eterno, fazendo de Deus um ser apequenado, cujo propósito de existência é satisfazer os caprichos humanos.

A Bíblia também não é um método de adivinhação onde tiramos uma pequena porção da mesma e nos dirigimos. Pelo contrário, as Escrituras devem ser lidas por completas, não através de porções, e deve nos guiar por inteiro. Não somos nós que nos guiamos, porém, é Deus quem nos guia. A ideia de ler a Bíblia através da “caixinha de promessas” onde são selecionados apenas versículos coniventes ao leitor, deve ser rejeitada completamente. As Escrituras devem ser lidas por completas. Devemos ler toda a Escritura e não somente aquilo que nós consideramos como conveniente.

A Bíblia também não é um amuleto. Não adianta colocarmos a Bíblia aberta no Salmo 23 ou 91 em cima da nossa estante. A Bíblia tem de estar em nossa mente e coração. Ela não é um talismã que vai atrair todo mal da nossa casa para ela e nos trazer sorte. Há uma diferença enorme e fundamental entre a fé bíblica e as crendices supersticiosas. Cristianismo não é animismo. Para o cristão não existe sorte nem azar, mas providência divina, plano de Deus.

A Bíblia também não é um livro mágico ou “psicografado” pelo Espírito Santo. Ela é a revelação escrita, inspirada, inerrante, autoritativa e suficiente Palavra de Deus: “Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção, para a educação na justiça” (2Tm 3.16).

Portanto, digo: abandonemos o paganismo e façamos da Bíblia, mas toda Ela, a nossa meditação dia e noite. Pratiquemos a Palavra de Deus com toda a nossa força. Preguemos o Evangelho aos perdidos e vivamos para a glória de Deus.

Nos laços do Calvário que nos une
Luciano Paes Landim.

Comentários

  1. Caro irmão, creio que o texto levanta um outro problema para aqueles que creêm que o tão esperado avivamento brasileiro se dará no nível de um mínimo de conhecimento da Palavra de Deus pela grande maioria do povo cristão. A realidade escancarada no teu texto a respeito da pouca dedicação à leitura inclusive por parte da liderança, leva-me a crer que o momento seja mais propício para o "avivamento" daqueles que comungam com o movimento do reteté.
    #triste realidade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Paz em Cristo irmão Célio!

      Grande parte da igreja brasileira alcançou crescimento quilomêtrico, todavia, tem se acomodado na superficialidade espiritual e bíblica. Ou seja, o crescimento em expansão é de 10000 km, mas o o crescimento em profundidade é de 2 cm. Tudo isso é consequência do analfabetismo bíblico em nossas igrejas.

      Portanto, digo: Voltemos ao Evangelho puro e simples. Confessemos as Escrituras como nossa única regra de fé e prática. A Bíblia é fonte do verdadeiro avivamento.

      Nos laços do Calvário que nos une,
      Luciano.

      Excluir

Postar um comentário

Comentários:

Postagens mais visitadas deste blog

A IMPORTÂNCIA DA FIDELIDADE DOS DÍZIMOS E DAS OFERTAS

Introdução:
O assunto do dízimo é um dos mais importantes na vida do cristão. A prática do dízimo é um tema controvertido nas igrejas evangélicas, tendo, de um lado, defensores apaixonados e, do outro, críticos ardorosos. Para alguns, é uma espécie de legalismo judaico preservado na igreja cristã. Para outros, trata-se de uma norma divina que tem valor permanente para o povo de Deus, na antiga e na nova dispensação. Os críticos do dízimo afirmam que sua obrigatoriedade é contrária ao espírito do evangelho, pois Cristo liberta as pessoas das imposições da lei. Os defensores alegam que essa posição é interesseira, porque permite às pessoas se eximirem da responsabilidade de sustentar generosamente a igreja e suas atividades. O grande desafio nessa área é encontrar o equilíbrio entre tais posições divergentes. O que está em jogo é uma questão mais ampla — o conceito da mordomia cristã, do uso que os cristãos fazem de seus recursos e bens. A Bíblia trata do dízimo em vários textos, isto é…

A ORAÇÃO É A CHAVE PARA A OBRA MISSIONÁRIA

“Quando o homem trabalha, o homem trabalha. Quando o homem ora, Deus trabalha.” Patrick Johnstone

INTRODUÇÃO
O mundo luta com armas químicas, biológicas, bombas atômicas e etc.. São armas consideradas de muito poder. No entanto, existe uma arma mais poderosa do que essas citadas: a oração do justo (Tg 5.16). Ela é mais potente do que os mísseis norte-americanos, pois nunca erra o alvo. A nossa arma é a oração. A oração nos orienta a tomar decisões importantes na obra missionária e em tudo na vida. Ela promove comunhão na igreja (At 2.42).
A oração é a marca distintiva da igreja missionária. A oração é um meio para enfrentar a perseguição. Em At 12.1 diz: “Por aquele tempo, mandou o rei Herodes prender alguns da igreja para os maltratar.” No versículo 5 diz que enquanto o apóstolo Pedro estava aguardando o seu martírio: “... havia oração incessante a Deus por parte da igreja a favor dele.” Toda igreja que faz missão passa por perseguição. Todavia, a perseguição não é capaz de acorre…

Ilustração Missionária: “A Missão de Uma Vela”