Pular para o conteúdo principal

Pastor, um missionário de tempo integral


Já perdi as contas de quantas vezes prometi a mim mesmo que não publicaria mais textos sobre missões, pois pareço um papagaio que diz sempre as mesmas coisas. Porém, constantemente me pego publicando pensamentos missionários. O fato é que presido a Sociedade de Apoio Evangelístico e Missionário (Missão SAEM), que atua há 13 anos no despertamento, capacitação, intercessão e sustento de missionários. É um trabalho simples que visa tão somente inculcar missões nos crentes (colocar na cabeça). O nosso propósito é incentivar os crentes a dobrarem os joelhos em oração pelos missionários, abrirem os bolsos e ajudar no sustento de missões e pregarem incansavelmente o evangelho.

Sou apenas um pastor de igreja local que sente nos ombros o peso de pregar fiel e expositivamente a Bíblia, administrar corretamente as ordenanças (batismo e Santa Ceia) e aplicar biblicamente a disciplina. Sei também que sou um missionário urbano, pois tenho que pregar, discipular, aconselhar, batizar, e etc. pessoas de minha cidade. É verdade que já viajei alguns Estados brasileiros, principalmente do Nordeste, e dois países, com o fim de pregar o evangelho, mas missionário de tempo integral sou mesmo onde moro (confesso que não entendo aqueles que querem evangelizar em lugares distantes, quando na verdade não evangelizam na própria cidade).

Quando pensei em plantar a congregação Boas Novas em São Sebastião/DF, disse que começaria do zero, isto é, somente com minha esposa e um amigo que estava sem igreja. Evangelizei algumas pessoas, batizei-as, discipulei-as e no final do ano teremos pela primeira vez a escolha de presbíteros e diáconos. Tenho amado o meu campo missionário. Entendo que missões não é viajar e voltar com as fotos para publicar nas redes sociais, mas ir e ficar, morar, viver com o povo que Deus nos confiou, pois o discipulado (o cerne da missão) só é possível com a convivência. Por essa razão é que digo: todo pastor é um missionário de tempo integral. Alguém que não tem rebanho não pode ser considerado pastor nem quem não está no campo missionário pode ser considerado missionário.

Agora, tenho desafiado a minha congregação a orar e a ofertar para missões, evangelizar em lugares próximos e distantes. Percebi que missões é umas das minhas paixões. Entretanto, tenho uma paixão que vem antes de missões - a igreja. Cristo morreu pela igreja. Cristo ama a igreja. Eu devo amar a igreja. Eu faço parte da igreja. Mas, antes de minha paixão pela igreja, tenho uma paixão por Cristo. E sei que quanto mais amor eu tiver por Cristo mais paixão terei pela igreja e por sua missão.

O meu desejo é ver igrejas saudáveis sendo plantadas nas cidades e campos, lugares próximos e distantes, ver missionários de tempo integral sendo mantidos e pastoreados, e tudo para a glória de Deus.

Nos laços do Calvário que nos une,

Luciano Paes Landim.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A IMPORTÂNCIA DA FIDELIDADE DOS DÍZIMOS E DAS OFERTAS

Introdução:
O assunto do dízimo é um dos mais importantes na vida do cristão. A prática do dízimo é um tema controvertido nas igrejas evangélicas, tendo, de um lado, defensores apaixonados e, do outro, críticos ardorosos. Para alguns, é uma espécie de legalismo judaico preservado na igreja cristã. Para outros, trata-se de uma norma divina que tem valor permanente para o povo de Deus, na antiga e na nova dispensação. Os críticos do dízimo afirmam que sua obrigatoriedade é contrária ao espírito do evangelho, pois Cristo liberta as pessoas das imposições da lei. Os defensores alegam que essa posição é interesseira, porque permite às pessoas se eximirem da responsabilidade de sustentar generosamente a igreja e suas atividades. O grande desafio nessa área é encontrar o equilíbrio entre tais posições divergentes. O que está em jogo é uma questão mais ampla — o conceito da mordomia cristã, do uso que os cristãos fazem de seus recursos e bens. A Bíblia trata do dízimo em vários textos, isto é…

A ORAÇÃO É A CHAVE PARA A OBRA MISSIONÁRIA

“Quando o homem trabalha, o homem trabalha. Quando o homem ora, Deus trabalha.” Patrick Johnstone

INTRODUÇÃO
O mundo luta com armas químicas, biológicas, bombas atômicas e etc.. São armas consideradas de muito poder. No entanto, existe uma arma mais poderosa do que essas citadas: a oração do justo (Tg 5.16). Ela é mais potente do que os mísseis norte-americanos, pois nunca erra o alvo. A nossa arma é a oração. A oração nos orienta a tomar decisões importantes na obra missionária e em tudo na vida. Ela promove comunhão na igreja (At 2.42).
A oração é a marca distintiva da igreja missionária. A oração é um meio para enfrentar a perseguição. Em At 12.1 diz: “Por aquele tempo, mandou o rei Herodes prender alguns da igreja para os maltratar.” No versículo 5 diz que enquanto o apóstolo Pedro estava aguardando o seu martírio: “... havia oração incessante a Deus por parte da igreja a favor dele.” Toda igreja que faz missão passa por perseguição. Todavia, a perseguição não é capaz de acorre…

Ilustração Missionária: “A Missão de Uma Vela”