Pular para o conteúdo principal

Os 10 Melhores Livros Que Li no Ano de 2013


O ano ainda não terminou, sei que ainda vou ler alguns ótimos livros (como relacionei no post anterior), mas me antecipo em colocar a minha lista Top Ten: os 10 melhores livros que li em 2013. Caso precise atualizar e aumentar a lista (é o que tudo indica), atualizarei este post. Observação: Os livros não estão necessariamente em ordem de importância:

1. Reforma – Ontem, Hoje e Amanhã (Carl Trueman, Editora Os Puritanos).

2. Deus e o Mal (Gordon Clark, Editora Monergismo).

3. Plantando Igrejas (Ronaldo Lidório, Editora Cultura Cristã).

4. Deus é Soberano (Artur Pink, Editora Fiel).

5. Calvinismo – As Antigas Doutrinas da Graça (Paulo Anglada, Knox Publicações).

6. Pregação e Pregadores (D. Martin Lloyd-Jones, Editora Fiel).

7. A Evangelização e a Soberania de Deus (J.I Packer, Editora Cultura Cristã).

8. A Heroica Ousadia de Martinho Lutero (Steve Lawson, Editora Fiel).

9. A Arte Expositiva de João Calvino (Steve Lawson, Editora Fiel).

10. Introdução à Pregação Reformada (Paulo Anglada, Knox Publicações).


Nos laços do Calvário nos une,
Luciano Paes Landim.

Comentários

  1. A Arte Expositiva de João Calvino também está entre os livros que li esse ano, junto de O Homem que Orava também foi um dos melhores que li em 2013, foi inclusive meu primeiro contato com parte da história de Calvino e com certeza me despertou para conhecer teologia reformada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O livro "A Arte Expositiva de João Calvino", do autor Steve Lawson, li duas vezes. Realmente é ótimo. Ele faz parte da Série "Um Perfil de Homens Piedosos" da Editora Fiel. Os outros títulos tratam de Knox, Lutero, Spurgeon e Edwards. A Editora Fiel promete traduzir os outros títulos. Muito bom!

      Excluir
  2. Deus e o Mal (Gordon Clark) é apologético nos padrões de C.S Lewis ou é mais na linha de O problema do mal no Antigo Testamento do Luiz Sayão?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gordon Clark é tido como um dos maiores filósofos cristãos do século XX. Nesta obra, ele não rodeia no assunto, pelo contrário, vai direto ao cerne. Ele parte da pressuposição de que Deus é soberano sobre a totalidade do pecado e do mal, e por seu amor para conosco, seus eleitos, ele ordenou sua existência para demonstrar sua paciência e ira, e apresentar sua glória e justiça. Não conheço obra literária que trate o problema do mal com tanta coragem e argumentação bíblica. Quem criou o mal? A resposta é Deus.

      Excluir

Postar um comentário

Comentários:

Postagens mais visitadas deste blog

A IMPORTÂNCIA DA FIDELIDADE DOS DÍZIMOS E DAS OFERTAS

Introdução:
O assunto do dízimo é um dos mais importantes na vida do cristão. A prática do dízimo é um tema controvertido nas igrejas evangélicas, tendo, de um lado, defensores apaixonados e, do outro, críticos ardorosos. Para alguns, é uma espécie de legalismo judaico preservado na igreja cristã. Para outros, trata-se de uma norma divina que tem valor permanente para o povo de Deus, na antiga e na nova dispensação. Os críticos do dízimo afirmam que sua obrigatoriedade é contrária ao espírito do evangelho, pois Cristo liberta as pessoas das imposições da lei. Os defensores alegam que essa posição é interesseira, porque permite às pessoas se eximirem da responsabilidade de sustentar generosamente a igreja e suas atividades. O grande desafio nessa área é encontrar o equilíbrio entre tais posições divergentes. O que está em jogo é uma questão mais ampla — o conceito da mordomia cristã, do uso que os cristãos fazem de seus recursos e bens. A Bíblia trata do dízimo em vários textos, isto é…

A ORAÇÃO É A CHAVE PARA A OBRA MISSIONÁRIA

“Quando o homem trabalha, o homem trabalha. Quando o homem ora, Deus trabalha.” Patrick Johnstone

INTRODUÇÃO
O mundo luta com armas químicas, biológicas, bombas atômicas e etc.. São armas consideradas de muito poder. No entanto, existe uma arma mais poderosa do que essas citadas: a oração do justo (Tg 5.16). Ela é mais potente do que os mísseis norte-americanos, pois nunca erra o alvo. A nossa arma é a oração. A oração nos orienta a tomar decisões importantes na obra missionária e em tudo na vida. Ela promove comunhão na igreja (At 2.42).
A oração é a marca distintiva da igreja missionária. A oração é um meio para enfrentar a perseguição. Em At 12.1 diz: “Por aquele tempo, mandou o rei Herodes prender alguns da igreja para os maltratar.” No versículo 5 diz que enquanto o apóstolo Pedro estava aguardando o seu martírio: “... havia oração incessante a Deus por parte da igreja a favor dele.” Toda igreja que faz missão passa por perseguição. Todavia, a perseguição não é capaz de acorre…

Ilustração Missionária: “A Missão de Uma Vela”